Matriciamento em Saúde Mental em um Município de Médio Porte

Tássia Mayra Oliveira Farias, Henrique Figueiredo Carneiro

Resumo


O presente artigo tem por objetivo investigar a dinâmica de implantação e/ou manutenção de matriciamento em saúde mental no munícipio de Garanhuns–PE, considerando os fatores facilitadores, bem como suas dificuldades. A pesquisa foi realizada por meio de entrevistas e contou com a participação de seis profissionais envolvidos em coordenadorias que fazem parte da atividade de matriciamento. A análise foi construída com base no material das entrevistas, e sugeriu a construção de cinco categorias, que representam as dificuldades, as ações favoráveis e os sentidos de matriciamento, bem como a relação do Centro de Atenção Psicossocial e da Atenção Básica para o matriciamento, os protocolos para acompanhamento e implantação de atividades de matriciamento e o direcionamento profissional destas. É possível concluir que o Município necessita de intervenções e olhares atentos à formação profissional e pessoal dos profissionais, em que inclusive, o psicólogo pode vir contribuir de forma significativa.

Palavras-chave


Matriciamento; Saúde Mental, Atenção Básica; CAPS

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1518-1243.2016v18n2p171-184

Iniciação Científica Cesumar

Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1518-1243 Impressa
ISSN 2176-9192 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.