ENVOLVIMENTO DOS FIÉIS NO DISCURSO RELIGIOSO MIDIÁTICO: A SUBJETIVIDADE DÊITICA NA LINGUAGEM POR MEIO DO “VOCÊ”

Letícia Jovelina Storto

Resumo


O nosso objetivo neste trabalho é estudar a subjetividade dêitica empregada por pastores midiáticos para envolver o auditório por meio do pronome “você”, a fim de prender-lhe a atenção. Justifica-se a escolha do tema devido à forte presença do discurso religioso nos meios digitais, especialmente em redes sociais e plataformas de publicação de vídeos e imagens. Para realizar a pesquisa, elegemos como objeto de pesquisa o gênero textual oral pregação. Para análise, elencamos como corpus quatro pregações evangélicas publicadas na internet. Verificamos que os recursos linguístico-textuais dêiticos empregados no discurso religioso representam uma forma de envolver o auditório à interação, fazendo-o se sentir valorizado.

Palavras-chave


Discurso religioso. Envolvimento. Recursos linguístico-textuais.

Texto completo:

PDF

Referências


AFETIVIDADE. In. CAMARA JUNIOR, J. M. Dicionário de linguística e gramática: referente à língua portuguesa. 26. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007, p. 49.

ARISTÓTELES. Retórica. 2. ed. Lisboa, Portugal: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005. (Coleção Obras completas de Aristóteles, vol. VIII, tomo I).

BENITES, S.A.L. Leitura e análise linguística. In: SEMANA DE LETRAS, 5., Maringá, UEM. Anais... Maringá: EDUEM, 2001, p. 39-44.

CASTILHO, A. T. de. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

DECLERQ, G. L’art d’argumenter: structures rhétoriques et littéraires. Paris: Édition Universitaires, 1992.

DUCROT, O. Provar e dizer: linguagem e lógica. Tradução de Tradução de Maria Aparecida Barbosa, Maria de Fátima G. Moreira e Cidmar Teodoro País. São Paulo: Global Universitária, 1981.

GUIMARÃES, E. Figuras de retórica e argumentação. In: MOSCA, Lineide do Lago Salvador (Org.). Retóricas de ontem e de hoje. 3. ed. São Paulo: Humanitas, 2004, p.17-54.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: [s/n], 2012. (CD-ROM).

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MOSCA, L.L.S. Velhas e novas retóricas: convergências e desdobramentos. In: MOSCA, L. L. S. (Org.). Retóricas de ontem e de hoje. 3. ed. São Paulo: Humanitas, 2004, p. 17-54.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PRETI, D. (Org.). O discurso oral culto. 3. ed. São Paulo: Humanitas, 2005.

SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, É. C. da; DIAS, J. C. T. Uma pregação pentecostal. Paralelos, Universidade Católica de Pernambuco, v. 1, n. 1, p. 81-95, jan./jun. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1518-1243.2018v20n2p143-151

Iniciação Científica Cesumar
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9192 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1518-1243 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.