O PROCESSO DE LIRICIZAÇÃO DE UM SOPRO DE VIDA, DE CLARICE LISPECTOR

Diego Luiz Miiller Fascina

Resumo


Este artigo objetiva investigar de que maneira se dá o encontro entre poesia e prosa romanesca em Um sopro de vida, texto póstumo de Clarice Lispector, e demonstrar como se processa o amalgamento das categorias da narrativa com os modos líricos, que resulta na hibridez do gênero narrativo romanesco ou, mais especificamente, no romance lírico. Inspirado nas teorias existencialistas, especialmente em Jean-Paul Sartre, o texto clariceano empreende uma indagação acerca do existir, tentando compreender a condição humana. Os questionamentos mais íntimos e as emoções mais profundas, por pertencerem à parte abissal do Ser-aí, não podem ser expressos pelo dizer comum, de modo que o narrador e Ângela Pralini assumem, então, um discurso poético-lírico, altamente sugestivo. Para viabilizar o trabalho de análise, são convocados alguns teóricos do assunto, tais como Ralph Freedman e Luzia Tofalini, além de estudiosos da obra clariceana.

Palavras-chave


Clarice Lispector; romance lírico; Um sopro de vida

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini, Jose Pereira Junior, Augusto Goes Junior, Helena Spryndis Nazário e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Unesp, 1998.

FREEDMAN, R. La novela lírica: Hermann Hesse, Andre Gide y Virginia Woolf. Tradução de Jose Manuel Llorca. Barcelona: Barral editores, 1972.

GOULART, R. M. Romance lírico: o percurso de Vergílio Ferreira. Lisboa, Bertrand, 1990.

LINS, Á. Os mortos de sobrecasaca: ensaios e estudos (1940-1960). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

LISPECTOR, C. Um sopro de vida: pulsações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

LISPECTOR, C. Água viva. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994.

MANZO, L. Era uma vez: eu – a não ficção na obra de Clarice Lispector. Curitiba: Xerox, 1997.

NUNES, B. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Atica, 1995.

OLSON, R. Introdução ao existencialismo. Tradução de Djalma Forjaz Neto. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SÁ, O de. Clarice Lispector: A travessia do oposto. São Paulo: Annablume, 1993.

SARTRE, J.P. O existencialismo e um humanismo. Tradução de Vergílio Ferreira. In: PESSANHA, J. A. M. (Coord.). Sartre. São Paulo: Abril Cultural, 1987.

TOFALINI, L. A. B. Romance lírico: o processo de “liricização” do romance de Raul Brandão. Maringá: Ed. da Eduem, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1518-1243.2018v20n2p153-162

Iniciação Científica Cesumar
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9192 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1518-1243 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.