Aspectos psicológicos em crianças institucionalizadas vítmas de violência doméstica

Rute Grossi, Luzia Ivonete Zampoli Partala, Cristiane Rocha Kaminski

Resumo


A violência contra a criança é um tema que passou a ser bastante discutido a partir d década de 90, com a criação da Lei Federal 8069 - Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Até essa época, havia pouca preocupação em relação À criança e ao adolescente, que ainda eram vistos como sujeitos de diretos. A violência doméstica traz sérias conseqüências ao desenvolvimento infantil e, em casos graves, a criança é separada da família, sendo encaminhada judicialmente para um abrigo ou outro órgão assistencial. Entretanto, o afastamento dos pais e o rompimento dos vínculos familiares podem tornar ainda maior o sofrimento dessas crianças. O presente estudo busca caracterizar, em relação aos aspectos emocional e comportamental, crianças de 6 a 12 anos institucionalizadas por motivo de violência doméstica. Com os resultados finais espera-se contribuir para maior esclarecimento acerca da saúde mental de crianças institucionalizadas, bem como para a elaboração de estratégias preventivas e qualificação dos profissionais que atuam com essa clientela, visando à melhoria da qualidade de vida das crianças e de sua rede social. Foram identificadas seis crianças abrigadas em uma instituição do Município de Maringá, encaminhadas por motivo de violência doméstica. Para a coleta dos dados foram entrevistadas as funcionárias que realizam atendimento direto às crianças, empregando-se um roteiro de entrevista semi-estruturado, onde se buscou identificar a modalidade da violência sofrida, a situação atual em relação à adaptação e ao relacionamento com as pessoas que trabalham na instituição. Em seguida, aplicou-se a Escala Comportamental Infantil A2 de Rutter, adaptada por Graminha (1994). Pôde-se verificar que entre essas crianças, duas apresentaram traços neuróticos e uma com traços anti-sociais. Três das crianças estudadas revelaram necessidade de um tratamento psicológico ou psiquiátrico. Com relação à modalidade de violência sofrida, a maioria das crianças foi encaminhada ao abrigo devido a abandono, à violência psicológica e à negligência dos pais. De maneira geral, as crianças em questão apresentam uma constituição da estrutura e dinâmica familiar fragilizada por vários fatores, entre eles, sociais, afetivos e econômicos. É fundamental a criação de programas de atendimento multidisciplinar que atuem em conjunto com os abrigos, buscando a promoção da saúde mental da criança e a sua reinserção na família, representando novas possibilidades de busca pela garantia dos direitos fundamentais da infância.

Palavras-chave


violência doméstica; crianças institucionalizadas; desenvolvimento infantil

Texto completo:

Artigo_pdf


Iniciação Científica Cesumar
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9192 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1518-1243 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.