Erodibilidade de Solos do Cerrado Goiano

Welershon José de Castro, Mara Lucia Lemke-de-Castro, Jaqueline de Oliveira Lima, Luiz Fernando Coutinho de Oliveira, Cristiane Rodrigues, Cícero Célio de Figueiredo

Resumo


O Estado de Goiás tem sua economia basicamente voltada para a agropecuária. Os solos de cerrado passaram a ser atrativos com a mecanização da agricultura, a irrigação artificial e a utilização de corretivos químicos. Esta evolução tecnológica propiciou um uso mais intenso e se torna necessário um estudo mais profundo das características dos solos para um manejo adequado, buscando reduzir impactos negativos. A degradação das propriedades físicas do solo é um dos principais processos responsáveis pela perda de qualidade estrutural e pelo aumento da erosão hídrica. Este trabalho teve por finalidade analisar a textura, a densidade específica do solo, a densidade específica de partículas, a porosidade e a curva de retenção de umidade de quatro classes de solos agricultáveis do Estado de Goiás, possibilitando determinar quais classes de solos são mais susceptíveis à erodibilidade. As coletas foram realizadas da porção central à porção sudoeste do território goiano, em uma área tipicamente de domínio de cerrado. Foram utilizados os cálculos de estatística descritiva, com nível de confiança de 95%. Para as análises de textura e de curva de retenção hidráulica foi utilizado o teste de correlação para comparação entre as médias. O neossolo quartzarênico (RQ) apresentou maior propensão a erodibilidade que as demais classes de solos avaliadas, sendo, portanto, mais vulnerável à erosão hídrica avaliando-se apenas pelo fator de erodibilidade (K). Técnicas de uso e manejo do solo podem reduzir a perda de solos por erosão hídrica.

PALAVRAS-CHAVE: Erosão Hídrica; Propriedades Físicas; Porosidade; Textura; Curva de Retenção de Umidade.

Palavras-chave


Erosão hídrica; Propriedades físicas; Porosidade; Textura; Curva de retenção de umidade

Texto completo:

Artigo_Pdf


Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.