A Gestão da Cadeia Produtiva de Moluscos Catarinense e suas Limitações Operacionais

Alessandra Vasconcelos Gallon, Cristiano Nascimento, Elisete Dahmer Pfitscher

Resumo


O setor aquícola, visto a partir da perspectiva da cadeia produtiva de moluscos (especificamente mexilhões e ostras), combina a atuação de agentes públicos e privados em benefício das atividades maricultoras e assume um papel de destaque no desenvolvimento econômico e social do Estado de Santa Catarina. Assim, com este artigo objetiva-se apresentar a gestão da cadeia produtiva de moluscos catarinense e suas limitações operacionais. Para tanto, na pesquisa exploratória, realizada por meio do método observacional, com suporte da literatura existente, utiliza-se a abordagem qualitativa dos dados. Os resultados, condizentes com a literatura pesquisada, revelam que a cadeia produtiva de moluscos, que compreende os aspectos da produção de insumos, produção primária, beneficiamento e/ou transformação, comercialização e distribuição apresenta um conjunto amplo de elementos que restringem seu pleno desenvolvimento, sendo necessária a implementação, por exemplo, de tecnologias que facilitem o manejo e, consequentemente, favoreçam o aumento da produtividade do setor. Em função dos fatos observados na pesquisa, identificam-se os elementos que compõem a cadeia produtiva de moluscos, os quais estão dispostos num esquema proposto, cujos agentes interagem, na maior parte dos casos, por meio do processo logístico.

Palavras-chave


Aquicultura; Cadeia Produtiva de Moluscos; Processos Logísticos; Limitações Competitivas.

Texto completo:

Artigo_Pdf


Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.