A Fruticultura de Exportação do Vale do São Francisco e a Crise Econômica: Efeitos Sobre a Convenção Coletiva de Trabalho 2009-2010

Tales Wanderley Vital, Horst Dieter Moller, Luis Andrea Favero, Yony de Sá Barreto Sampaio, Elias Silva

Resumo


A crise econômica mundial vem reduzindo o consumo de produtos importados, principalmente nos EUA e na EU, atingindo a uva e a manga do Vale do São Francisco, colocadas nesses mercados em 2008. Essas frutas, na quase totalidade, foram entregues em consignação para pagamento com 90 a 120 dias após as vendas. A redução das exportações e dos preços tem levado muitas empresas a suspenderem temporariamente suas atividades produtivas, chegando algumas a fecharem as portas. A redução da atividade econômica vem também afetando a procura por trabalhadores e provocando uma queda do nível de emprego na região, com previsão de agravamento em 2009. A convenção coletiva mediada pelo Ministério do Trabalho e Emprego foi iniciada no final de janeiro e concluída em fevereiro de 2009. A atual crise econômica, iniciada em 2008, vem atingindo tanto a classe trabalhadora como a classe patronal. Verificar a posição dos dois grupos e a defesa de seus interesses, tanto na preparação quanto após o resultado da convenção, foi o principal objetivo deste trabalho. A conclusão desta pesquisa é que a manutenção dos postos de trabalho dominou a pauta das negociações em detrimento de aumento salarial, seguindo o caminho natural de negociações coletivas quando a ameaça é o desemprego em massa.

Palavras-chave


Convenção Coletiva de Trabalho; Fruticultura; Vale do São Francisco.

Texto completo:

Artigo_pdf


Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.