A Agricultura Itinerante no Distrito de Bobonaro em Timor-Leste no Período Pós-Independência

Maria Jesus, Pedro Damião Henriques, Pedro Laranjeira, Vanda Narciso, Maria Leonor da Silva Carvalho

Resumo


A agricultura itinerante é um tipo de sistema agrícola primitivo, adotado historicamente nos ecossistemas de florestas tropicais, em que o ser humano faz o corte da floresta, queimando os resíduos como preparação da terra para a cultura. A produção de alimentos é feita por 2 a 3 anos e, posteriormente, a área é abandonada, tornando-se improdutiva. Muitas vezes, nos terrenos abandonados estabelece-se a floresta secundária, podendo voltar a ser utilizados para o cultivo cerca de dez a vinte anos depois. Em Timor-Leste, a agricultura itinerante ainda é praticada como forma de agricultura de subsistência. Com este trabalho pretendemos caracterizar a agricultura itinerante em Timor-Leste e relevar a sua importância socioeconômica para as populações rurais do território, identificar os seus impactos na sustentabilidade ambiental dos ecossistemas e referir as soluções para minorar os seus efeitos negativos. A metodologia utilizada baseou-se na recolha de informação bibliográfica relevante sobre o tema e na realização de um inquérito por questionário a agricultores itinerantes do subdistrito de Atabae, distrito de Bobonaro. Este questionário caracterizou a agricultura itinerante e ouviu a opinião dos agricultores sobre os efeitos da mesma. A agricultura itinerante de hoje em Timor-Leste destina-se essencialmente às culturas de horta. Os materiais resultantes do derrube e corte da floresta são usados para lenha, vedações e materiais de construção. Os impactos negativos sobre os bens e serviços produzidos por florestas são sentidos através das mudanças na precipitação, erosão, mudanças climáticas, diminuição do número de animais selvagens, e das plantas e produtos colhidos nas florestas.


Itinerant Agriculture in the Bobonaro District in East Timor During the Post-Independence Period

ABSTRACT: Itinerant agriculture is a primitive agricultural system historically adopted in the ecosystems of tropical forests in which people make a clearing in the forest and burn the residues to prepare the ground for planting. Food production occurs for 2 to 3 years; the area is then abandoned and becomes non-productive. A secondary forest establishes itself frequently on the abandoned ground and may be used once more for crop planting after ten to twenty years. Itinerant agriculture is still employed in East Timor as subsistence agriculture. Current analysis characterizes the iterant agriculture in East Timor and enhances its social and economic relevance for rural populations, identifies impacts on the environmental sustainability of ecosystems and describes solutions to minimize its negative effects. Methodology is based on the bibliographical information on the theme and on a questionnaire survey to itinerant peasants of the sub-district Atabae in Bobonaro. The questionnaire characterized itinerant agriculture and collected the opinion of peasants on its effects. Current itinerant agriculture in East Timor is restricted to kitchen gardens and the material produced in forest clearings is used as firewood and building material. The negative impacts on goods and services produced by the forests are measured by changes in
rainfall, erosion, climate changes, decrease in the number of wild animals and plants and in products collected in the forest.

KEYWORDS: Itinerant Agriculture; Forest Ecosystems; Sustainability; East Timor.

Palavras-chave


Agricultura Itinerante; Ecossistemas Florestais; Sustentabilidade; Timor-Leste

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2015v8n1p193-215

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.