HEDGE COM COMBINAÇÃO DE ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS

Karine Diniz Xavier, Kellen Cristina Campos Fernandes, Reginaldo Santana Figueiredo, Odilon José de Oliveira Neto

Resumo


O objetivo deste estudo foi desenvolver hedge por meio da combinação de diferentes atividades agropecuárias de modo a oferecer ao produtor rural e usuários em geral, um instrumento para mitigação do risco no mercado agropecuário. Tal instrumento se refere a uma tabela com diferentes portfólios compostos por diferentes atividades agropecuárias, acompanhados de seu risco e retorno operacional mensal, além das alocações ótimas dos recursos financeiros e da área da propriedade rural para cada atividade. Para alcance do objetivo da pesquisa, foi utilizada a teoria do Portfólio de Harry Markowitz (1952) com a elaboração da matriz de correlação entre os retornos das atividades em estudo e o modelo de programação linear, que possui como função objetivo a equação que visa minimizar o risco de um portfólio proposta pelo mesmo autor. Os resultados oferecem portfólios com a combinação de duas, três, quatro, cinco e seis atividades agropecuárias. Foi possível verificar que o Portfólio 1, composto pelas atividades milho e soja, apresentou maior nível de retorno operacional mensal, 15,70%, para um risco de 2,79%. O Portfólio 6, formado pelas atividades tomate e bovinocultura de corte, oferece o menor nível de risco quando comparado aos outros portfólios, 0,35%, para um retorno operacional mensal de 3,33%. A escolha do melhor portfólio é feita pelo usuário levando em consideração o nível de risco que ele está disposto a enfrentar.

Palavras-chave


Portfólios; Diversificação; Programação linear

Texto completo:

PDF

Referências


ABSON, D. J.; FRASER, E. D.G.; BENTON, T. G. Landscape diversity and the resilience of agricultural returns: a portfolio analysis of land-use patterns and economic returns from lowland agriculture. Agriculture & food security, v. 2, n. 1, p. 1, 2013.

BOUERSLEV, T. Generalized autoregressive condicional heteroskedasticity. Journal of Econometrics, 1986.

BRASIL. Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB. Indicadores da agropecuária. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2012.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Índices, Preços e Custos. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2012.

CARVALHO, L. F.; RIBEIRO, K. C.S. Teste de previsibilidades de retornos de ações que compõem o IGC. In: SEMEAD, EMPREENDEDORISMO EM ORGANIZAÇÕES, 11., 2008, São Paulo. Anais eletrônicos... Disponível em: . Acesso em: ago. 2012.

FAEG - Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Goiás. Custo de produção. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2012.

FGV - Fundação Getúlio Vargas. Índice Geral de Preços (IGP). Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013.

FIGUEIREDO FILHO D. B., SILVA JUNIOR, J. A. Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje, v. 18, n. 1, 2009.

GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004. 745 p.

HARDAKER, J. Brian et al. Coping with risk in agriculture: applied decision analysis. CABI, 2015. 4 p.

LOPES, M.A.; MAGALHAES, G.P. Análise da rentabilidade da terminação de bovinos de corte em condições de confinamento: um estudo de caso. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., Belo Horizonte, v. 57, n. 3, p. 374-379, june 2005. Available from: . Acesso em: 17 fev. 2016.

MARETH, T.; PAIM, E. S. E.; PIENIZ, L. P.; ERTHAL, F. S. Programação linear como ferramenta de apoio a gestão de custos: um estudo de caso em uma indústria de usinagem. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL, 42., 2010, Bento Gonçalves. Anais... Bento Gonçalves: Sobrapo, 2010, p. 1-12.

MARKOWITZ, H. M. Portfolio selection. The Journal of Finance, v.7, n.1, p. 77-91, 1952.

MEADOWS, D. L.; MEADOWS, D. H; RANDERS, J.; BEHRENS, W.W. Os Limites do Crescimento. São Paulo: Perspectiva, 1972.

MOREIRA, V. R.; BARREIROS, R.F.; PROTIL, R. M. Portfolio de produção agropecuária e gestão de riscos de mercado nas cooperativas do agronegócio paranaense. Revista de Administração, São Paulo, v. 46, n. 4, dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 maio. 2012.

OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development. Economic, Environmental and Social Statistics. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2011.

OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development. Economic, Environmental and Social Statistics. Disponível em: . Acesso em: 24 ago 2016.

OSAKI, M.; BATALHA, M. O. Optimization model of agricultural production system in grain farms under risk, in Sorriso, Brazil. Agricultural Systems, v. 127, p. 178-188, 2014.

PRADO, D. S. Programação linear. 4. ed. Nova Lima, MG: INDG Tecnologia e serviços, 2004.

SANTOS, G. J.; MARION, J. C.; SEGATTI, S. Administração de custos na agropecuária. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 165 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2017v10n4p953-976

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1981-9951 Impressa
ISSN 2176-9168 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.