MERCADO BRASILEIRO DE FRANGO HALAL: INFLUÊNCIAS DO AMBIENTE INSTITUCIONAL E BARREIRAS À ENTRADA

Pedro Xavier da Silva, Felipe Dalzzotto Artuzo, Maria Eugênia Canozzi

Resumo


O mercado de carne de frango Halal, destinado principalmente à população muçulmana, atualmente representa mais de 35% da carne de frango exportada no país. O padrão de produção Halal possui diversas peculiaridades que acabam por modular a competitividade do mercado. Competitividade essa que possui inúmeras formas de interpretação e parâmetros para mensuração, dependendo da abordagem teórica. O estudo que segue se propõe a analisar as características do Ambiente Institucional que delimita este mercado específico, e, a partir daí, identificar as principais barreiras à entrada para novas empresas. Essas barreiras são características da estrutura de determinado mercado que resguardam as empresas consolidadas, devido à imposição de custos às empresas entrantes potenciais. Essas características foram evidenciadas em instituições informais (aspectos culturais e religiosos) e formais (legislação).

Palavras-chave


Barreiras à Entrada; Frango; Halal; Instituições.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDULLAH, J. B.; HAMALI, J. Hj. Islamic Marketing Mix: The Critical Factors. In: International Conference on Business an Economic Research, 4., 2013. Proceeding [...]. Bandung. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUÇÃO DE PROTEÍNA (ABPA). Relatório Anual 2017. São Paulo, 2017. p. 68.

BANTERLE, A.; STRANIERI, S. The consequences of voluntary traceability system for supply chain relationships. An application of transaction cost economics. Food Policy, v. 33, n. 6, p. 560-569, Dec. 2008.

BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Obtenção de carnes sob o rito Halal. Brasília, 2011. (Circular n° 31/CGPE/DIPOA).

CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO ISLAN NA AMÉRICA LATINA. Mercado Halal. disponível em: http://www.cdialhalal.com.br/index.php?page=Conteudo&id=1. Acesso em: 22 de jul. 2015.

COLABOTTA, D. F. Change Factors Impacting the Poultry Industry e Resultant New Business Opportunities. Multi-State Poultry Meeting Finnfeeds Technical Symposium. St. Louis. 2002.

FARINA, E. M. M. Q. Organização Industrial no Agribusiness. In: Zylbersztajn, D.; Neves, M. F. (org.). Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. São Paulo: Editora Pioneira, 2000, v. , p. 39-60.

FARINA, E. M. M. Q.; AZEVEDO, P. F.; SAES, M. S. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Ed. Singular, 1997.

FERRAZ, J. C. et al. Made in Brazil. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

HAN, J.; TRIENEKENS, J. H.; OMTA, S. W. F. Relationship and quality management in the Chinese pork supply chain. International Journal of Production Economics, v. 134, n. 2, p. 312-321, Dec. 2011.

Halal Industry Development Corporation (HDC) (2011). The New Source of Economic Growth. Paper presented at Halal Summit Forum 2011, Kuala Lumpur. apud KAMARUDDIN, R. et al. Willingness to Pay for Halal Logistics: The lifestyle choice. ASEAN Conference on Enviroment-Behaviour Studies. Bangkok. 2012.

KHATTAK, J.. Z. K. et al. Concept of Halal Food and Biotechnology. Advanced Journal of Food and Technology. 2011.

KAMARUDDIN, R. et al. Willingness to Pay for Halal Logistics: The lifestyle choice. ASEAN Conference on Enviroment-Behaviour Studies. Bangkok. 2012.

LEVER, J.; MIELE, M. The growth of halal meat markets in Europe: An exploration of the supply side of religion. Journal of Rural Studies. v. 28. p. 528-537. 2012.

MANZINI, E. J.. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158, 1990/1991.

MEDEIROS, N. H.; SOUZA, F. Estrutura, conduta e desempenho de mercado da avicultura paranaense: um estudo de sua organização industrial recente. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 47., 2009. Anais [...]. Porto Alegre, 2009.

NAKYINSIGE, Khadijah et al. Halal authencity issues in meat and meat products. Meat Science. v. 91. p. 207-214. 2012.

NORTH, Douglas. Institutions, Institutional Change, and Economic Performance. Cambridge University Press, Cambridge, MA.

PORTER, M. E. Competitive strategy: techniques for analysing industries and competitors. New York: Free Press, 1980.

PORTER, M. E. Competitive advantage: creating and sustaining competitive performance. New York: Free Press, 1985.

SCHULTZ, G.; WAQUIL, P. D. Políticas Públicas e Privadas e Competitividade das Cadeias Produtivas Agroindustriais. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2011.

TALIB, Mohamed S. A.; JOHAN, Mohd R. M. Issues in Halal Packaging: A Conceptual Paper. International Business and Management. v. 5, n. 2. p. 94-98. 2012.

TRIENEKENS, J. H. Agricultural Value Chains in Developing Countries A Framework for Analysis. International Food and Agribusiness Management Review, v. 14, n. 2, p. 51-82, 2011.

UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF). Relatório Anual 2013. São Paulo, 2013. p. 57.

UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF). Relatório Anual 2014. São Paulo, 2013. p. 55.

WEVER, M. et al. Supply Chain-Wide Consequences of Transaction Risks and Their Contractual Solutions: Towards an Extended Transaction Cost Economics Framework. Journal of Supply Chain Management, v. 48, n. 1, p. 73-91, 2012.

ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F. Economia e gestão dos negócios agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. São Paulo: Pioneira, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n3p935-956

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.