COMERCIALIZAÇÃO NO AGRONEGÓCIO: UM ESTUDO SOBRE ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA NO CONTEXTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

Bruno Diego Alcantara Cardozo, Gabriel Sgrignoli Mello, Milton Augusto Pasquotto Mariani, Élcio Gustavo Benini, Geraldino Carneiro de Araújo

Resumo


Este artigo analisa a comercialização em assentamentos da reforma agrária no contexto da economia solidária. Trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva e de natureza quantitativa. Para a análise foi utilizada a estatística descritiva com base na versão 2010-2012 do Sistema Nacional de Informações de Economia Solidária (SIES), que possui informações válidas de 1.033 empreendimentos econômicos solidários (EES) que indicaram como categoria social assentamento da reforma agrária, representando 5,24% do total de respondentes. Os resultados mostram que (a) a maior parte dos EES está localizada na região Nordeste do Brasil, (b) a principal atividade econômica é a produção ou produção e comercialização, (c) grande parte dos assentamentos não participa de redes de comercialização, (d) a principal destinação dos produtos é a venda e o autoconsumo, (e) os mercados consumidores em destaque são o mercado/comércio municipal e o mercado/comércio local ou comunitário, e (f) ambas variáveis se alinham à ideia de fortalecimento do próprio grupo de assentados, incluindo a inserção de produtos no contexto do agronegócio e a promoção de bem-estar dos trabalhadores, reforçando os valores e desígnios da reforma agrária.

Palavras-chave


Comercialização; Reforma Agrária; Assentamentos.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, P. F.; FAULIN, E. J. Comercialização na agricultura familiar. In: SOUZA FILHO, H. M.; BATALHA, M. O. Gestão Integrada da Agricultura Familiar. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

BATALHA, M. O. (Org.) Gestão Agroindustrial. São Paulo: Atlas, 2001.

BENINI, E. A.; BENINI, E. G. Reforma agrária no contexto da economia solidária. Revista Nera, v. 11, n. 13, p. 6-15, jul./dez. 2008.

BRASIL. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

CASTRO, C. C. O Processo de Coordenação de Cadeias Agroalimentares. In: Anais do III Congresso Internacional de Economia e Gestão de Negócios (networks) Agroalimentares: FEA- USP, Campus de Ribeiro Preto, 2001.

CHING, H. Y. Gestão de Estoque na Cadeia Logística Integrada: Supply Chain. São Paulo: Atlas, 1999.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 10ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

COSTA, B. A. L.; AMORIM JUNIOR, P. C. G.; SILVA, M. G. As cooperativas de agricultura familiar e o Mercado de compras governamentais em Minas Gerais. RESR, Piracicaba, v. 53, p. 109-126, 2015.

DAVIS, J. H.; GOLDBERG, R. A Concept of Agribusiness. Boston: Harvard University, 1957.

ESTERCI, N.; MEDEIROS, L. S.; FRANCO, M. P.; LEITE, S. Assentamentos Rurais: um convite ao debate. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária - ABRA, São Paulo, v. 22, n. 3, set./dez. 1992.

FABRINI, J. E. Assentamentos de Trabalhadores Sem-Terra: experiência de lutas no Paraná. Marechal Cândido Rondon: LGeo, 2001.

GAIGER, L. I. G. A economia solidária diante do modo de produção capitalista. Caderno CRH, Salvador, n. 39, p. 181-211, jul./dez. 2003.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GOLBERG, R. A. Agribusiness coordination: a systems approach to the Wheat, soybean and Florida orange economies. Division of Research. Graduate School of Business Administration. Harvard University, Boston, 1968.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Famílias assentadas. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.

INCRA. Reforma Agrária. Programa Reforma Agrária, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 2, p. 289-300, 2004.

MEDEIROS, L. S.; LEITE, S. Assentamentos rurais e mudanças locais: uma introdução ao debate. In: MEDEIROS, L. S.; LEITE, S. Assentamentos rurais: mudança social e dinâmica regional. Rio de Janeiro: Muad, 2004.

MENDES, E. A. Como organizar redes solidárias. Euclides André Mande (org.). Rio de Janeiro: DP&A, Fase, IFiL, 2003.

MONTIGAUD, J.-C. L’analyse des filières agro-alimentaires: méthodes et premiers résultats. Economies et Sociétés, Série AG, n. 21, 1992.

SILVA, M. G.; DIAS, M. M.; AMORIM JUNIOR, P. C. G. Mudanças organizacionais em empreendimento de agricultura familiar a partir do acesso ao Programa Nacional de Alimentação Escolar. RESR, Piracicaba, v. 53, p. 289-340, 2015.

SINGER, P. I. A recente ressurreição da economia solidária no Brasil. In: SANTOS, B. S. (Org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

STEDILE, J. P. A questão da reforma agrária no Brasil: programas de reforma agrária 1946-2003. São Paulo: Expressão Popular, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2018v11n4p1015-1037

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.