ANÁLISE DA INTENSIDADE, CONDUTIVIDADE E ACIDEZ DA PRECIPITAÇÃO EM UMUARAMA (PR)

Máriam Trierveiler Pereira, Marcos Antonio Pacheco Michalczuk, Creir da Silva, Augusto Carlos Castro dos Santos

Resumo


Esse trabalho teve como objetivo geral realizar a análise da condutividade e acidez da precipitação em dois pontos de coleta de Umuarama (PR). Os objetivos específicos foram: i) medir a intensidade da precipitação; ii) analisar pH e condutividade das amostras; iii) correlacionar a intensidade com os parâmetros químicos analisados; iv) comparar dois pontos de coleta; v) discutir sobre a poluição atmosférica nos locais de coleta. Para coleta e análise das amostras foram necessários equipamentos e materiais do laboratório de química do Instituto Federal do Paraná (IFPR), campus Umuarama. Foram definidos dois pontos para coleta: um ponto no campus do IFPR e, outro, no centro da cidade, na praça Miguel Rossafa, para comparação. A água da precipitação foi coletada por evento nos períodos de manhã, tarde e noite, de abril a novembro de 2016 e 2017, totalizando 106 eventos. Com o volume coletado, foi calculada a intensidade da precipitação no período. Em linhas gerais, a atmosfera da região de Umuarama não tem características de grande poluição, pois a maior parte das amostras de água de chuva nos dois pontos apresentou condutividade inferior a 20 µS.cm-1. Contudo, na região do IFPR, onde está instalado o parque industrial, a precipitação se mostrou ácida em 35% das amostras, enquanto que na região central da cidade a acidez ocorreu em 13,5% das amostras. Dessa forma, pode-se concluir que a precipitação na região de Umuarama é predominantemente alcalina.

Palavras-chave


oluição atmosférica; Precipitação alcalina; Química ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. S.; PEZZI, R. P. Desenvolvimento de medidor de qualidade da água através da condutividade elétrica: de olho nas águas. 2016. Disponível em: . Acesso em: 31 dez. 2016.

ANA - Agência Nacional das Águas. HidroWeb: Sistema de Informações Hidrológicas. Disponível em: http://hidroweb.ana.gov.br/HidroWeb.asp?TocItem=1080&TipoReg=7&MostraCon=true&CriaArq=false&TipoArq=0&SerieHist=true. Acesso em: 10 jul. 2017.

BAIRD, C.; CANN, M. Química ambiental. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

HEMOND, H.; FECHNER, E. J. Chemical fate and transport in the environment. 3. ed. Academic Press, Massachusetts, 2015.

IAP - Instituto Ambiental do Paraná. Fontes de poluição atmosférica. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/pagina-1415.html. Acesso em: 23 nov. 2017.

IAPAR - Instituto Agronômico do Paraná. Agrometeorologia. Disponível em: http://www.iapar.br/pagina-890.html. Acesso em: 10 jul. 2017b.

IAPAR - Instituto Agronômico do Paraná. Precipitação. Disponível em: http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=856. Acesso em: 06 jul. 2017a.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa de população. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2017/estimativa_dou_2017.pdf. Acesso em: 02 fev. 2017.

LIBÂNIO, M. Características das águas naturais. In: LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidade e tratamento da água. 3. ed. Campinas: Átomo, 2010. cap. 2, p. 25-78.

LENZI, E.; FAVERO, L. O. B.; LUCHESE, E. B. Introdução à química da água: ciência, vida e sobrevivência. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

MELLO, W. Z. de; ALMEIRA, M. D. de. Rainwater chemistry at the summit and southern flank of the Itatiaia massif, Southeastern Brazil. Environmental Pollution, n. 129, p. 63-68, 2004.

ROCHA, J. C.; ROSA, A. H.; CARDOSO, A. A. Química da Atmosfera: Formação de poluentes secundários e o smog fotoquímico. In: ROCHA, J. C.; ROSA, A. H.; CARDOSO, A. A. Introdução à química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. cap. 3, p. 109-112.

ROCHA, J. C.; ROSA, A. H.; CARDOSO, A. A. Introdução à química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

SEINFELD, J. H.; PANDIS, S. N. Atmospheric chemistry and physics: from air pollution to climate change. 3. ed. John Wiley Publication: Nova York, 2016.

SINGH, A.; AGRAWAL, M. Acid rain and its ecological consequences. Journal of Environmental Biology. Lucknow (India), v. 29, n. 1, jan. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n1p233-248

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.