INTERCOOPERAÇÃO EM UMA REDE DE COOPERATIVAS AGROALIMENTARES DA CADEIA DO LEITE NO PARANÁ

Heitor José Cademartori Mendina, José Jerônimo de Menezes Lima, Lasier Gorziza de Souza, Gabriel Sperandio Milan

Resumo


O foco do estudo foi o de analisar fatores impulsionadores e restritivos associados às ações de intercooperação. Para tanto, o estudo trata de pesquisa qualitativa, baseada em estudo de caso único, realizada em uma rede de cooperativas agroalimentares da indústria do leite do Estado do Paraná, Brasil. A pesquisa considerou como pressuposto teórico que a intercooperação pode ser uma estratégia de criação de vantagem competitiva para que redes de cooperativas possam sobreviver e crescer em seus mercados de atuação. Os dados foram coletados em entrevistas com os gestores da rede estudada, sendo tratados por meio de análise de conteúdo e posterior triangulação dos dados.Foi constatado que há fatores que influenciam a intercooperação e concorrem para obtenção de resultados positivos ou negativos, dependendo de como são gerenciados. Os principais fatores impulsionadores da intercooperação identificados foram: prestação de serviços de recebimento, beneficiamento e industrialização da matéria-prima, marca forte de parceiros, tomada de decisão colegiada, coparticipação societária das cooperativas da rede entre si, unidades de negócios independentes, comercialização centralizada e parceria com empresas internacionais renomadas. Os principais fatores restritivos à intercooperação destacados foram: parcerias equivocadas e concorrência entre as cooperativas associadas à rede. No caso estudado, o impacto gerado pelos fatores restritivos à intercooperação foi devidamente gerenciado, especialmente no que diz respeito à governança e à gestão da rede.

Palavras-chave


Cooperação; Cooperativas; Estratégia; Governança de redes; Intercooperação; Redes de cooperativas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERS, S. The design of alliance governance systems. Köln: Kölner Wissenschaftsverlag, 2005.

ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Redes de cooperação empresarial: estratégia de gestão na nova economia. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERNARD, H. R.; RYAN, G. W. Analyzing qualitative data: systematic approaches. Thousand Oaks: Sage Publications, 2010.

BIALOSKORSKI NETO, S. Economics and management of cooperatives organizations. Berlin: Germany Saarbrücken, 2016.

CARVALHO, A. D. O cooperativismo sob a ótica da gestão estratégica global. São Paulo: Baraúna, 2011.

CRÚZIO, H. O. Como organizar e administrar uma cooperativa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

DAVIS, P.; BIALOSKORSKI NETO, S. Governança e gestão de capital social em cooperativas: uma abordagem baseada em valores. Economia Solidária e Ação Cooperativa, v. 5, n. 1, p. 1-24, 2010.

EDHLUND, B. M.; MCDOUGALL, A. G. NVivo 11 essentials. Stallarholmen: Form & Kunskap AB, 2013.

HAGE, J.; ALTER, C. A typology of interorganizational relationships and networks. In: HOLLINGSWORTH, J. R.; BOYER, R. (ed.). Contemporary capitalism: the embeddedness of institutions. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. p. 94-126.

IBGE. Indicadores IBGE: estatística da produção pecuária 2016. Brasília: IBGE, 2016.

LAGO, A.; SILVA, T. N. Fatores condicionantes do desenvolvimento de relacionamento intercooperativos no cooperativismo agropecuário. Porto Alegre: SESCOOP-RS, 2011.

LECHAT, N. M. P. As raízes históricas da economia solidária e seu aparecimento no Brasil. In: SINGER, P. (org.). Economia solidária. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2008. v. 2.

LEITE, J. S. Cooperação e intercooperação. Lisboa: Livros Horizonte, 1982.

MARTI, E. M.; IGUAL, J. F. La intercoperación: una respuesta a las actuales demandas del cooperativismo agrario. Estudios de Economía Aplicada, n. 26, p. 57-88, abr. 2008.

MENDINA, H. J. C. Proposta de framework para intercooperação entre cooperativas agroalimentares atuando em rede horizontal. 2015. 283 f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, SC, 2015.

MITCHELL, T. R. An evolution of the validity of correlational research conducted in organizations. Academy of Management Review, v. 10, n. 2, p. 192-205, 1985.

MORAIS, E. E.; LANZA, F. Cooperativismo e economia solidária: capitalismo reformado ou alternativas socioeconômicas. In: SIMPÓSIO LUTAS SOCIAIS NA AMÉRICA LATINA, 4., 2010, Londrina. Anais [...]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2010.

MORAIS, E. E.; LANZA, F.; SANTOS, L. M. L.; PELANDA, S. S. Propriedades coletivas, cooperativismo e economia solidária no Brasil. Serviço Social & Sociedade, n. 105, p. 67-88, jan./mar. 2011.

PALACIO, J. R. S.; CLIMENT, V. C. La dirección estratégica en la economía social: utilización de herramientas de análisis estratégico en las cooperativas. Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, v. 59, p. 237-258, 2007.

PARK, S. H.; UNGSON, G. R. Interfirm rivalry and managerial complexity: a conceptual framework of alliance failure. Organization Science, v. 12, n. 1, p. 37-53, 2001.

PEDROSA ORTEGA, C.; HERNÁNDEZ ORTIZ, M. J. Como aplican las sociedades cooperativas de éxito los principios cooperativos? El caso del Grupo Hojiblanca. Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, n. 72, p. 157-185, out. 2011.

PIORE, M. J.; SABEL, C. F. The second industrial divide. New York: Basic Books, 1984.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PROVAN, K.; KENIS, P. Modes of network governance: structure, management, and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 18, n. 2, p. 229-252, 2007.

PYKE, P.; SENGENBERGER, W. (ed.). Industrial districts and local economic regeneration. Geneva: International Institute for Labour Studies, 1992.

REMLER, D. K.; VAN RYZIN, G. G. Research methods in practice: strategies for description and causation. Thousand Oaks: Sage Publications, 2011.

RIBEIRO, J. L. D.; MILAN, G. S. Planejando e conduzindo entrevistas individuais. In: RIBEIRO, J. L. D.; MILAN, G. S. (ed.). Entrevistas individuais. Porto Alegre: FEEng/UFRGS, 2004. cap. 1, p. 9-22.

SCHNEIDER, J. O. (coord.). Educação e capacitação cooperativa: os desafios no seu desempenho. São Leopoldo: Unisinos, 2010.

TODEVA, E. Business networks: strategy and structure. London: Routledge, 2006.

TRIGUERO-CANO, A.; CUERVA NARRO, M. C. C. El cooperativismo agroalimentario ante el reto de la globalización: “renovar-se o morir”. Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, n. 72, p. 97-124, 2011.

VENKATRAMAN, N.; CHI-HYON, L. Preferential linkage and network evolution: a conceptual model and empirical test in the U.S. vídeo game sector. The Academy of Management Journal, v. 47, n. 6, p. 876-892, 2004.

WEGNER, D.; PADULA, A. D. Estratégias de crescimento e a governança de redes horizontais de empresas: o caso da maior rede cooperativa de varejo de alimentos na Alemanha. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 30, p. 220-248, 2011.

WILLIAMSON, O. Calculativeness, trust and economic organization. Journal of Law and Economics, v. 36, n. 2, p. 453-486, 1993.

WILLIAMSON, O. The economic institutions of capitalism. New York: Free Press, 1985.

YIN, R. K. Case study research: design and methods. 5th ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n4p1439-1464

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.