SUSTENTABILIDADE EM CULTIVOS TRADICIONAL E HIDROPÔNICO DE ALFACE

Alexandra Souza Ruiz, Sulma Vanessa Souza, Omar Jorge Sabbag

Resumo


Objetivou-se com este trabalho conhecer a sustentabilidade de duas unidades de produção de alface, uma na modalidade tradicional e outra na modalidade hidropônica, em Dourados - Mato Grosso do Sul, Brasil. Para avaliação da sustentabilidade, aplicou-se a ferramenta Sistema de Impacto Social de Atividades Agropecuárias (APOIA-SOCIAL), que consiste em um conjunto de planilhas eletrônicas, integradas por 16 indicadores da contribuição de uma dada atividade agropecuária. Quatro aspectos essenciais de avaliação são considerados: i) Emprego, ii) Economia, iii) Saúde e iv) Gestão e Administração. Utilizou-se o método qualitativo, caracterizado como descritivo-exploratório, fundamentados também com dados do Censo Agropecuário de 2006, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e revisão bibliográfica. A atividade que sobressaiu foi a horticultura hidropônica, que obteve 0,73 de índice de sustentabilidade, valor acima da linha de base de utilidade dos indicadores (igual a 0,70). Apesar do desempenho satisfatório, alguns indicadores apresentaram valores de utilidade baixos, podendo prejudicar a sustentabilidade das atividades nestas unidades de produção familiar.

Palavras-chave


Hidropônico; Lactuca sativa L.; Sustentabilidade; Tradicional

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. In: SEMINÁRIO SOBRE REFORMA AGRÁRIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, 1998, Fortaleza. Reforma Agrária e desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento, p. 1-15, 2000.

AGENDA 21. Conferência das Nações Unidas sobre o meio ambiente e desenvolvimento. Brasília, 1992. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf. Acesso em: 29 dez. 2017.

ANTONINI, F. T. A importância do planejamento estratégico para empresas de Agronegócios. 2012. 24f. (Especialização em Ciências Contábeis) - Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena, Instituto Superior de Educação do Vale de Juruena, Nova Xavantina, 2012.

BARRETO, R. C. S. Políticas públicas e o desenvolvimento rural sustentável no Estado do Ceará: um estudo de caso. 2004. 91f. Dissertação (Mestrado em Economia Rural) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2004.

CECÍLIO FILHO, A. B.; REZENDE, B. L.; BARBOSA, J. C.; FELTRIM, A. L.; SILVA, G. S. da; GRANGEIRO, L. C. Interação entre alface e tomateiro consorciados em ambiente protegido, em diferentes épocas. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 26, n. 2, p. 158-164, 2008.

DERETI, R. M. Transferência e validação de tecnologias agropecuárias a partir de instituições de pesquisa. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Curitiba, n. 19, p. 29-40, 2009.

FEDDER, G.; UMALI, D. L. The adoption of agricultural innovations: a review. Technological Forecasting and Social Change, New York, v. 43, p. 215-239, 1993.

GAFFURI, J.; TEODORO, P. A. V. B.; MIYAZAKI, J.; SCHMIDT, R. M.; NAZZARI, R. K.; BERTOLINI, G. R. Empreendedores rurais como gestores de negócio para o provimento do desenvolvimento agrícola. In: SEMINÁRIO NACIONAL ESTADO E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL, 2., 2005. UNIOESTE, Cascavel, p. 07, 2005. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/midia/seminario2/trabalhos/economia/meco13.pdf. Acesso em: 16 fev. 2018.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 200 p, 2008.

GIRARDIN, P.; BOCKSTALLER, C.; VAN DER WERF, H. Indicators: tools to evaluate the environmental impacts of farming systems. Journal of Sustainable Agriculture, California, v. 13, n. 4, p. 5-21, 1999.

HYAMS, D. CurveExpert Version 1.37: a curve fitting system for Windows. Seattle: Microsoft, 1995. Software. 1 CD-ROM.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados estatísticos. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: 24 abr. 2017.

LACERDA, J. T.; CARVALHO, R. A. Descrição e manejo integrado da mosca-branca (Bemisia spp.) transmissora de geminivirus em culturas econômicas. Tecnologia & Ciência Agropecuária, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 15-22, jun. 2008.

LAGO, A.; LENGLER, L.; CORONEL, D. A.; SILVA, T. N. Agricultura Familiar de Produtos Orgânicos: um olhar sob a ótica do marketing. Revista Extensão Rural, DEAR/CPGExR-CCR-UFSM, Santa Maria, Ano XIII, jan-dez., p. 94-116, 2006.

LIMA, C. C.; PARTELI, L. F.; LOOSE, C. E. O empreendedorismo rural e a agroindústria familiar na gestão da atividade agropecuária em Rondônia. Revista de Administração e Contabilidade, Santo Ângelo, v. 14, n. 27, p. 97-134, 2015.

MALDONADE, I. R.; MATTOS, L. M.; MORETTI, C. L. Manual de boas práticas agrícolas na produção de alface. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Documentos 142, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication /272829282_Manual_de_boas_praticas_agricolas_na_producao_de_alfacepdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 720 p., 2001.

MEDEIROS, D. C.; LIMA, B. A. B.; BARBOSA, M. R.; ANJOS, R. S. B.; BORGES, R. D.; CAVALCANTE NETO, J. G.; MARQUES, L. F. Produção de mudas de alface com biofertilizantes e substratos. Revista Horticultura Brasileira, Brasília, v. 25, n. 3, p. 433-436, 2007.

MENDES, E. P. P. A Produção rural familiar em Goiás: as comunidades rurais no município de Catalão (GO). 2005. 294f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia - Presidente Prudente, 2005.

MONTEIRO, A. V. V. M.; VEGRO, C. L. R.; FERREIRA, C. R. R. P. T.; BARBOSA, M. Z.; NACHILUK, K.; RAMOS, R. C.; MIURA, M.; FAGUNDES, P. R. S.; SILVA, R. de O. P. e; FILHO, W. P. de C.; CARVALHO, Y. M. C. de. A Produção da Agropecuária Paulista: considerações frente à anomalia climática. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 1-16, abr. 2015.

MUNIZ, G. S.; GHIRALDELLO, L. Lazer e empresa: uma análise das publicações nacionais. Gestão e Conhecimento, PUC Minas, artigo 19, p. 1-21, 2014.

MUNIZ, K. G.; TELES, F. L. Armazenamento de produtos fitossanitários: estudo de caso na agroquímica. Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues, Rio Verde, v. 1, n. 1, p. 22-34, 2013.

NASCIMENTO, L. F.; PESSOA, R. W. A. O lazer como ferramenta da qualidade de vida no trabalho. Revista Organização em Contexto, São Paulo, ano 4, n. 7, 2008.

NARCISO, M. G.; QUINTELA, E. D.; BARBOSA, F. R.; DEL PELOSO, M. J. Sistema de Alerta para a mosca-branca. In: I CONICBIO/II CONABIO/VI SIMCBIO, v. 2 Universidade Católica de Pernambuco - Recife, 2013. Resumos Expandidos [...]. Disponível em: http://www.unicap.br/simcbio/wp-content/uploads/2014/09/SISTEMA-DE-ALERTA-PARA-A-MOSCA-BRANCA.pdf. Acesso em: 07 fev. 2017.

NEXTON, L. H. Ethics and Sustainability: Sustainable Development and the Moral Life. Prentice Hall, Upper Saddle River, p. 117, 2003.

PALHARES, J. C. P. Novo desafio para avicultura: a inserção das questões ambientais nos modelos produtivos brasileiros. Avicultura Industrial, Itu, v. 96, ed. 1138, 2005.

PEREIRA, S. S.; CURI, R. C. Modelos de gestão integrada dos resíduos sólidos urbanos: a importância dos catadores de materiais recicláveis no processo de gestão ambiental. In: LIRA, W. S.; CÂNDIDO, G. A. (org.). Gestão sustentável dos recursos naturais: uma abordagem participativa [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2013, p. 149-172.

RODRIGUES, G. S.; CAMPANHOLA, C. Sistema Integrado de Avaliação de Impacto Ambiental Aplicado a Atividades do Novo Rural. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 4, p. 445-451, 2003.

RODRIGUES, G. S.; CAMPANHOLA, C.; KITAMURA, P. C.; IRIAS, L. J. M.; RODRIGUES, I. Sistema de Avaliação de Impacto Social de Atividades Agropecuárias (APOIA-SOCIAL). Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília: 2005.

ROSSETTI, J. P. Introdução à economia. 20. ed. São Paulo: Atlas, 922 p, 1990.

SAMULSKI, D. Esporte e desenvolvimento da personalidade. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 6, p. 59-64, jul./dez. 1992.

SANGALLI, A. R.; SILVA, H. C. H.; SILVA, I. F.; SCHLINDWEIN, M. M. Associativismo na agricultura familiar: contribuições para o estudo do desenvolvimento no assentamento rural lagoa grande, em Dourados (MS), Brasil. Organizações Rurais e Agroindustriais, Lavras, v. 17, n. 2, p. 225-238, 2015.

SANTOS, E. O. Administração financeira da pequena e média empresa: manual do investidor do Instituto de Estudos Financeiros (IEF). São Paulo: Atlas, 1984.

SILVA, L. C. R. A importância da Administração Rural para o Desenvolvimento das Pequenas Propriedades Rurais. In: EITEC. Anais [...]. v. 2, n. 1. Picos: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, 2013.

TOMEI, P. A.; SOUZA, D. A. A. L. Análise das barreiras que dificultam a transformação do agricultor familiar em empreendedor rural no contexto brasileiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, Araraquara, v. 13, n. 3. p. 107-122, 2014.

TRENTIN, I. C. L.; PADILHA, P. R. P. Agroindústria familiar orgânica e estratégias de marketing e comercialização. In: CONGRESSO DA SOBER - Questões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimento, 44., Anais [...]. Disponível em: http://ageconsearch.umn.edu/record/147142/files/426.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

UDSEN, S. Folhosas, Seminário Nacional. Campinas, 2016. Disponível em: http://www.abcsem.com.br/upload/arquivos/O_mercado_de_folhosas__Numeros_e_Tendencias_-_Steven.pdf. Acesso em: 03 maio 2017.

VILAS BÔAS, R. L.; PASSOS, J. C.; FERNANDES, D. M.; BÜLL, L. T.; CEZAR, V. R. S.; GOTO, R. Efeito de doses e tipos de compostos orgânicos na produção de alface em dois solos sob ambiente protegido. Revista Horticultura Brasileira. Brasília, v. 22, n. 1, p. 28-34, 2004.

ZÁRATE, N. A. H.; VIEIRA, M. C. Produção da araruta ‘Comum’ proveniente de três tipos de propágulos. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 29, n. 5, p. 995-1000, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n3p815-835

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.