UM ESTUDO SOBRE A RACIONALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES DE EXTENSÃO RURAL: O CASO DA EMATER

Gustavo Fontinelli Rossés, Renato Santos de Souza

Resumo


A partir de uma análise histórica, tem-se observado grande preocupação com questões que envolvem a assistência técnica e a extensão rural e sua importância enquanto agente promotor do acesso às novas tecnologias e ao conhecimento. Nesse cenário, emergem os serviços de assistência técnica e extensão rural, que inicialmente contavam com ações prioritariamente governamentais. Inúmeras discussões e postulações emergiram no sentido de dar maior significado e compreensão da racionalidade organizacional e suas implicações para a ação extensionista. Diante disso, este estudo tem como objetivo analisar a racionalidade empregada em organizações de extensão rural, bem como os efeitos sobre a ação extensionista. Em termos metodológicos esse estudo foi caracterizado como sendo qualitativo. Fundamentado em um estudo de caso, realizado na EMATER, esse trabalho valeu-se da coleta de dados por meio de 09 entrevistas, análise documental e observação direta, sendo delineados a partir de um conjunto detalhado de categorias de análise. Em termos de análise dos resultados adotaram-se as técnicas de classificação, categorização e, essencialmente, a análise de conteúdo. Os resultados permitiram concluir que a EMATER opera, prioritariamente, com base nos pressupostos de uma racionalidade formal. Também foi possível concluir que as políticas públicas de assistência técnica e extensão rural têm influenciado consideravelmente o comportamento da EMATER, tanto do ponto de vista de sua concepção, como de sua implementação.

Palavras-chave


Ação extensionista; Organizações de extensão rural; Políticas públicas; Racionalidade formal e substantiva

Texto completo:

PDF

Referências


ALEX, G.; ZIJP, W.; BYERLEE, D. Rural extension and advisory services: new directions. Washington: World Bank, 2002.

AMEUR, C. Agricultural extension: a step beyond next step. Washington: World Bank, 1994.

ANDRADE, S. P. C.; TOLFO, S. R.; DELLAGNELO, E. H. L. Sentidos do trabalho e racionalidades instrumental e substantiva: interfaces entre a administração e a psicologia. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 2, 2012.

BELL, J. Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Política nacional de assistência técnica e extensão rural. Brasília: MDA/SAF, 2004.

DIAS, M. M. As mudanças de direcionamento da PNATER em face do difusionismo. Revista Brasileira de Economia Doméstica Oikos, v. 18, n. 2, 2007.

DIAS, M. M. Políticas públicas de extensão rural: limites e potencialidades. Revista Perspectivas em Políticas Públicas, v. 1, n. 2, Belo Horizonte, 2008.

DINIZ, P. C. O.; TAVARES, J. R. T.; ALMEIDA, A. Chamadas públicas de Ater: primeiras reflexões. Recife: UFRPE, 2012.

FARIA, J. H. O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresas EAESP/FGV, v. 33, n. 2, São Paulo: 1993.

GIL, A. C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, 2001.

MARTINE, G. Fases e faces da modernização agrícola brasileira. Revista Planejamento e Políticas Públicas, v. 1, n. 3, 1990.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

MOREIRA, D. A. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2005.

MUCHAGATA, M. et al. Políticas agrárias e ambientais na Amazônia Oriental nos anos 90. In: ESTERCI, N.; VALLE, R. S. T. Reforma agrária e meio ambiente. Documento especial do Fórum Social Mundial. São Paulo: Instituto Sócio-Ambiental, 2002.

NAVARRO, Z. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Revista Estudos Avançados, v. 15, n. 43, 2001.

OLABUENAGA, J. I. R.; ISPIZUA, M. A. La descodificacion de la vida cotidiana: metodos de investigación cualitativa. Bilbao: Universidad de Deusto, 1989.

PEIXOTO, M. Extensão rural no Brasil: uma abordagem histórica da legislação. Brasília: Consultoria Legislativa do Senado Federal, 2008.

QUIVY, R. Manual de investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva, 2000.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação das riquezas das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

ROTHSCHILD-WHITT, J. The collectivist organization: an alternative to rational-bureaucratic models. American Sociological Review, v. 44, n. 4, 1979.

SILVA, A. M. A extensão rural na Região Sul: perspectiva e situação dos países. In: SEMINÁRIO DE EXTENSIÓN RURAL EN LA REGIÓN SUR, 2010, Buenos Aires, Argentina Anais [...]. Buenos Aires, 2010.

SELL, C. E. Racionalidade e racionalização em Max Weber. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 79, 2012.

SERVA, M. O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresas, v. 33, n. 2, 1993.

SERVA, M. Racionalidade e organizações: o fenômeno das organizações substantivas. Tese (Doutorado) - Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 1996.

TEIXEIRA, E. C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salvador: AATR, 2002.

THIRY-CHERQUES, H. R. Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 4, 2009.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEBER, M. Economy and society: an outline of interpretative sociology. Berkeley: University of California Press, 1968.

WEBER, M. Critique of Stammler. Nova York: The Free Press, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2019v12n4p1373-1394

Revista em Agronegócio e Meio Ambiente


Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 2176-9168 On-line
ISSN 1981-9951 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.