Três Abordagens em Psicoterapia Infantil

Rosina Forteski, Cláudia Daiana Borges, Babiani Buzzi Moreira, Gláucia Regina Sevegnani

Resumo


O que se sabe acerca do mundo das crianças é produto de discussões, propostas e avanços derivados da perspectiva dos adultos. A psicoterapia infantil representa um investimento na promoção e na legitimação da escuta e do protagonismo da criança frente às demandas e idiossincrasias que dizem respeito ao seu universo e à sua trajetória. A ludoterapia, enquanto ferramenta chefe na maioria das psicoterapias infantis, tem na brincadeira o instrumento de tradução da expressão infantil. A construção deste artigo teve como objetivo central o levantamento dos aspectos convergentes e divergentes discriminados nas três abordagens em psicoterapia infantil: psicanálise, análise do comportamento e fenomenologia-existencial. Concluiu-se que, embora as três abordagens aqui apresentadas tenham uma visão de homem e de mundo diferentes, todas têm como objetivo utilizar de seus recursos teórico-metodológicos para possibilitar que o cliente seja capaz de alcançar autonomia e bem-estar, para que seja o autor de sua própria história.

Palavras-chave


Análise do Comportamento; Fenomenologia-existencial; Ludoterapia; Psicanálise; Psicoterapia Infantil

Texto completo:

PDF


Revista Cesumar – Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9176 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1516-2664 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.