INCUBADORA SOCIAL: ESTUDO SOBRE OS APOIOS GERADOS NAS COOPERATIVAS AGRÍCOLAS FAMILIARES DO ESTADO DE SERGIPE

Vitor Hugo da Silva Vaz, Armoni da Cruz Santos, Iracema Machado de Aragão Gomes

Resumo


As incubadoras com fins sociais têm por finalidade alavancar políticas de emprego e integração socioprofissional e estimulam a autocriação de empresas. Incubadoras são movidas por duas lógicas: uma inclusão social, por outro lado, a criação de negócios. O presente estudo analisou os principais elementos geradores de impactos de uma incubadora social em cooperativas de agricultura familiar de Sergipe. Por meio da realização de um estudo de caso, com a aplicação de entrevistas semiestruturadas, foi possível constatar que a incubadora social gerou vários impactos positivos às cooperativas sergipanas, como estrutura organizacional, acesso às parcerias, cooperação, integração com centros de ciência e tecnologias, consultorias e treinamentos. É importante destacar que, em ambos os casos, a proposta metodológica ficou evidente, além de um eficiente processo de mobilização realizado pelos representantes da incubadora.

Palavras-chave


Incubadoras sociais; Cooperativas; Agricultura familiar

Texto completo:

PDF

Referências


ALBORT-MORANT, G.; OGHAZI, P. How useful are incubators for new entrepreneurs? Journal of Business Research, v. 69, p. 2125-2129, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

AL-MUBARAKI, H. M.; BUSLER, M. The Development of Entrepreneurial Companies through Business Incubator Programs. Int. J. Emerg. Sci., v. 1, n. 2, p. 95-107, jun. 2011. ISSN: 2222-4254.

AMADOR, E. M. P.; CADENA, M. G.; CASTRO, J. A. V. Incubadoras sociais en las universidades como promotoras de innovación y empreendimiento social para el desarrollo de las regiones: el caso del estado de Hidalgo, México. R. Bras. Planej. Desenv., Curitiba, v. 4, n. 1, p. 128-148, jan./jun. 2015.

ANDRADE, C. C.; PASIN, L. E. V.; OTTOBONI, C.; MINEIRO, A. A. C. Análise do capital institucional na incubadora de empresas de base tecnológica: um estudo de caso no município de Itajubá – MG. RACEF – Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, v. 7, n. 1, Ed. esp. Ecossistemas de Inovação e Empreendedorismo, p. 58-70, 2016.

ANPROTEC. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

BARBERO J. L.; CASILLAS, J. C.; RAMOS, A.; GUITAR, S. Revisiting incubation performance. How incubator typology affects results. Technological Forecasting & Social Change, v. 79, p. 888-902, 2012.

BRASIL. Ministérios das Relações Exteriores. Mundo afora: Políticas de incentivo à inovação. n. 10, 2013.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Diário Oficial da República Federativa [do] Brasil, 12 jan. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

CRESWELL, J. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. London: Sage, 2002.

EID, F.; BARBOZA, M. J. S.; SOUZA, A. L. Importancia de la incubadora tecnológica de cooperativas populares y emprendimientos solidarios em una Universidad de la Amazonia Brasileña Cayapa. Revista Venezolana de Economía Social, v. 13, n. 26, jul./dic., 2013, p. 11-27.

EINSENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n.4, p. 532-550, 1989.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, 1995.

GUERRA, A. C.; PEREIRA, J. R. Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares: Possibilidades de Gestão. APGS, Viçosa, v.2, n.1, jan./mar. 2010, p. 21-44.

HERNÁNDEZ, R.; CARRÀ, G. A conceptual approach for business incubator interdependencies and sustainable development. Agriculture and Agricultural Science Procedia, n. 8, 2016. p.718-724.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, 2016.

MARZANO, F. M. Políticas de inovação no Brasil e nos Estados Unidos: a busca da competitividade: oportunidades para a ação diplomática. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011. 304 p. ISBN 978-85-7631-306-309.

MAS-VERDÚ, F.; RIBEIRO-SORIANO, D.; ROIG-TIERNO, N. Firm survival: The role of incubators and business characteristics. Journal of Business Research, v. 68, p. 793-796, 2015.

MENEZES FILHO, N.; KOMATSU, B.; LUCCHESI, A.; FERRARIO, M. Políticas de Inovação no Brasil. Policy Paper, n. 11, ago. 2014.

NETO, L. M.; GARRIDO, P. O.; JUSTEN, C. E. Desenvolvendo o aprendizado em gestão social: proposta pedagógica de fomento às incubadoras sociais. Rio de Janeiro, Cad. EBAPE.BR, v. 9, n. 3, art. 7, set. 2011, p. 831-845.

ӦZDEMIR, Ӧ. Ç.; ŞEHITOĞLU, Y. Assessing the impacts of technology business incubators: a framework for Technology Development Centers in Turkey. Procedia - Social and Behavioral Sciences, n. 75, p. 282-291, 2013.

RATINHO, T.; HENRIQUES, E. The role of science parks and business incubators in converging countries: Evidence from Portugal. Technovation, n. 30, 2010, p. 278-290.

RUBIN, T. H.; AAS, T. H.; STEAD, A. Know ledge flow in Technological Business Incubators: Evidence from Australia and Israel. Technovation, v. 41, n. 42, 2015, p. 11–24.

SAUNDERS, M.; LEWIS, P.; THORNILL, A. Research methods for business students. 4. ed. Harlow, England: Pearson Education, 2007. cap. 10.

SILVA L. A. C.; FARIAS, J.S. A incubadora solidária da UFCG: emancipação de seus atores sociais. Revista Saúde e Ciência (On line), v. 3, n. 3, p. 118-136, set./dez. 2014.

SOMSUK, N.; LAOSIRIHONGTHONG, T. A fuzzy AHP to prioritize enabling factors for strategic management of university business incubators Resource-based view. Technological Forecasting & Social Change, v. 85, p. 198-210, 2014.

TASKIN, L.; RAONE, J.; VAN BUNNEN, G. Institutionnalisation et dérive des entreprises sociales: Le cas des incubateurs sociaux en Wallonie. In: Economies et sociétés. Série K, Economie de l'Entreprise, v. XLVII, n.22, p. 93-122, 2013.

TOLA, A.; CONTINI, M. V. From the diffusion of innovation to tech parks, business incubators as a model of economic development: the case of “Sardegna Ricerche”. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 176, p. 494-503, 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell. 4. ed. São Paulo: Bookman, 2010.

ZHANG, H.; WU, W.; ZHAO, L. A study of knowledge supernetworks and network robustness in different business incubators. Physica A, n. 447, p. 545-560, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1516-2664.2017v22n1p107-128

Revista Cesumar - Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil

Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1516-2664 Impressa
ISSN 2176-9176 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.