REDUÇÃO DE DANOS: A CONSTRUÇÃO DO ATO NÔMADE E DO CUIDADO COMPARTILHADO

Edna Linhares Garcia, Taís Morgana dos Santos, Rayssa Madalena Feldmann, Marcia de Bastos Braatz, Natália Sulzbach, Carina Ferreira dos Santos, Suzane Beatriz Frantz Krug

Resumo


Ao longo da história da humanidade podemos perceber o quanto a droga se fez presente no processo civilizatório de diversos povos. Atualmente ela se apresenta como um problema de saúde pública. É neste cenário que a Redução de Danos (RD) emerge como uma política que busca a construção de práticas em saúde voltadas para o cuidado singular. Este estudo busca elucidar as potencialidades desta política, bem como as dificuldades vivenciadas pelos redutores de danos ao longo do seu trabalho no território. É a partir da escuta, alinhada à pesquisa-ação e análise das narrativas, que este estudo se delineia metodologicamente. Possibilitando assim perceber a prática singular e nômade que a RD protagoniza na construção de cuidado em saúde.

Palavras-chave


Drogas; Redução de danos; Saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


RASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília, 2003.

BUCHER, Richard. Drogas e drogadição no Brasil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

CÉZAR, M. A.; OLIVEIRA, M. B. Redução de danos: uma experiência na atenção básica. Mental, v. 11, n. 21, p. 486-500, jul./dez. 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272017000200012. Acesso em: 10 out. 2018.

CONTE, M. Psicanálise e redução de danos: articulações possíveis? Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, v. 25, p. 23-33, 2004.

CONTE, M. et al. Redução de danos e saúde mental na perspectiva da atenção básica. Boletim da Saúde, v. 18, n. 1, p. 59-76, jan./jun. 2004. Disponível em: http://www.crprs.org.br/upload/files_publications/arquivo27.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

DALLAZEN, L. et al. Sobre a ética em pesquisa na psicanálise. PSICO, Porto Alegre, v. 43, n. 1, p. 47-54, jan./mar. 2012. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/11098/7618. Acesso em: 9 ago. 2018.

DANTAS, S.; CABRAL, B.; MORAES, M. Sentidos produzidos a partir de experiências de bad trip: drogas, prevenção e redução de danos. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 102, p. 539-550, jul./set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042014000300539. Acesso em: 9 ago. 2018.

DETTMANN, A. P. S.; ARAGÃO, E. M. A.; MARGOTTO, L. R. Uma perspectiva da clínica ampliada: as práticas da psicologia na assistência social. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 3, p. 362-369, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922016000300362&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 nov. 2018.

DUARTE, Marco José de Oliveira. Saúde mental, drogas e território: a garantia de direitos versus a repressão como estratégia de cuidado. In: SOUZA, A. C. (org). Entre pedras e fissuras: a construção da atenção psicossocial de usuários de drogas no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

ESTAUBER, A.; GUIMARÃES, C. F. A produção de subjetividade dependente nos CAPSad: problematizando as práticas de cuidado dos usuários de álcool e outras drogas. Saúde em Redes, v. 3, n. 3, p. 273-283, 2017. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/827. Acesso em: 15 nov. 2018.

FREUD, S. Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In: Freud S. Obras completas de Sigmund Freud (1912). Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 12, p. 147-59.

GUIMARÃES, L. P.; MIRANDA, M. B. S.; ROCHA, R. V. S. Intensificação de cuidados: afetos e afetações na construção do cuidado em saúde mental, álcool e outras drogas. 2017. 26 f. Monografia (Especialização em Saúde Mental e Atenção Básica) - Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, 2017.

MACHADO, L. V.; BOARINI, M. L. Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 33, n. 3, p. 580-595, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-98932013000300006&lng=e&tlng=e. Acesso em: 10 jul. 2018.

MARANGONI, R. S.; OLIVEIRA, M. L. F. Fatores desencadeantes do uso de drogas de abuso em mulheres. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 22, n. 3, p. 662-70, jul./set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072013000300012. Acesso em: 9 jun. 2018.

MERHY, E. E.; FRANCO, T. B.; MAGALHÃES JÚNIOR, H. M. Integralidade e transversalidade das necessidades de saúde nas linhas de cuidado. Movimentos moleculares na micropolítica do trabalho em saúde. 2003. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/268200414. Acesso em: 9 ago. 2018.

MERHY, Emerson Elias. O SUS e um dos seus dilemas: mudar a gestão e a lógica do processo de trabalho em saúde (um ensaio sobre a micropolítica do trabalho vivo). In: FLEURY, Sonia (org.). Saúde e democracia: a luta do CEBES. São Paulo: Lemos Editorial, 1997. p. 125-141.

MERHY, Emerson Elias. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: BRASIL. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de gestão da Educação na Saúde. VER–SUS Brasil: cadernos de textos. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. p. 108-137.

MESQUITA, F. Aids e drogas injetáveis. In: LANCETTI, Antonio (org.). Saúde loucura. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1991. p. 46-53.

MORERA, J. A. C.; PADILHA, M. I. C. S.; ZEFERINO, M. T. Políticas e estratégias de redução de danos para usuários de drogas. Revista Baiana de Enfermagem, v. 29, n. 1, p. 76-85, jan./mar. 2015. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/9046. Acesso em: 9 maio 2018.

NARDI, H. C.; RIGONI, R. Q. Marginalidade ou cidadania? a rede discursiva que configura o trabalho dos redutores de danos. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 2, p. 273-282, maio/ago. 2005. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/98529/000492771.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 9 jun. 2018.

PASSOS, E. H.; SOUZA, T. P. Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia & Sociedade, v. 23, n. 1, p. 154-162, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822011000100017&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 jul. 2018.

RODRIGUES, J. S.; LIMA, A. F.; HOLANDA, R. B. Identidade, drogas e saúde mental: narrativas de pessoas em situação de rua. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 3, p. 424-436, jul./set. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932018000300424&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 15 out. 2018.

SANTOS, C. E.; YASUI, S. Muito além do Caps AD: o cuidado no território e na vida. In: SOUZA, A. C. (org.). Entre pedras e fissuras: a construção da atenção psicossocial de usuários de drogas no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

SPINK, M. J. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

SOUZA, P. M. S. S. de et al. Clínica nômade voz da rua: políticas de drogas e redução de danos. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 6, n. 16, p. 53-58, 2016. Disponível em: http://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/1041. Acesso em: 15 out. 2018.

THIOLLENT, M.; OLIVEIRA, L. Participação, cooperação, colaboração na relação dos dispositivos de investigação com a esfera da ação sob a perspectiva da pesquisa-ação. CIAIQ2016, v. 3, p. 357-366, 2016.

TRINO, A. T. et al. Promoção do cuidado com estratégias de redução de danos na cena de uso do bairro de Neves em São Gonçalo (RJ). Cadernos do Cuidado, v. 1, n. 1, p. 18-32, 2017. Disponível em: https://editora.observatoriodocuidado.org/index.php/CC/article/view/54. Acesso em: 15 out. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1516-2664.2019v24n1p9-27

Revista Cesumar – Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9176 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1516-2664 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.