O Avesso do Caráter Procedimental da Constituição: Ativismo Judicial, “Novo” CPC e STF

Henrique Garbellini Carnio, Joaquim Eduardo Pereira

Resumo


O presente artigo pretende discutir uma concepção do caráter procedimental da Constituição que parece não estar sendo adequadamente levado em consideração em nosso país, a saber, como avesso ao ativismo judicial e as formas dissimuladoras de governabilidade reveladas em conflitos relativos aos poderes institucionais brasileiros. Nesse trilho, o texto ao tempo que procura expor um cenário deflagrado de crise dos rumos que a relação entre a teoria e a prática jurídica têm tomado em nosso país, apresenta criticamente dois exemplos que procuram elucidar o objeto desta crise; o primeiro trata de uma situação paradoxal em duas decisões do STF e o segundo sobre o novo CPC e a atividade jurisdicional. A Constituição não pode ser utilizada para bloquear discussões fundamentais nem para sustentar interpretações ilegais, refletir sobre isso em tempos cínicos é o que almeja de forma e em tom introdutório este texto.

Palavras-chave


Caráter procedimental da Constituição; Exceção; Novo CPC; Poderes institucionais; STF

Texto completo:

PDF

Referências


BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 25. ed. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 105.

CARNIO, Henrique Garbellini. Para uma crítica da forma jurídica. Revista de Direito Privado, São Paulo, n. 58, abr. 2014.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. Teoria Processual da Constituição. 3. ed. São Paulo: RCS, 2007, p. 51-52.

GUERRA FILHO, Willis Santiago; CARNIO, Henrique Garbellini (Col.). Teoria da Ciência Jurídica. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 185-186.

KELSEN, Hans. Dios y estado. In: CORREAS, Óscar (Org.). El outro Kelsen. Tradução de Jean Hennequin. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1989.

MÜLLER, Friedrich. O novo paradigma do direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

MÜLLER, Friedrich. Teoria Estruturante do Direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008, I, p. 80.

REALE, Giovanni. História da filosofia: filosofia pagã antiga. São Paulo: Paulus, 2003, v. 1.

SOLON, Ari Marcelo. Teoria da soberania como problema da norma jurídica e da decisão. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris, 1997.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito. 8ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009, p. 38.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2016v16n3p683-706

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.