Responsabilidade Civil pela Perda da Chance: Revisitando os Principais Aspectos Elencados pela Doutrina Nacional e Estrangeira

Têmis Limberger, Maria Eugenia Bunchaft, Brunize Finger

Resumo


O objetivo do presente estudo é definir o conceito de chance, sua natureza jurídica e os requisitos que ensejam a responsabilidade civil de quem a suprimiu. Para tanto, foi revisada a literatura nacional e estrangeira sobre a teoria da perda da chance, bem como algumas jurisprudências. Por meio dessa análise, foi possível verificar as primeiras manifestações que envolveram essa teoria, a discussão em torno dela e o seu desenvolvimento ao longo do tempo até os dias de hoje. Utilizaram-se os métodos de procedimento indutivo e comparativo. A técnica de pesquisa aplicada foi bibliográfico-documental. Conclui-se que, apesar de haver pontos controvertidos, como, por exemplo, o conceito de chance séria e real, verificou-se o consenso entre os autores pesquisados de que a perda da chance é definida como um dano autônomo em relação ao dano final, bem como a sua aceitação pelo ordenamento jurídico pátrio e consequente utilização – ainda que baixa.

Palavras-chave


Perda da chance; Dano; Responsabilidade Civil; Dano Autônomo.

Texto completo:

PDF

Referências


ACEVEDO, R. La tesis de la pérdida de la chance en medicina. Disponível em: http://thomsonreuterslatam.com/2012/01/30/la-tesis-de-la-perdida-de-la-chanceen-medicina/. Acesso em 17 ago 2016.

AMARAL, A. C. C. Z. M.; PONA, E. W. A perda da chance na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça: os (des)caminhos de uma compreensão teórica. Scientia Iuris, v. 18, n. 2, p. 93-123, dez. 2014.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso especial nº 1.291.247. Relator: Ministro Paulo de Tarso Sanseverino. Julgado em 19 ago. 2014. Disponível em: www.stj.jus.br. Acesso em: 10 maio 2015.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso especial nº 788.459. Relator: Ministro Fernando Gonçalves. Julgado em 08 nov. 2005. Disponível em: www.stj.jus.br. Acesso em: 19 ago. 2014.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. EDcl no AgRg no Agravo de instrumento nº 1.196.957. Relatora: Ministra Maria Isabel Gallotti. Julgado em 10 abril 2014. Disponível em: www.stj.jus.br. Acesso em 15 ago. 2016.

CACHAPUZ, R.R.; MORAES, M. M. A responsabilidade civil do cirurgião plástico nas cirurgias embelezadoras a partir do resultado prometido. Revista Jurídica Cesumar – Mestrado, v. 11, n. 2, p. 593-613, jul./dez. 2011.

CARNAÚBA, D. A. Responsabilidade civil pela perda de uma chance: a álea e a técnica. São Paulo: Método, 2013.

CAVALIERI FILHO, S. Programa de responsabilidade civil. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

COUR DE CASSATION. Composition de la commision du rapport et des études de la Cour de Cassation. Paris, 2008. Disponível em: https://www.courdecassation.fr/IMG/pdf/rapport_annuel_2007.pdf. Acesso em 27 jul. 2016.

DEBIEF, J. L’indemnisation du défaut de consentement du patient: les limites de la théorie de l aperte de chance. Droit, Déontologie et Soin, v.4, n.1, p. 16-33, mar. 2004.

DE CUPIS, A. El daño: teoria general de la responsabilidade civil. 2. ed. Barcelona: Bosch Casa Editorial, 1975.

DE MORAES, M. C. B. A constitucionalização do direito civil e seus efeitos sobre a responsabilidade civil. Direito, Estado e Sociedade, v.9, n.29, p. 233-258, jul./dez. 2006.

DE SOUZA, A.; et al. L’evaluation de la perte de chance em responsabilité médicale, une mission à repréciser pour l’Expert. Médecine & Droit, Paris, p. 1-7, 2016.

DEVERS, K. B. Une décision de justice pas-à-pas. Manquement au devoir d’information, faute de diagnostic et faute de technique médicale causant une perte de chance. Droit, Déontologie et Soin, v. 13, p. 35-41, fev. 2013.

GONDIM, G. G. A reparação civil na teoria da perda de uma chance. 2010. 177f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, UFPR, Curitiba, 2010.

GUEDES, G. S. C. Lucros cessantes: do bom senso ao postulado normativo da razoabilidade. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

HIGA, F. C. Responsabilidade civil: a perda de uma chance no Direito do Trabalho. São Paulo: Saraiva, 2012.

INSTITUTO INTERNACIONAL PARA UNIFICAÇÃO DO DIREITO PRIVADO. Principes d’Unidroit relatifs aux contrats du commerce internacional. Disponível em: http://www.unidroit.org/fr/instruments/contrats-du-commerce-international/principes-d-unidroit-2004 Acesso em: 08 jun. 2015.

KFOURI NETO, M. Culpa médica e ônus da prova: presunções, perda de uma chance, cargas probatórias dinâmicas, inversão do ônus probatório e consentimento informado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

MARTINS-COSTA, J. H. Comentários ao Novo Código Civil. Tomo II. Rio de Janeiro: Forense, 2009. Vol. V.

MAZEAUD, H.; MAZEAUD, L. Traité Théorique e pratique de la responsabilité civile délictuelle et contractuelle. 4. ed. Paris: Libraire du Recueil Sirey, 1947.

NGUYEN, T. D. Concept de perte de chance: une évolution majeure dans la définition du préjudice, ou comment éviter le litige pour perte de chance? Cancer Radiothérapie, Paris, n. 20, p. 411-415, 2016.

NORONHA, F. Direito das obrigações. v. 1. São Paulo: Saraiva, 2003.

PEREIRA, C. M. S. Responsabilidade civil. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Câmara Cível, 9. Apelação cível n° 70020571261. Relatora: Desembargadora Íris Helena Medeiros Nogueira. Julgado em 05 set. 2007. Disponível em: www.tjrs.jus.br Acesso em: 03 set. 2014.

ROSÁRIO, G. C. M. A perda da chance de cura na responsabilidade médica. Revista da EMERJ, Rio de Janeiro, v. 11, n. 43, p. 167-186, 2008.

SANSEVERINO, P. T. V. Princípio da reparação integral: indenização no Código Civil. São Paulo: Saraiva, 2010.

SAVI, S. Responsabilidade civil por perda da chance. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

SILVA, R. P. Responsabilidade civil pela perda da chance. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

TAPIA RODRÍGUEZ, M. Pérdida de una chance. Su indemnización en la jurisprudencia chilena. Revista de Derecho. Escuela de Postgrado, n. 2, p. 251-264, dez. 2012.

VAZ, W. L.; REIS, C. Responsabilidade civil e consentimento informado. Revista Jurídica Cesumar – Mestrado, v. 8, n. 2, p. 533-568, jul./dez. 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2016v16n3p939-962

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.