A COGESTÃO COMO INSTRUMENTO DE CONCRETIZAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

Elizabet Leal Silva, Fábio Siebeneichler Andrade

Resumo


O objetivo do presente artigo é apresentar o instituto da cogestão como um instrumento que permitirá à empresa efetivamente cumprir sua função social. Para tanto surge a problemática de como a cogestão deve ser trabalhada para que atinja a finalidade almejada. Desta forma tem-se como hipótese a necessária participação dos trabalhadores nas decisões importantes da empresa de maneira mais direta, facilitando a institucionalização da sua função social. Reconhece-se que não é tarefa nada fácil, pois não faz parte da cultura empresarial brasileira ter os trabalhadores como partícipes de suas decisões e até mesmo de suas gestões. Portanto tal tema tem especial relevância quando se trata de estabelecer cada vez mais um equilíbrio na relação de trabalho, fundada basicamente na subordinação. Para o desenvolvimento da presente pesquisa utilizou-se o método dedutivo, pautado na técnica de pesquisa bibliográfica.

Palavras-chave


Cogestão; Empresa; Função Social; Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 10 mar. 2016.

COMPARATO, Fábio Konder. Direito empresarial. São Paulo: Saraiva, 1995.

DA PAZ JUNIOR, Anselmo Domingos. A função social da empresa como um princípio do direito do trabalho pós-moderno. 2007. Dissertação (mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

FARIA, José Henrique. Cogestão: uma nova instituição. Revista de Administração IA-USP, v. 17, n. 01, janeiro/março, 1982. Disponível em: www.rausp.br/busca/ artigo.asp?. num _ artigo=922. Acesso em: 15 ago. 2015.

FRAZÃO, Ana. Função social da empresa: repercussões sobre a responsabilidade civil de controladores e administradores de S/As. Rio de Janeiro: Renovar, 2011.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do trabalho, 13. ed. rev. e ampl. atual. até dezembro de 2000. São Paulo: Atlas, 2001.

FACCHINI NETO, Eugênio; ANDRADE, Fábio Siebeneichler. A funcionalização do direito: a empresa e sua função social. In: STEINDORFER, Fabriccio; MIZUTA, Alessandra. Limitações constitucionais ao exercício da atividade econômica. Curitiba: Juruá, 2016, p. 11-41.

JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do trabalho. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. Tomo II.

ROMITA, Arion Sayão. Direitos fundamentais nas relações de trabalho. 2. ed. rev. e aum. São Paulo: LTr, 2007.

RUSSOMANO, Mozart Victor. 9. ed. Curitiba: Juruá, 2004.

SILVA, Antônio Álvares da. Cogestão no estabelecimento e na empresa. São Paulo: LTr, 1991.

SILVA, Elizabet Leal. Emancipação do trabalhador e dignidade no trabalho. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2011.

SUSSEKIND, Arnaldo et al. Instituições de direito do trabalho. 21. ed. atual. São Paulo: LTr, 2003. v. 1.

SUSSEKIND, Arnaldo. Direito constitucional do trabalho. Rio de Janeiro: Renovar, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2017v17n1p65-80

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.