PODER (DO) JUDICIÁRIO E “ZONAS DE AUTARQUIA”: A FORMA DIREITO NO MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO DOS ESTAGIÁRIOS DO TJRS SOBRE O “RECESSO FORENSE”

Carlos Eduardo Pereira Siqueira, José Rodrigo Rodriguez

Resumo


Vinculado ao pensamento jurídico-crítico com raízes na “Escola de Frankfurt” e partindo das análises do jurista José Rodrigo Rodriguez, este trabalho buscará promover reflexões sobre a configuração do direito no caso particular do mandado de segurança coletivo processado e julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) a propósito da reivindicação de estagiários contra a suspensão do pagamento da remuneração durante o “recesso forense” de 2014/2015. Envolvido em tal proposta, este trabalho buscará promover reflexões sobre a configuração do direito no caso particular do mandado de segurança coletivo processado e julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) a propósito da reivindicação de estagiários contra a suspensão do pagamento da remuneração durante o “recesso forense” de 2014/2015. Para tanto, utilizou-se do método de estudo de caso, como via de pesquisa empírica apto a investigar os fatos e suas implicações e consequências relativos a um dado fenômeno devidamente delimitado. O problema estudado pode ser traduzido com as seguintes perguntas: como ocorreu a juridificação do conflito no mandado de segurança coletivo impetrado contra a suspensão do pagamento do “recesso forense” 2014/2015 do TJRS? De que modo as forças sociais envolvidas podem ser caracterizadas, considerando a decisão proferida? A abordagem terá em foco a necessidade de reformulações institucionais aptas a absorver inclusivamente as demandas sociais por meio da radicalização da democracia (RODRIGUEZ, 2009, 2013), o que se insere numa tarefa crítica de problematização das “zonas de autarquia”, categoria criada por Rodriguez e central ao trabalho. Ao final, as situações visualizadas apontaram, então, alguns modos de ser das zonas de autarquia e usos da falsa legalidade. Por outro lado, o debate público regulado democraticamente permite que posições até agora contra-hegemônicas sejam defendidas em nome da emancipação social. A “luta por direitos na democracia” é a chave para evitar retrocessos.

Palavras-chave


Zonas de autarquia; Esfera pública

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo/Programa de Pós Graduação em Sociologia – USP, 2012.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2015: ano-base 2014. Brasília: CNJ, 2015.

CONSULTOR JURÍDICO. INSS é órgão recordista de processos em 1ª Instância. Publicado em 04 nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

FARIA, José Eduardo. Direito e Justiça: a função social do judiciário. São Paulo: Editora Ática, 1997.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Volume I. 2. edição. Reimpressão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Volume II. 2. edição. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2011.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da Esfera Pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa. Volume único. Madrid: Editorial Trotta, 2010.

JOTA. AMB mostra quem são os maiores litigantes do país. Publicado em 11 ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

KIRCCHEIMER, Otto. Political Justice: the use of legal procedure for political ends. Princeton: Princeton University Press, 1961.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do trabalho. 28. edição. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

MICHAELIS DICIONÁRIO DE PORTUGUÊS ONLINE. Feriado. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

NEUMANN, Franz. O Império do Direito: Teoria política e sistema jurídico na sociedade moderna. São Paulo: Quartier Latin, 2013.

NOBRE, Marcos. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. Novos Estudos, número 66, p. 145-154, julho de 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2016.

NOBRE, Marcos. Introdução. In: NOBRE, Marcos. Curso livre de Teoria Crítica. 3. edição. Campinas: Papirus, 2015.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Como decidem as cortes?: para uma crítica do direito (brasileiro). Rio de Janeiro: FGV, 2013.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Fuga do direito: um estudo sobre o direito contemporâneo a partir de Franz Neumann. São Paulo: Saraiva, 2009.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Luta por direitos, rebeliões e democracia no século XXI: algumas tarefas para a pesquisa em direito. In: STRECK, Lenio Luiz; ROCHA, Leonel Severo; ENGELMANN, Wilson. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: anuário do programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS: Mestrado e Doutorado. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2014.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. 1. edição. 1. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

TEUBNER, Gunther. Juridificação: noções, características, limites, soluções. Revista de Direito e Economia, número 14, Ano XIV, p. 14-100, 1988.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2015.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: Acesso em: 24 abr. 2015.

WARAT, Luis Alberto. Surfando na Pororoca: o ofício do mediador. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2018v18n2p429-457

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI; ROAD; OCLC WorldCat

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9184 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br


ISSN 1677-6402 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.