REFLEXÕES SOBRE DEMOCRACIA LÍQUIDA E SUA FUNDAMENTAÇÃO NO PLANO DAS TEORIAS DEMOCRÁTICAS

Daniel de Mello Massimino

Resumo


Discutem-se os fundamentos teóricos da democracia líquida, compreendida como uma possibilidade do cidadão, por livre escolha, decidir ou delegar sua decisão sobre os problemas da comunidade com a utilização, p. ex., de ferramentas digitais, identificando sua correlação com outras vertentes, como a direta e a representativa, situando-a num determinado campo teórico e verificando suas condições de possibilidade no âmbito de um sistema de controle de constitucionalidade. Questiona-se se a concepção de democracia líquida se configura como um novo formato para a democracia ou apenas apresenta novas ferramentas procedimentais, como a internet, para o alcance de objetivos já atingidos por outros formatos como, por exemplo, na democracia direta ou na própria democracia representativa. O objetivo foi analisar os fundamentos teóricos da democracia líquida, identificando sua correlação com outras vertentes da democracia, como a direta, a representativa e a popular, situando-a, se possível, dentro de um determinado campo teórico. Como método de abordagem adotou-se a concepção de modernidade líquida proposta por Bauman, constituindo-se o referencial de análise, e procedimento lastreado no método hipotético-dedutivo, por meio de pesquisa bibliográfica e documental.

Palavras-chave


Democracia líquida; Modernidade; Participação; Representação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 11. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. Trad. Marco Aurélio Nogueira. 8. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

CÁRCEL, Juan A. Roche. La frágil construcción de la democracia en la Grecia Antigua y la búsqueda del orden en la teoría democrática moderna y contemporánea. Res Publica: Revista de Filosofía Política, 30 (2013), 15-58 ISSN: 1576-4184.

COLÓN-RÍOS, Joel I. The end of the constitutionalism-democracy debate. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2015.

CONSTANT, Benjamin. Da Liberdade dos antigos comparada à dos modernos. Traduzido da edição dos textos escolhidos de Benjamin Constant, organizada por Marcel Gauchet, intitulada De la Liberté cliez les Modernes . (Le Livre de Poche, Collection Pluriel. Paris, 1980.). Disponível em:< http://www.fafich.ufmg.br/~luarnaut/Constant_liberdade.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2015.

ELSTER, Jon. Constitucionalismo y democracia. Fondo de Cultura Económica. México, 2001.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV). Relatório IPCLBrasil: 1º semestre de 2015. São Paulo: FGV, 2015. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/14133>. Acesso em: 10 nov. 2015.

GARGARELLA, Roberto. La dificultad de defender el control judicial de las leyes In: Isonomía, n.º 6, 1997. pp. 55-70.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Trad. Raul Fiker. São Paulo: Ed. da UNESP, 1991.

GOMES, Wilson. Participação politica on line: questões e hipóteses de trabalho In. MAIA, Rousiley C.M.; GOMES, Wilson; MARQUES, Francisco P.J.A. (Org.) Internet e participação política no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2011.

HARDT, Steve; LOPES, Lia C. R. Google Votes: a liquid democracy experiment on a corporate social network. Technical Disclosure Commons. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2015.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: A lógica cultural do capitalismo tardio. Trad. Maria Elisa Cevasco; Iná Camargo Costa. São Paulo: Ática, 2007.

LIQUIDFEEDBACK. Sítio institucional. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

LYOTARD, Jean-François. O pós-moderno. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1988.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Trad. Marco Aurélio Nogueira. Petrópolis: Vozes, 2004.

MÉDICI, Alejandro. La Constitución Horizontal: teoria constitucional y giro decolonial. Centro de estúdios jurídicos y sociales Mispat, A.C. Facultad de Derecho de La Universidad Autónomo de San Luis Potosí; Educación para las Ciencias em Chiapas, A.C., 2012.

O’DONNELL, Guillermo. Delegative democracy? Kellogg Institute. Disponível em: < https://kellogg.nd.edu/publications/workingpapers/WPS/172.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2015.

SANTIAGO NINO, Carlos. La constitución de la democracia deliberativa. Barcelona: Editorial Gedisa, 1997.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. Trad. Denise Bottmann e Ricardo Mendes. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

TOURAINE, Alain. O que é a democracia? Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

TUSHNET, Mark. Weak courts, strong rights. Princeton University Press, Princeton e Oxford, 2009.

VESTRI, Gabriele. Posibles experiencias de democracia y ciudadanía activa en el siglo XXI. Estudios de Derecho -Estud. Derecho- Vol. LXXI. Nº 157, junio 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2017v17n2p375-400

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.