O DIGITAL INFLUENCER E AS IMPROBABILIDADES COMUNICATIVAS NAS REDES SOCIAIS

Lidiane Duca Silva, Germano André Doerdelein Schwartz

Resumo


A análise se dá sobre a comunicação nas redes sociais como um sistema complexo que, por meio das improbabilidades comunicativas que se transformam em probabilidades, alcança sentido e compreensão perante os receptores. O presente trabalho, a partir da análise da rede social e utilizando como metodologia a revisão de literatura, alcança o ponto de vista do emissor da comunicação que a utiliza como forma de transmissão de sua vida cotidiana, em busca do reconhecimento do ser social virtual. Sob esse teor, muitos dos emissores da mensagem buscariam a criação de um perfil virtual ideal que engloba o ser, o ter e o parecer, transformando o que antes era reconhecimento de identidade pessoal em uma eterna busca por destaque social, utilizando a imagem como elemento primordial para alcançar seguidores, relações de consumo e destaque de opiniões pessoais, políticas e religiosas. O fenômeno que engloba a rede social a transforma em um aparato mercadológico que por finalidade a busca incessante por reconhecimento e utiliza a comunicação como forma de dominação das massas na Sociedade do Espetáculo.

Palavras-chave


Digital Influencer; Improbabilidade da comunicação; Rede social; Sociedade do Espetáculo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Ronaldo Alves. MANSUR, Monica Tereza. Verdade, mentira e imprensa na sociedade da informação. PAESANI, Liliana Minardi (Org.). Direito da Sociedade da Informação III. São Paulo: Atlas, 2013. p. 104.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para Consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008, p. 63.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005. p. 21.

DEBORD, GUY. A sociedade do espetáculo. Trad. Terra à vista. Ilha do mel. eBookLibris. 2003. p. 13. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2017.

LUHMANN, Niklas. A improbabilidade da comunicação. Lisboa: Passagens, 2006. p. 47.

ROCHA, Leonel Severo; KING, Michael; SCHWARTZ, Germano. A verdade sobre a autopoiese no direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009. p. 19.

SANCHES-JUSTO, Joana. A primazia da imagem e a virtualização das relações na cultura das aparências. Revista Espaço Acadêmico, nº 153, 2014, p. 6. Disponível em:

SOUSA, Mauro Wilton de. O pertencimento comum ao mediático. Significação Revistas de Cultura Audiovisual, v. 37, nº 34, p. 31-52, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/significacao/article/viewFile/68112/70670. Acesso em: 13 jan. 17.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2018v18n3p671-687

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI; ROAD; OCLC WorldCat

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9184 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br


ISSN 1677-6402 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.