Sociedade de consumo e obsolescência programada: impasses à conquista do Objetivo nº 12 de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030

Marla Meneses Mangiolaro, Daniel Barile da Silveira

Resumo


O presente trabalho aborda o processo de globalização e seus impactos negativos quanto ao estímulo ao consumo que afetam o meio ambiente, consubstanciado na aplicabilidade prática da ideia de obsolescência programada em face da agenda desenvolvimentista carreada pelos objetivos do milênio. Para este objetivo, um aprimoramento do uso prático dos conceitos de sustentabilidade, consumo consciente e solidariedade merece estar mais presente no debate jurídico contemporâneo, no sentido de combater aos avanços da tecnologia e do mercado desregulado da atualidade, de maneira a fazer frente à obsolescência programada produzida pelas grandes corporações do mercado. Neste contexto, a partir de uma metodologia dedutiva e com base na discussão do diálogo de fontes do direito internacional e interno, o presente trabalho busca traçar soluções para se atingir a conquista de uma agenda sustentável de consumo, balizada pelas orientações estabelecidas no objetivo nº. 12 da agenda de 2030. Nesta medida, o que se verifica é que uma maior regulação de determinados setores do mercado poderá suscitar o atingimento de tais pressupostos.

Palavras-chave


Globalização; Organização Mundial do Comércio; Sustentabilidade; Sociedade de consumo

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fernando. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRAGA, Júlia. Goethe Institut Brasilien. 2012. Disponível em: https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/mag/20786930.html. Acesso em: 07 jan. 2018.

STIGLITZ, Joseph E. Globalização: como dar certo. Tradução Pedro Maia Soares. São Paulo: companhia das letras, 2007.

COMISSÃO EUROPEIA. Eficiência na utilização dos recursos: um imperativo comercial. Disponível em: http://ec.europa.eu/environment/resource_efficiency/documents/factsheet_pt.pdf. Acesso em: 06 jan. 2018.

DANNORITZER, Cosima. The Light Bulb Conspiracy: a obsolescência programada. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2018.

DI LORENZO, Wambert Gomes. Teoria do estado de solidariedade: da dignidade da pessoa humana aos seus princípios corolários. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

ELKINGTON, John. Canibais com Garfo e Faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Tradução Raul Fiker. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

LUHMANN, Niklas. El derecho de la sociedad. Tradução: Javier Torres Nafarrete. México: Universidad Iberoamericana,2006.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/plano-nacional. Acesso em: 05 jan. 2018.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/plano-nacional>. Acesso em: 05 jan. 2018.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global/item/681. Acesso em: 07 jan. 2018.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. A carta da terra. 2002.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ods12. Acesso em: 05 jan. 2018

ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA ALIMENTACIÓN Y LA AGRICULTURA. O Estado da segurança alimentar e da desnutrição no mundo 2017. Disponível em: http://www.fao.org/state-of-food-security-nutrition/es. Acesso em: 07 jan. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Disponível em: https://nacoesunidas.org/lixo-eletronico-representa-crescente-risco-ao-meio-ambiente-e-a-saude-humana-diz-relatorio-da-onu. Acesso em: 27 dez. 2018.

SANTIAGO, Mariana Ribeiro; CAMPELLO, Livia Gaigher Bósio. Função social e solidária da empresa na dinâmica da sociedade de consumo. Scientia Iuris, Londrina, v. 20, n. 1, p.119-143, abr. 2016. DOI: 10.5433/2178-8189.2016v20n1p119.

SANTIAGO, Mariana Ribeiro; MACHADO, Pedro Antonio de Oliveira. Empresa, sustentabilidade e responsabilidade social: origens, motivações, críticas e aspectos práticos. 2015. Disponível em: http://www.indexlaw.org/index.php/revistards/article/view/789/784. Acesso em: Acesso em: 07 jan. 2018.

UNITED NATIONS. Development and international economic co-operation: enviroment. Genebra, UN: [s.n.],1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2019v19n1p249-273

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI; ROAD; OCLC WorldCat

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9184 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br


ISSN 1677-6402 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.