A Semiologia do Poder e o Homem Simbólico: Referentes para uma (Re)Avaliação do Direito

Daíra Andréia de Jesus, Sérgio Ricardo Fernandes de Aquino, Maria da Graça dos Santos Dias

Resumo


O Direito, percebido como produto, e ao mesmo tempo, fonte de cultura, estabelece formas de comunicação que se modificam, nas interações subjetivas do cotidiano. Essas formas de comunicação culturais, nem sempre são percebidas pelo próprio Direito, engendrando falas representações da vida social. Por esse motivo, é preciso estabelecer mecanismos, necessários, para se procurar os fundamentos que embasam o discurso jurídico em seu aspecto normativo. Este trabalho se concretiza pela Semiologia do Poder, pelo significado do Homem Simbólico e pela Filosofia da Linguagem Ordinária. As providências metodológicas para delinear este trabalho são: Objetivo geral: investigar se as categorias Semiologia do Poder e Direito concretizam a elaboração de um discurso que contemple a linguagem do cotidiano; Objetivos específicos: a) formular considerações acerca da Ciência Jurídica como um fenômeno de cultura; b) considerar as categorias Semiologia do Poder, Filosofia da Linguagem Ordinária e Homem Simbólico como a idéia de construção para um Direito legítimo quando aquele analisa as cargas ideológicas do discurso jurídico. O critério metodológico utilizado para realizar essa reflexão reside no método indutivo.

Palavras-chave


Semiologia do Poder; Direito; Homem Simbólico;Semiology of Power; Law; Symbolic Man; Semiología del poder; Derecho; Hombre Simbólico.

Texto completo:

Artigo_Pdf


Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI; ROAD; OCLC WorldCat

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9184 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br


ISSN 1677-6402 Versão impressa interrompida em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.