Mitos que Podem Prejudicar o Aleitamento Materno em Perdizes, MG

Kaline Kaelle Santos, Aline do Carmo França-Botelho

Resumo


Este foi um estudo de campo de caráter quanti-qualitativo e exploratório. Teve como objetivo identificar mitos que podem prejudicar a amamentação. A presente pesquisa foi realizada na Unidade Básica de Saúde “Alderico Antônio Alves”, que é um serviço público do município de Perdizes, MG. Participaram do estudo 83 mães de crianças de 0 a 2 anos de vida. As entrevistas foram realizadas na sala de espera, onde as mães aguardavam para vacinação, consulta de seus filhos e puericultura. O presente estudo confirmou que ainda existem mitos que podem prejudicar a amamentação exclusiva. Os maiores índices obtidos neste estudo foram: 74,7% das mulheres acreditam que existem mulheres que possuem pouco leite; 36% afirmam que seu leite é fraco; 30,1% das mulheres afirmam não produzirem leite; 16,9% das mulheres acham que amamentar faz o peito ficar flácido ou caído; 15,7% das mulheres acreditam que se a criança arrotar mamando, o peito pode inflamar ou o leite secar. Diante disso, é possível concluir que medidas de orientação quanto à amamentação precisam ser mais bem trabalhadas para evitar o desmame precoce.

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Desmame; Mitos na Amamentação.

Texto completo:

Artigo_Pdf


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.