Efeito Genotóxico nos Eritrócitos de Camundongos Tratados com Creolina Via Oral

Fabiane Luizetti, Caroline Scilovski Avancini, Jeronimo Perez Vargas Filho, Tatiane Garcia da Silva, Mirian Ueda Yamaguchi

Resumo


A creolina, um composto de hidrocarbonetos, fenol e cresóis, é utilizada como desinfetante de eficácia comprovada contra várias bactérias. A creolina também faz parte de experimentos recentes, não como fator de intoxicação, mas na cura de feridas e sobre reparação tecidual, apresentando uma cicatrização do ferimento, com acentuada neovascularização e reepitelização. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito genotóxico da creolina nas células sanguíneas de camundongos através do teste do micronúcleo. Foram utilizados 16 camundongos fêmeas adultas, divididas em 3 grupos, sendo o primeiro, o grupo controle positivo onde foi administrado ciclofosfamida em dosagem única de 50mg/kg. O segundo grupo recebeu solução fisiológica 0,9%, como controle negativo e o terceiro grupo foi tratado com a creolina. A eutanásia foi realizada 48 horas após os tratamentos e as lâminas confeccionadas com sangue intracardíaco, avaliando 1.000 eritrócitos policromáticos para a contagem de micronúcleos. Na concentração testada, a creolina é uma substância genotóxica capaz de induzir alterações no DNA celular provocando a formação de micronúcleos residuais.

Palavras-chave


Genotoxidade; Creolina; Células Sanguíneas; Micronúcleo

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.