Aspecto Clínico de Crianças Portadoras da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida por Transmissão Vertical: Uma Revisão Bibliográfica

Larissa Bertolini Andreatta, Glauco Najas Sammarco

Resumo


A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) é causada pela infecção do HIV. Este, consequentemente, trata-se de um vírus de RNA que, uma vez no interior do hospedeiro, é convertido em DNA por meio da ação de enzimas transcriptase reversa. Em 1981 a AIDS foi reconhecida e a partir de então tornou-se um problema mundial. Estima-se que em 2008, 33,4 milhões de pessoas tivessem HIV ou AIDS em todo o mundo, incluindo 2,1 milhões de crianças (UNAIDS). O objetivo da seguinte pesquisa foi realizar, no período de maio de 2009 a maio de 2010, uma revisão sistemática da literatura através da seleção e análise criteriosa de artigos científicos que investigaram o aspecto clínico de crianças portadoras da síndrome da imunodeficiência adquirida por transmissão vertical. A transmissão do vírus da imunodeficiência humana da mãe para o filho ocorre principalmente no parto e/ou durante o trabalho de parto (60%-65%), e determina uma infecção crônica e fatal. Destarte, crianças infectadas pelo HIV, por via vertical, apresentam uma evolução clínica mais grave do que crianças infectadas por outras vias e adultos. A imaturidade fisiológica dos sistemas imunitários fetal e neonatal, no momento da infecção, parece ter papel crucial na progressão da infecção pelo HIV em crianças.

Palavras-chave


Aspectos clínicos; Criança; Síndrome da Imunodeficiência Adquirida; Transmissão Vertical.

Texto completo:

PDF


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.