Cirrhotic Portal Hypertension: New Insights in an Old Syndrome

Priscila Pollo-Flores, Mônica Soldan, Guilherme Ferreira da Motta Rezende

Resumo


Liver Cirrhosis is currently understood as a pathological systemic process, inflammatory, vascular and, overall, dynamic and bidirectional. The intrahepatic circulation is the site of pronounced and determinant alterations characterized by the increase of mechanical resistance to the portal blood flow and the increase of the hepatic vascular tone. Compensated cirrhosis and decompensated cirrhosis can be described according to the presence and severity of portal hypertension. The most accurate method for diagnosis and stratification of portal hypertension is the measurement of the hepatic venous pressure gradient (HVPG). The standard pharmacological treatment available for cirrhotic portal hypertension consists, currently in the use of a non-selective beta-blocker(NSBB). A significant proportion of patients do not respond to treatment. Moreover, it seems to be a therapeutic window of the non-selective beta blockers in which very early stages of compensated cirrhosis and decompensated patients are not benefiting from that medication. The discovery of new drugs that might interfere in the disease’s evolution and treat portal hypertension, allows a glimpse of a new horizon in hepatic cirrhosis.


HIPERTENSÃO PORTA CIRRÓTICA: NOVAS PERSPECTIVAS SOBRE UMA SÍNDROME ANTIGA

RESUMO: A cirrose Hepática é, atualmente, compreendida como um processo patológico sistêmico, inflamatório, vascular e, em geral, dinâmico e bidirecional. A circulação intra-hepática é o local de alterações pronunciadas e determinantes, caracterizadas  pelo aumento da resistência mecânica ao fluxo sanguíneo portal e pelo aumento do tónus vascular hepático. A cirrose compensada e a descompensada podem ser descritas de acordo com a presença e gravidade da hipertensão porta. O método mais preciso para o diagnóstico e estratificação da hipertensão porta é a medida do gradiente de pressão venosa hepática (HVPG). O tratamento farmacológico disponível para a hipertensão porta cirrótica, nos dias atuais, consiste na utilização de um beta bloqueador não seletivo (NSBB). Uma proporção significativa dos pacientes não responde ao tratamento. Além disso, parece haver uma janela terapêutica dos beta-bloqueadores não seletivos, em que fases muito iniciais da cirrose compensada e pacientes descompensados não se beneficiam  da medicação. Logo, a descoberta de novas drogas que possam interferir na evolução da doença e tratar a hipertensão porta, permite vislumbrar um  novo horizonte na cirrose hepática.

Palavras-chave


Cirrhotic Portal Hypertension; Pharmacological Therapy; Hepatic Venous Pressure Gradient; Hipertensão Porta Cirrótica; Tratamento Farmacológico; Gradiente de Pressão Venosa Hepatica



DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2015v8n2p389-397


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.