RELAÇÃO ENTRE FUNCIONALIDADE E AUTOPERCEPÇÃO DE SAÚDE ENTRE IDOSOS JOVENS E LONGEVOS BRASILEIROS

Josemara de Paula Rocha, Gabriela Guimarães Oliveira, Luisa Braga Jorge, Fernanda Regina Rodrigues, Patricia Morsch, Ângelo José Gonçalves Bós

Resumo


O objetivo deste estudo é verificar a relação entre funcionalidade e autopercepção de saúde (APS) entre idosos jovens e longevos. Foi realizada uma análise secundária dos dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Brasil de 2013. A regressão linear foi utilizada para verificar a correlação entre APS e funcionalidade, avaliada pelo nível de independência para atividades básicas (ABVD) e instrumentais de vida diária (AIVD). Participaram 11.177 idosos. Quanto maior a idade, menor o nível de AIVD (p<0,001) e de ABVD (p<0,001). Melhores níveis de funcionalidade correlacionavam com melhores níveis de APS. Essa relação perdia a intensidade ao comparar níveis mais elevados de APS (boa e muito boa), exceto para a AIVD entre as idades de 80-89 e 90+, que apresentaram melhores níveis de AIVD entre os níveis mais elevados de APS. Observou-se diferenças no comportamento da relação entre funcionalidade e a APS em diferentes faixas etárias.

Palavras-chave


Saúde Pública; Envelhecimento da População; Condições de saúde; Indicadores de saúde; Longevidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA - ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil: alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2015. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

ALEXANDRE, T. S. et al. Incapacidade em atividades instrumentais de vida diária em idosos: diferenças de gênero. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 3, p. 379–389, jun. 2014.

ALVES, L. C. et al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 8, p. 1924–1930, ago. 2007.

ANSAI, J. H.; SERA, C. T. N. Percepção da autonomia de idosos longevos e sua relação com fatores sociodemográficos e funcionais. Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 16, n. 5, p. 189-200, 2013

BARBOSA, B. R. et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 8, p. 3317–3325, ago. 2014.

BELÉM, P. L. O. et al. Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Campina Grande, Paraíba. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 265–276, jun. 2016.

BLAZER, D. G. How do you feel about? Health outcomes in late life and self-perceptions of health and well-being. The Gerontologist, v. 48, n. 4, p. 415–422, 2008.

BONARDI, G.; SOUZA, V. B. A. E.; MORAES, J. F. D. Incapacidade funcional e idosos: um desafio para os profissionais de saúde. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 138–144, 2007.

BORGONOVI, F.; POKROPEK, A. Education and Self-Reported Health: Evidence from 23 Countries on the Role of Years of Schooling, Cognitive Skills and Social Capital. PloS one, v. 11, n. 2, p. e0149716, 2016.

BORIM, F. S. A.; BARROS, M. B. A.; NERI, A. L. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 4, p. 769–780, 2012.

BÓS, Â. J. G. Epi Info sem mistérios: um manual prático. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2012.

BÓS, Â. J. G.; KIMURA, A. Y. Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária em idosos com 80 anos ou mais em um Hospital Universitário do Rio Grande do Sul. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v. 59, n. 2, p. 106–111, 2015.

BRENOWITZ, W. D. et al. Longitudinal associations between self-rated health and performance-based physical function in a population-based cohort of older adults. PLoS ONE, v. 9, n. 11, p. e111761, 3 nov. 2014.

DEL DUCA, G. F.; SILVA, M. C.; HALLAL, P. C. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 5, p. 796–805, out. 2009.

FERREIRA, R. A. B.; BENICIO, M. H. D. Obesidade em mulheres brasileiras : associação com paridade e nível socioeconômico. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 37, n. 4/5, p. 337–342, 2015.

FREITAS, R. S. et al. Capacidade funcional e fatores associados em idosos: estudo populacional. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 6, p. 933–939, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa nacional de saúde: 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2015.

KOROUKIAN, S. M. et al. Combinations of Chronic Conditions, Functional Limitations, and Geriatric Syndromes that Predict Health Outcomes. Journal of General Internal Medicine, v. 31, n. 6, p. 630–637, 22 jun. 2016.

LOPES, G. L.; SANTOS, M. I. P. O. Funcionalidade de idosos cadastrados em uma unidade da Estratégia Saúde da Família segundo categorias da Classificação Internacional de Funcionalidade. Revista Brasileira de Geriatria & Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 71–83, 2015.

MACHADO, F. N.; MACHADO, A. N.; SOARES, S. M. Comparação entre a capacidade e desempenho: um estudo sobre a funcionalidade de idosos dependentes. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 6, p. 1321–1329, 2013.

MENEZES, A. V. et al. Função executiva de idosos institucionalizados e comunitários: relação com capacidades cognitivas e funcionais. Saúde e Pesquisa, Maringá (PR), p. 405-414, v. 9, n. 3, 2016.

MORAES, E. N. Avaliação multidimensional do idoso: a consulta do idoso e os instrumentos de rastreio. 3. ed. Belo Horizonte: Folium, 2010.

RAMOS, L. R. et al. Perguntas mínimas para rastrear dependência em atividades da vida diária em idosos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 47, n. 3, p. 506–513, 2013.

ROSA, T. E. C. et al. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 40–48, fev. 2003.

SANTOS, G. S.; CUNHA, I. C. K. O. Avaliação da capacidade funcional de idosos para o desempenho das atividades instrumentais da vida diária: um estudo na atenção básica à saúde. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, Divinópolis, v. 3, n. 3, p. 820–828, 2013.

SILVA, R. J. S. et al. Prevalência e fatores associados à percepção negativa da saúde em pessoas idosas no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 49–62, 2012.

TAVARES, D. M. S. et al. Características sociodemográficas e qualidade de vida de idosos com hipertensão arterial sistêmica que residem na zona rural: importância do papel do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 2, p. [08 telas], 2013.

VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 548–554, jun. 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. World report on ageing and health. Geneva: WHO, 2015. Disponível em: .




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n2p283-291

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.