PERFIL DAS MULHERES DIAGNOSTICADAS COM CÂNCER DE MAMA NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

Julia Wosch Brochonski, Sabrina de Almeida Rodrigues, Cristiana Aparecida Soares Manzotti, Marcelo Picinin Bernuci

Resumo


O câncer de mama é uma das neoplasias mais frequentes no mundo e um dos propósitos das instituições de saúde pública é aumentar os índices de diagnóstico precoce. Este estudo teve como objetivo verificar os fatores de risco, estadiamento dos tumores e analisar o tempo de investigação. Estudo descritivo realizado no centro de referência de câncer de mama de Maringá a partir da análise de prontuários de mulheres diagnosticadas com câncer de mama do tipo maligno em 2013 e 2014. Mais de 30% das pacientes diagnosticadas estavam fora da faixa etária de rastreamento e o diagnóstico foi tardio em quase 70%. Fatores de risco como obesidade, histórico familiar e uso de terapia de reposição hormonal estavam ausentes na maioria dos casos. O serviço mostrou-se eficaz na realização da biópsia e indicação do tratamento, porém muitos diagnósticos ainda são realizados em estágios avançados da doença sugerindo a necessidade de conscientização da população-alvo à realização dos exames preventivos.

Palavras-chave


Neoplasias da Mama; Saúde da mulher; Diagnóstico precoce

Texto completo:

PDF

Referências


BADAN, G. Complete internal audit of a mammography service in a reference institution for breast imaging. Radiol Bras, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 74-78, apr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

BRAY, F.; McCARRON, P.; PARKIN, D. The changing global patterns of female breast cancer incidence and mortality. Breast Cancer Res.v.6, n.6, p. 229-39. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Mais saúde: direito de todos 2008–2011. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 164p. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2016.

CAPLAN L.S et al. Reasons for delay in breast cancer diagnosis. Prev Med., v.25, n. 2, p. 218-224, mar./apr. 1996. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2016.

COLEMAN, M.P et al. Cancer survival in five continents: a wordwide population-based study (CONCORD). Lancet Oncol, v. 9, n. 8, p. 730-56, 2008.

FERREIRA, L.F.F.; FERNANDES, S.S.; PETEL, L.A. The natural history of breast cancer in the young patient: literature revision. Femina, v. 39, n. 11, nov. p. 527-531, 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

GOTO, R.; PIRES, S.; MEDEIROS, R. Identificação de parâmetros de qualidade de impressão para a garantia da detecção de estruturas presentes na mamografia digital. Radiol Bras, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 156-162, June 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Tipos de câncer. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Rastreamento organizado do câncer da mama. 2014. Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 14 mar. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE CONTROLE DO CÂNCER. Mastologia: câncer de mama. 2016 Disponível em :http://www.ibcc.org.br/duvidas-frequentes/especialidades-medicas/mastologia.asp. Acesso em: 14 mar. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

KOCH, H.; CASTRO, M.V.K. Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico. Radiol Bras, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 97-101, Apr. 2010. Disponível em:. Acesso em: 14 mar. 2014.

MELO, W.; SOUZA, L.; ZURITA, R.; CARVALHO, M. Fatores associados na mortalidade por câncer de mama no noroeste paranaense. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, v. 1, n. 1, p. 1809-1816, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2013-2015. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

OMS. Organização Mundial da Saúde. World Health Statistics 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

RONCHI, S. Prevalência de alterações mamárias em mulheres atendidas em um município do estado do Paraná. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 113-120, june 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

SILVA, P.A.; RIUL, S. Câncer de mama: fatores de risco e detecção precoce. Rev. Bras. Enferm, Brasília, v. 64, n. 6, p. 1016-1021, nov./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

SILVA. R. C. F.; HORTALE, V. A. Rastreamento do câncer de mama no Brasil: quem, como e por quê? Rev Bras Cancerol., n. 58, v. 1, p. 67-71, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

TIEZZI, D. G. Rastreamento do câncer de mama no Brasil: ainda há tempo para refletirmos. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 35, n. 9, p. 385-387, sept. 2013 . Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programmes. Prevention Geneva, 2007. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n1p51-59

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.