OS PROBLEMAS DO RIO SÃO FRANCISCO NA PERCEPÇÃO DE MORADORES DE PETROLINA E JUAZEIRO: A SAÚDE EM FOCO

Juliana Linhares Brant Reis, Bruno Otávio de Lacerda Abrahão, Diego Luz Moura

Resumo


O objetivo desta pesquisa é analisar a percepção de moradores de Petrolina/PE e Juazeiro/BA em relação aos problemas enfrentados pelo rio São Francisco. A fim de compreender o assunto, foi realizada uma pesquisa de campo, em que foram entrevistados 77 sujeitos que moram, trabalham ou frequentam aqueles espaços e utilizam o rio de diferentes formas. A partir da análise de conteúdo, foi possível perceber que, para os entrevistados, o rio se apresenta como o principal bem natural presente no Vale do São Francisco. No entanto, na percepção dos sujeitos da pesquisa, o rio enfrenta problemas como o descarte de lixo e esgoto, que prejudicam a saúde, a qualidade de vida e o trabalho da população. Portanto, faz-se necessária uma mudança de comportamento e uma gestão que se preocupe com as questões ambientais e sociais, a fim de minimizar os impactos causados por aquelas ações e, assim, caminhar em direção a um desenvolvimento social, ambiental e economicamente sustentável.

Palavras-chave


Resíduos; Saneamento Básico; Saúde Ambiental; Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES FILHO, J. Uma análise da viabilidade do projeto de transposição de águas do rio São Francisco. In: ALVES FILHO, J. (Org.). Toda a verdade sobre a transposição do Rio São Francisco. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008. p. 13-58.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Augusto Reto, Augusto Pinheiro. Almedina Brasil. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, R. T. de V. Elementos de resíduos sólidos. Belo Horizonte: Tessitura, 2012. p. 11-68.

BESEN, G. R. et. al. Coleta seletiva na região metropolitana de São Paulo: impactos da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 259-278, jul/set, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Ambiental para o setor saúde. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde,1999.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Eng Sanit Ambient, v. 17, n. 2, p. 171-180, abr./jun. 2012.

CANÇADO, C. J. et al. Gestão de resíduos sólidos de microcomputadores no município de Contagem/MG: uma análise dos atores envolvidos. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-18, jan./jun. 2012.

GERBASE, A. E; OLIVEIRA, C. R. Reciclagem do lixo de informática: uma oportunidade para a química. Quim. Nova, v. 35, n. 7, p. 1486-1492, 2012.

GERHARDT, T. E.; SIVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2009. 120 p.

GIARETTA, J. B. Z; TANIGUSHI, D. G; et al. Hábitos relacionados ao descarte pós-consumo de aparelhos e baterias de telefones celulares em uma comunidade acadêmica. Saúde Soc., São Paulo, v. 19, n. 3, p. 674-684, 2010.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503-1510, 2012.

HIROTA, M. Realidade espelhada. In: VOZES do Velho Chico. Caderno. São Paulo: Ed. 09, p. 28-29. 2016.

IBGE. Censo Demográfico de 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 25, n.71, p. 135-158, 2011.

MARCHI, C. M. D. F. Novas perspectivas na gestão do saneamento: apresentação de um modelo de destinação final de resíduos sólidos urbanos. Revista Brasileira de Gestão Urbana, p. 91-105, jan./abr. 2015.

PONTO CRÍTICO. Brasil registra 1.326 casos de microcefalia. Ponto Crítico. Maio, 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade e Natureza, Uberlândia, p. 111-124, jun. 2008.

OLIVEIRA, L. F. C. de et al. Sorção de elementos traços em solos de áreas de disposição final de resíduos sólidos urbanos. Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 9, n. 2, p. 288-301, 2014.

POMMER, W. M. A interdisciplinaridade e o ensino de engenharia: ensaio sobre um projeto articulados. Revista Educação, v. 7, n 1. p. 35-47, 2012.

SANTIAGO, L. S.; DIAS, S. M. F. Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos urbanos. Eng Sanit Ambiental, v. 17, n. 2, p. 203-212, abr/jun. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n3p473-484

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.