FAMÍLIAS NO CUIDADO À SAÚDE DE PESSOAS COM TRANSTORNO MENTAL: REFLEXOS DO MODELO DE ASSISTÊNCIA

Tatiana Brusamarello, Mariluci Alves Maftum, Camila Bonfim de Alcantara, Fernanda Carolina Capistrano, Ângela Gonçalves da Silva Pagliace

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer as necessidades de cuidado em saúde mental de familiares e pessoas com transtorno mental que participam de um projeto de extensão universitária. Trata-se de uma pesquisa-ação desenvolvida em Curitiba, Paraná, Brasil, com seis pessoas com transtorno mental e sete familiares. A coleta dos dados foi por meio de entrevista semiestruturada individual e seminários educativos. Os dados foram categorizados pela análise temática. Os resultados apontaram que a família e a pessoa com transtorno mental precisam receber orientações e suporte para que possam reorganizar e reordenar seus papéis diante desta realidade. Isso equivale à pessoa doente ser cuidada e respeitada pelos profissionais que trabalham na área da saúde, bem como a receber informações para o enfrentamento deste transtorno. Desta forma, considera-se necessária a criação de espaços de cuidado na comunidade para que estas pessoas possam ser acolhidas e orientadas.

Palavras-chave


Enfermagem; Saúde mental; Família; Cuidados de enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.

ASSUNÇÃO, C. F. D. et al. A Enfermagem e o relacionamento com os cuidadores dos portadores de esquizofrenia. Rev enferm cent-oeste min, Divinópolis, v.1, n.6, p.2034-2051, jan-apr 2016. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

BORBA, L. O. et al. Tratamento no modelo hospitalocêntrico: percepções de familiares e portadores de transtorno mental. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, v.23, n.1, p.88-94, jan-fev 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

BRISCHILIARI, A. et al. Concepção de familiares de pessoas com transtorno mental sobre os grupos de autoajuda. Rev. Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 29-35, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

CAMPANA, M. C.; SOARES, M. H. Familiares de pessoas com esquizofrenia: sentimentos e atitudes frente ao comportamento agressivo. Cogitare Enferm, Curitiba, v. 20, n. 2, p. 338-344, 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

FARIAS, C. A. et al. Sobrecarga em cuidadores de usuários de um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil no sul do Brasil. Ciênc saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 12, p. 4819-4827, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

FERNANDES, M. A. et al. Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco com sintomas psicóticos e o cuidar de enfermagem. Rev enferm UFPE on line, Recife, v. 10, n. 2, p. 669-674, 2016. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/7544/pdf_9651. Acesso em: 03 maio 2017.

GUIMARÃES, A. N. et al. Mudanças na atenção à saúde mental decorrentes de reforma psiquiátrica: percepções de profissionais de enfermagem. Cienc Cuid Saude, Maringá, v. 14, n. 1, p. 830-838, 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

HANSEN, N. F. et al. A sobrecarga de cuidadores de pacientes com esquizofrenia: uma revisão integrativa da literatura. Rev eletrônica enf, Goiania, v. 16, n. 1, p. 220-227, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

JÚNIOR, J. M. P. et al.Reforma psiquiátrica e transtornos mentais na estratégia saúde da família: opinião de familiares e profissionais. Cienc Cuid Saude, Maringá, v. 13, n. 2, p. 271-277, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2017.

KEBBE, L. M. et al. Cuidando do familiar com transtorno mental: desafios percebidos pelos cuidadores sobre as tarefas de cuidar. Saúde debate, Londrina, v.38, n.102, p.494-505, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.20140046. Acesso em: 03 maio 2017.

MELMAN, J. Família e doença mental. 2. ed. São Paulo: Escrituras; 2006.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

NASCIMENTO, K. C. et al. O desafio familiar no cuidado às pessoas acometidas por transtorno mental. Rev enferm. UFPE on line, Recife, v.10, n.3, p.940-948, 2016. Disponível em: <10.5205/reuol.8702-76273-4-SM.1003201601>. Acesso em: 02 mar. 2017.

SANTOS, Q. G. et al. Os serviços de saúde mental na reforma psiquiátrica brasileira sob a ótica familiar: uma revisão integrativa. Rev pesqui cuid fundam, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.3740-3757, 2016. Disponível em: <10.9789/2175-5361.2016.v8i1.3740-3757>. Acesso em: 25 mar. 2017.

SILVA, N. S. et al. Conhecimento dos coordenadores de centros de atenção psicossocial sobre política nacional de saúde mental. Cienc Cuid Saude, Maringá, v.14, n.2, p.1106-1114, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2017.

SINIAK, D. S.; PINHO, L. B. Caracterização do apoio de informação recebido por familiares de usuários de crack. Cienc Cuid Saude, Maringá, v.14, n.30, p.1339-1345, 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2017.

SUGUYAMA, P. et al. Desvelando a vivência da equipe multiprofissional no cuidar do paciente esquizofrênico. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v.9, n.1, p.65-71, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2017.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 15. ed. São Paulo: Cortez; 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2017v10n3p441-449

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.