ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UM HOSPITAL DA REDE PÚBLICA: PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS

Elaine Cristina Santos Garcia Moreno, Flavia Maria dos Santos, Déborah Danielle Tertuliano Marinho, José Marcos de Jesus Santos, Jéssica Oliveira da Cunha

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer a percepção dos usuários quanto ao acolhimento com classificação de risco em um hospital público. Trata-se de um estudo transversal e quantitativo, com abordagens descritiva e analítica, realizado por meio de entrevista com 80 usuários de um hospital público em Itabaiana, Sergipe. Os resultados mostraram que, dentre os participantes que já haviam passado por atendimento médico na unidade hospitalar (n= 72), somente 19,4% (n= 14) referiram conhecimento sobre o que seria a classificação de risco. O tempo de espera ≥ 1 hora foi referido por 16,3% (n= 13) dos participantes. A maioria foi atendida por técnicos de enfermagem (65%; n= 52) e apenas 3,8% (n= 3) disseram ter recebido informação sobre a classificação de risco recebida. Ainda assim, muitos usuários mostraram-se satisfeitos com este atendimento. Concluiu-se que os usuários desconhecem o significado da classificação de risco na priorização dos atendimentos à saúde.

Palavras-chave


Acolhimento; Hospitais; Cuidados de enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Normalização - Atenção Hospitalar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Gibaut MAM, Hori LMR, Freitas KS, Mussi FC. Comfort of the patient’s family in an Intensive Care Unit related to welcoming. Rev. esc. enferm. USP. 2013;47(5):1114-1121.

Nishio EA, Franco MTG. Modelo de Gestão em Enfermagem: qualidade assistencial e segurança do paciente. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

Brasil. Portaria no 2.048, de 5 de novembro de 2002. Institui o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Seção 1, p. 32-54, 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010.

Gusmão-Filho FAR, Carvalho EF, Júnior JLAC. Avaliação do grau de implantação do Programa de Qualificação da Atenção Hospitalar de Urgência (Qualisus). Cien Saude Colet. 2010;15(1):1227-1238.

Brasil. Portaria no 396, de 4 de março de 2011. Institui o Projeto de Formação e Melhoria da Qualidade de Rede de Saúde (Quali-SUS-Rede) e suas diretrizes operacionais gerais. Diário Oficial da União, 2011.

Pinto Júnior D, Salgado PO, Chianca TCM. Validade preditiva do Protocolo de Classificação de Risco de Manchester: avaliação da evolução dos pacientes admitidos em um pronto atendimento. Rev Lat Am Enfermagem. 2012;20(6):1-8.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 423/2012. Brasília, DF: COFEN; 2012.

Silva PL, Paiva L, Faria VB, Ohl RIB, Chavaglia SRR. Triage in an adult emergency service: patient satisfaction. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(3):427-432.

Silva MFN, Oliveira GN, Pergola-Marconato AM, Marconato RS, Bargas EB, Araujo IEM. Protocolo de avaliação e classificação de risco de pacientes em unidade de emergência. Rev Lat Am Enfermagem. 2014;22(2):218-225.

Bellucci Júnior JA, Vituri DW, Versa GLGS, Furuya PS, Vidor RC, Matsuda LM. Acolhimento com classificação de risco em serviço hospitalar de emergência: avaliação do processo de atendimento. Rev enferm UERJ. 2015;23(1):82-87.

Brasil. Ministério da Saúde. Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009.

Furtado BMASM, Araújo J, Cavalcanti JLP. O perfil da emergência do Hospital da Restauração: uma análise dos possíveis impactos após a municipalização dos serviços de saúde. Rev. bras. epidemiol. 2004;7(3):279-89.

Oliveira JLC, Gatti AP, Barreto MS, Bellucci Junior JA, Góes HLF, Matsuda LM. Acolhimento com classificação de risco: percepções de usuários de uma unidade de pronto atendimento. Texto Contexto Enferm. 2017;26(1):1–8.

Andrade LM, Martins EC, Caetano JA, Soares E, Beserra EP. Atendimento humanizado nos serviços de emergência hospitalar na percepção do acompanhante. Rev. Eletr. Enf. 2009;11(1):151-7.

Brunner e Suddarth. Tratado de Enfermagem médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2012. v. 2, p. 893–905.

Guedes MVC, Henriques ACPT, Lima MMN. Acolhimento em um serviço de emergência: percepção dos usuários. Rev Bras Enferm. 2013;66(1):31-37.

Duro CLM, Lima MADS. The nurse’s role in Emergency Triage Systems : literature analysis. Online braz j nurs. 2011;9(3):1-12.

Souza CC, Diniz AS, Silva LLT, Mata LRF, Chianca TCM. Nurses’ perception about risk classification in an emergency service. Invest Educ Enferm. 2013;32(1):78–86.

Bellucci Júnior JA, Matsuda LM. Implantação do sistema acolhimento com Classificação e avaliação de risco e uso do fluxograma analisador. Texto Contexto Enferm. 2012;21(1):217-25.

Lopes JB. Enfermeiro na classificação de risco em serviços de emergência: revisão integrativa. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

Teixeira E, Veloso R. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto Contexto Enferm. 2006;15(2):320–5.

Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco - um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

Paiva SMA, Gomes ELR. Assistência hospitalar: avaliação da satisfação dos usuários durante seu período de internação. Rev Lat Am Enfermagem. 2007;15(5):973-9.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2018v11n1p89-97

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1983-1870 Impressa
ISSN 2176-9206 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.