SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA (CE)

Francisco Jander de Sousa Nogueira, Cesário Rui Callou Filho, Caroline Antero Machado Mesquita, Ilana Farias Andrade de Moura, Edislane Silva Souza, Fabrícia Salvador Bezerra

Resumo


Objetivou-se investigar os fatores que interferem na satisfação e insatisfação dos profissionais da Estratégia Saúde da Família (ESF). Trata-se de uma pesquisa avaliativa, do tipo transversal com abordagem quantitativa, realizada em 12 Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS), da Secretaria Executiva Regional (SER) IV, no município de Fortaleza (CE). As informações foram investigadas no período de outubro de 2015 a fevereiro de 2016, por meio de um questionário estruturado. A análise dos dados foi calculada através do teste Qui-Quadrado e o Teste Exato de Fisher com 95% para intervalo de confiança e com significância de p = 0,05. Participaram do estudo 67 profissionais, sendo 49,2% (n = 33) casados, 35,8% (n = 24) possuem a faixa etária de 31 a 40 anos, e 10,4% (n = 7) estão satisfeitos com a remuneração salarial. Verificou-se que a remuneração e a fragilidade na organização dos processos de trabalho foram as variáveis com maior índice de insatisfação.

Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Satisfação no Emprego; Sistema Único de Saúde; Sistemas de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Sartoreto IS, Kurcgant P. Satisfação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Revista brasileira de ciências da Saúde. 2017; 21 (2): 181-188.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012.

Batista FLR, et al. Políticas Públicas de Saúde em Fortaleza: do movimento pela reforma sanitária à reforma administrativa. Revista do PPG em Políticas Públicas da UECE: O público e o privado, nº 6 - jul./dez., 2005.

Esmeraldo GROV. A Organização da Estratégia Saúde da Família em Fortaleza - CE: Do Processo de Implantação ao Contexto Atual. Dissertação - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, 2009.

Oliveira EM, Spiri WC. Programa Saúde da Família: a experiência de equipe multiprofissional. Rev Saude Publica. 2006; 40 (4): 727-33.

Lima L, Pires DEP, Forte ECN, Medeiros F. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2014; 18 (1): 17-24.

Brand CI, Antunes RM, Fontana, RT. Satisfações e Insatisfações no Trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Cogitare Enferm 2010 jan./mar.; 15 (1): 40-7.

Guedes SAG, Oliveira CCC, Albuquerque Jr RLC. Análise da Satisfação dos Profissionais de Saúde da Família com as Condições de Trabalho. Cienc Cuid Saude 2013 jan./mar.; 12 (1): 121-130.

Marqui ABT, Jahn AC, Resta DG, Colomé ICS, Zanon T. Caracterização das equipes da Saúde da Família e de seu processo de trabalho. Rev Esc Enferm USP 2010; 44 (4): 956-61.

Cotta RMM, Schott M, Azeredo CM, Franceschini SDCC, Priore SE, Dias G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol e Serviços Saúde. 2006; 15 (3): 7-18.

Prefeitura Municipal de Fortaleza. Secretaria Regional IV. Disponível em: Acesso em: 29 jan. 2017.

Pelisoli C, Fraga BM, Pereira, CO. Percepções de trabalhadores da saúde pública sobre a rede de atendimento. Mental - Barbacena-MG - jan./jun. 2011; 9 (16): 353-374.

Martinez MC, Paraguay AIBB. Satisfação e saúde no trabalho - aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. 2003; (6): 59-78.

Silva MCM, Gomes ARDS. Stress ocupacional em profissionais de saúde: um estudo com médicos e enfermeiros portugueses. Estud Psicol. 2009; 14 (3): 239-48.

Pereira RS, Santos DA, Borges W. A Mulher no Mercado de Trabalho. Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão. São Luís Maranhão, 2005.

Daniel C. O trabalho e a questão de gênero: a participação de mulheres na dinâmica do trabalho. O Social em Questão - 2011; 14 (25/26): 323-344.

Ronzani TM, Silva C de M. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de saúde, gestores e usuários. Ciência & Saude Colet. 2008;13 (1): 23-34.

Tambasco LP, Silva HS, Pinheiro KMK, Gutierrez BAO. A satisfação no trabalho da equipe multiprofissional que atua na Atenção Primária à Saúde. Saúde debate. 2017; 41 (spe2): 140-151.

Lino MM, Lanzoni GMM, Albuquerque GL, Schveitzer MC. Perfil socioeconômico, demográfico e de trabalho dos agentes comunitários de saúde. Cogitare Enfermagem. 2012; 17 (2): 57-64.

Dieleman M, Toonen J, Touré H, Martineau T. The match between motivation and performance management of health sector workers in Mali. Hum Resour Health. 2006; 4 (2): 1-7.

Neto FRGX, Costa MCF, Rocha J, Cunha ICKO. Auxiliares e técnicos de enfermagem na saúde da família: Perfil sociodemográfico e necessidade de qualificação. Trab Educ e Saúde. 2008; 6 (1): 1-14.

Nogueira RP. Avaliação de tendências e prioridades sobre recursos humanos de saúde/Roberto Nogueira (coord.) - Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002. (Rede Observatório de Recursos Humanos de Saúde).

Perez LG, Sheridan JD, Nicholls AY, Mues KE, Saleme OS, Resend CJ, et al. Professional and community satisfaction with the Brazilian Family health strategy. Rev Saúde Pública 2013; 47 (2): 403-413.

Bonenberger M, Aikins M, Akweongo P, Wyss K. The effects of health worker motivation and job satisfaction on turnover intention in Ghana: a cross-sectional study. Hum Resour Health [Internet]. 2014; 12 (1): 43.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001; 35 (1): 103-9.

Serapioni M, Silva MGS. Avaliação da qualidade do Programa Saúde da Família em municípios do Ceará. Uma abordagem multidimensional. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16 (11): 4315-4326.

Ministério da Saúde. Avaliação das UBS - PMAQ. Portal da Saúde. Disponível em: Departamento de Atenção Básica. Brasília. 2012.

Siqueira VTA, Kurcgant P. Satisfação no trabalho: indicador de qualidade no gerenciamento de recursos humanos em enfermagem. Rev Esc Enferm USP 2012; 46 (1): 151-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p151-158

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.