PREVALÊNCIA DA INFECÇÃO PELO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES DO SUDESTE DO ESTADO DO PARÁ

Sheyla Elisa Castro Negrão, Wirlene Cardoso Dias, Dayse Danielle de Oliveira Silva, Erica Feio Carneiro Nunes, Ana Júlia Cunha Brito, Biatriz Araújo Cardoso, George Alberto da Silva Dias

Resumo


Investigar a prevalência da infecção pelo Papilomavirus humano (HPV) em mulheres do município de Jacundá (PA) e fatores de risco para esta infecção. Estudo observacional, descritivo e analítico, do tipo transversal com coleta em prontuários de mulheres atendidas no Hospital Municipal e consultório particular de ginecologia, oriundos de Jacundá entre 2015 e 2016. Aplicou-se análise descritiva pelo programa Epi Info 3.5.1 e BioEstat 5.0. Dos 235 prontuários, 36,6% possuíam HPV e aquelas com 45 anos ou mais possuíam maior prevalência desta infecção (40,3%). Quanto à citologia, 28,9% possuíam alguma alteração. E somente as variáveis escolaridade, etilismo e citologia alterada possuíam associação significante, exclusivamente para as de 26 a 44 anos, sendo variáveis consideradas como fatores de risco para aquisição e manutenção viral. Assim, houve alta prevalência de HPV na região (45 anos ou mais) com fatores de risco relacionados à escolaridade, ao etilismo e às alterações na citologia cervical, na faixa etária de 26 a 44 anos.

Palavras-chave


Doenças sexualmente transmissíveis; Epidemiologia; Displasia do colo do útero

Texto completo:

PDF

Referências


Tulio S, Pereira LA, Neves F, Pinto A. Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura hibrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto grau. J BrasPatolMed Lab. 2007;43(1):31-5.

Campos AN. Aspectos clínicos e epidemiológicos da infecção genital pelo papilomavírus humano (HPV) em adolescentes da região metropolitana de Belém[dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2010. 83 p.

Instituto Nacional do Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2016: Incidência no câncer no Brasil. Rio de Janeiro; 2016.

Macedo FLS, Silva ER, Soares LRC, Rosal VMS, Carvalho NAL, Rocha MGL. Infecção pelo HPV na adolescente. Femina.2015;43(4):185-88.

Tamayo-Acevedo LS, Gil-Cano PA, Tamayo-Acevedo, LE. Lo que no se ve, no existe: percepciones sobre cáncer y papilomavirus humano enjóvenesuniversitarios, Medellín, Colombia, 2014. Aquichan. 2015;15(2):253-70.

Coser J, Fontoura S, Belmonte C, Vargas VRA. Relação entre fatores de risco e lesão precursora do câncer do colo do útero em mulheres com e sem ectopia cervical. RBAC. 2012;44(1):50-4.

Gaspar J, Quintana SM, Reis RK, Gil E. Fatores sociodemográficos e clínicos de mulheres com papilomavírus humano e sua associação com o vírus da imunodeficiência humana. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015;23(1):74-81.

Giraldo PC, Silva MJPMA, Fedrizzi EN, Gonçalves AKS, Amaral RLG, Eleutério Junior J, et al. Prevenção da infecção por HPV e lesões associadas com o uso de vacinas. DST - J BrasDoenças Sex Transm. 2008;20(2):132-40.

Zardo GP, Farah FP, Mendes FG, Franco CAGS, Molina GVM, Melo GN, et alVacina como agente de imunização contra o HPV. Ciência & Saúde Coletiva. 2014;19(9):3799-3808.

Brasil. Ministério da Saúde. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher - PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância de Câncer. Prevenção do câncer do colo do útero. Normas e recomendações do INCA. RevBrasCancerol. 2003;49:205.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativas 2010: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer; 2009.

Giuliano AR, Papenfuss M, Abrahamsen M, Denman C, Zapien JG, Henze JL, et al. Human papillomavirus infection at the United States-Mexico border: implications for cervical cancer prevention and control. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev.2001;10(11):1129-36.

Silva A, Gonçalves A, Katherine S, Giraldo PC, Pontes AC, Dantas GL, et al. A eficácia da vacina profilática contra o HPV nas lesões HPV induzidas. Femina. 2009;37(10):519-26.

Kornya L, Cseh I, Deak J, Bak M, Fulop V. The diagnostics and prevalence of genital Human papillomavirus (HPV) infection in Hungary. Eur J ObstetGynecolReprod Biol. 2002;100(2):231-36.

Saha R, Thapa M. Correlation of cervical cytology with cervical histology. Kathmandu Univ Med J. 2005;3(3):222-4.

Nuñez J, Delgado M, Pino G, Girón H, Bolet B. Smoking as a risk factor for preinvasive and invasive cervical lesions in female sex workers in Venezuela. Int J Gynecol Obstet. 2002;79(1):57-60.

Winer RL, Lee S-K, Hughes JP, Adam DE, Kiviat NB, Koutsky LA. Genital human papillomavirus infection: incidence and risk factors in a cohort of female university students. Am J Epidemiol. 2003;157(3):218–26.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Demográfico 2000. Brasília: IBGE; 2004.

Trottier H, Franco EL. The epidemiology of genital human papillomavirus infection. Vaccine. 2006;30:Suppl 1:S1-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2018v11n3p431-440

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.