AUTOMEDICAÇÃO DE PSICOTRÓPICOS EM ACADÊMICOS DA ÁREA DA SAÚDE: UMA REVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA ENTRE 2000 A 2017

Maristela Maximovitz de Oliveira, Leila do Nascimento Corage, Bruna de Paula Oliveira, Leila Gracieli da Silva

Resumo


A automedicação é um problema de saúde pública. Problematiza-se a incidência da automedicação entre universitários da área da saúde, uma vez que os estudantes deveriam estar cientes dos malefícios de tal prática, bem como da importância da avaliação profissional. No presente estudo, foi realizada uma revisão sistemática da literatura para identificar pesquisas que investigaram a temática “automedicação de psicotrópicos em estudantes da área da saúde” entre os anos de 2000-2017. Depois da ordenação, classificação e análise de 2.366 artigos selecionados inicialmente, 11 artigos foram selecionados das bases de dados: BVS, LILACS, Bireme e SciELO. O método quantitativo foi aplicado em 90.9% das pesquisas (questionários estruturados de autoaplicação) com amostragem superior a 282 participantes. É preocupante a incidência de automedicação psicotrópica entre universitários. A automedicação não soluciona o problema e adiciona risco de piora. Estudos aplicados, de cunho quantitativo, têm se mostrado eficientes na identificação da automedicação e se faz necessário realizar pesquisas sobre a temática na região Norte do país, dada a escassez de estudos e presença de graduações na área da saúde.

Palavras-chave


Automedicação; Saúde mental; Psicotrópicos

Texto completo:

PDF

Referências


Silva R, Oliveira T, Casimiro T, Vieira K, Tardivo M, Faria J, Restini C. Automedicação em acadêmicos do curso de medicina. Ribeirão Preto, 2012;45(1): 5-11.

Loyola Filho AI, Uchoa E, Guerra HL, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Rev Saúde Pública 2002;36(1):55-62.

Picolotto E, Libardoni L, Migott A, Geib L. Prevalência e fatores associados com o consumo de substâncias psicoativas por acadêmicos de enfermagem da Universidade de Passo Fundo. Ciênci. Saúde Coletiva, 15(3):645-54, 2010.

Wagnerg; Andrade, A. Uso de álcool, tabaco e outras drogas entre estudantes universitários brasileiros. RevPsiquiatr Clín. 2008; 35(1):48-54.

Marchi Kc, Bárbaro Am, Miasso Ai, Tirapelli CR. Ansiedade e consumo de ansiolíticos entre estudantes de enfermagem de uma universidade pública. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013;15(3):731-9.

Nasario M, Silva M. O consumo excessivo de medicamentos psicotrópicos na atualidade. Disponível em: .

Baggio M, Formaggio F. Automedicação: desvelando o descuidado de si dos profissionais de enfermagem. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 abr/jun; 17(2):224-8.

Cassimiro E. Frequência do uso de psicofármacos entre jovens estudantes que cursam pré-vestibular.Adolescência & Saúde, 2012; 9(4): 27-36.

Minayo, MCS. Pesquisa Social: teoria método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2010.

Cunha Mab, Neves Aaf, Moreira Me, Hehn Fj, Lopes TP, Ribeiro CCf, Watanabe Apf. Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de Medicina. Rev. bras. educ. med.,2009; 33(3): 321-28.

Botti N, Lima A, Simões W. Uso de substâncias psicoativas entre acadêmicos de enfermagem da Universidade Católica de Minas Gerais. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 2009.

Lucas A, Parente R, Picanço N, Conceição D, Costa K, Magalhães I, Siqueira J. Uso de psicotrópicos entre universitários da área da área da saúde da Universidade Federal do Amazonas, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2006; 22(3):663-71.

Aquino D, Barros J, Silva M. A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2010; 15(5):2533-38.

Moraes D, Medeiros G, Caldas A, Oliveira L, Baldaçara L. Prevalência do uso de drogas psicotrópicas por estudantes de medicina da Universidade Federal do Tocantins. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2013;58(3):127-33.

Silva R, Oliveira T, Casimiro T, Vieira K, Tardivo M, Faria J, Restini C. Automedicação em acadêmicos do curso de medicina. Ribeirão Preto, 2012;45(1): 5-11.

Nunes I, Silveira M, Val A. O Conhecimento na Amazônia: Análise sobre a Socialização da Ciência, Tecnologia e Inovação. Disponível em: .Acesso em 15 de março de 2018.

Dutra Jr, Souza Smf, Peixoto Mc. A influência dos padrões de beleza veiculados pela mídia, como fator decisório na automedicação com moderadores de apetite por mulheres no município de Miracema-RJ. Revista Transformar, 2015; (7): 194-213.

Prado Mamb, Francisco Pmsb, Bastos Tf, Barros Mba. Use of prescriptiondrugsand self-medicationamongmen. Rev. bras. epidemiol. [Internet]. 2016;19( 3 ): 594-608.

Istilli P, Miasso A, Padovan C, Crippa J, Tirapelli C. Antidepressivos: uso e conhecimento entre estudantes de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem mai-jun 2010; 18(3): 131-9.

Weigel, P. O papel da ciência no futuro da Amazônia: uma questão de estratégia. Parcerias Estratégicas, n. 12, p. 62-83. Brasília, set. 2001.

Nunes I, Silveira M, Val A. O Conhecimento na Amazônia: Análise sobre a Socialização da Ciência, Tecnologia e Inovação. Disponível em: . Acesso em 15 de março de 2018.

Trevisol Fs, Trevisol Dj, Jung Gs, Jacobowski B. Automedicação em universitários. RevBrasClin Med. São Paulo, 2011 nov-dez;9(6):414-7.

Morgan Hl, Petry Af, Licks Pak, Ballester AO, Teixeira KN, Dumith SC. Consumo de estimulantes cerebrais por estudantes de medicina de uma faculdade do extremo sul do Brasil: prevalência, motivação e efeitos percebidos. Revista Brasileira de Educação Médica, 2017; 41(1):102-9.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2018v11n3p623-630

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.