EFEITOS DE EXERCÍCIOS PARA ASSOALHO PÉLVICO EM MULHERES IDOSAS DE DIFERENTES NÍVEIS SOCIOECONÔMICOS

Juliana Schulze Burti, Sueli Marino, Juliana de Paula da Silva Cruz, Mary Jane Paris Spink

Resumo


Este estudo visa avaliar os efeitos de um programa de exercícios para o assoalho pélvico (AP) em mulheres idosas de diferentes níveis socioeconômicos. Trata-se de estudo experimental longitudinal não controlado. Foram avaliadas 57 mulheres divididas em dois grupos, baixo (B) e alto (A) nível socioeconômico, que participaram de cinco encontros semanais de exercícios em grupo e responderam a questionários estruturados antes e após os encontros. O grupo B tinha maior porcentagem de mulheres não-brancas (30,4% versus 5,9%; p = 0,023), com mais dor (52,9% versus 82,6%; p = 0,021), incontinência urinária (2,9% versus 30,4%; p = 0,005), e falta de libido que as do grupo A (46,9% versus 75%; p = 0,046). Ambos os grupos referiram melhora dos sintomas urinários, consciência corporal e do assoalho pélvico após os exercícios em grupo, sugerindo que essa possa ser uma boa estratégia de abordagem de promoção de saúde em idosas de diferentes níveis socioeconômicos.

Palavras-chave


Assoalho pélvico; Conscientização; Incontinência Urinária; Técnicas de Exercício e de Movimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Steele SR, Varma MG, Prichard D, Bharucha E, Vogler SA, Erdogan A et al. The evolution of evaluation and management of urinary or fecal incontinence and pelvic organ prolapse. Curr Probl Surg. 2015 Feb; 52(2): 17-75

McClurg D, Pollock A, Campbell P, Hazelton C, Elders A, Hagen S, Hill DC. Conservative interventions for urinary incontinence in women: an Overview of Cochrane systematic reviews. Cochrane Database of Systematic Reviews 2016, Issue 9.

Abrams P, Cardozo L, Khoury S, Wein A. Incontinence: 5th international consultation on incontinence. Paris: International Continence Society; 2013.

Faria CA, Menezes AMN, Rodrigues AO, Ferreira ALV, Bolsas CN. Incontinência urinária e noctúria: prevalência e impacto sobre qualidade de vida em idosas numa unidade básica de saúde. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(1):17-25.

Burti JS, Santos AM, Pereira RMR, Zambon JP, Marques AP. Prevalence and clinical characteristics of urinary incontinence in elderly individuals of a low income. Arch Gerontol Geriatr. 2012;54(2): 42-6

Langoni CS, Knorst MR, Lovatel GA, Leite VO, Resende TL. Incontinência urinária em idosas de Porto Alegre: sua prevalência e sua relação com a função muscular do assoalho pélvico. Fisioter Pesqui. 2014;21(1):74-80

Tamanini JT, Santos JL, Lebrão ML, Duarte YA, Laurenti R. Association between urinary incontinence in elderly patients and caregiver burden in the city of São Paulo/Brazil: health, wellbeing, and ageing study. Neurourol Urodyn. 2011;30(7): 1281-5

Silva L; Lopes, MHBM. Incontinência urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Rev. esc. enferm. USP. 2009 mar; 43 (1): 72-78.

Guarisi T, Pinto-Neto AM, Osis MJ, Pedro AO, Costa-Paiva LHS, Faúndes A. Procura de Serviço Médico por mulheres com incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2001; 23(7):439-443

Prado D S , Lima T I A , Mota VPLP. Conhecimento sobre incontinência urinária em dois grupos de mulheres de diferentes níveis socioeconômicos. Rev Bras Cien Med Saúde. 2013;2(2):12-17

Varmus H. Disease-specific estimates of direct and indirect costs of illness and NIH support. 1997; Washington:Bethesda

Subak LL, Brown JS, Kraus SR, et al. The “Costs” of Urinary Incontinence for Women. Obstetrics and gynecology. 2006;107(4):908-916.

National Institute for Healthcare and Excellence. The management of urinary incontinence in women. NICE clinical guideline. 2013 sep; (2): 74-110.

Dumoulin C, Hay-Smith EJC, Mac Habée-Séguin G. Pelvic floor muscle training versus no treatment, or inactive control treatments, for urinary incontinence in women. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2014; 14(5)

Alves F, Riccetto C, Adami DB, Marques J, Pereira LC, Palma P, et al. A pelvic floor muscle training program in postmenopausal women. A randomized controlled trial. Maturitas 2015;81(2):300–5.

Definição e Metodologia de Cálculo dos Indicadores e Índices de Desenvolvimento Humano e Condições de Vida. Rio de Janeiro: IPEA, 1999

IBGE/Censo 2000 e Fundação SEADE. Desigualdade em São Paulo: o IDH. Elaboração SDTS/PMSP, 2002

Sá K, Baptista AF, Matos MA, Lessa I. Prevalência de dor crônica e fatores associados na população de Salvador, Bahia. Rev Saúde Publica, 2009; 43(4): 622-630

Turner JA, Franklin G, Fulton-Kehoe D, Egan K, Wickizer TM, Lymp JF, et al. Prediction of chronic disability in work-related musculoskeletal disorders: a prospective, population-based study. BMC Musculoskelet Disord. 2004;5:14

Hirano K, Imagama S, Hasegawa Y, Ito Z, Muramoto A, Ishiguro N. Impact of low back pain, knee pain, and timed up-and-go test on quality of life in community-living people. J Orthop Sci. 2014;19(1):164-71

Pieretti S, Di Giannuario A, Di Gionavvavdrea R, Marzoli F, Piccaro G, Minosi P, et al. Gender differences in pain and its relief. Ann Ist Super Sanita. 2016 Apr-Jun; 52(2):184-9

Haylen BT, Maher CF, Barber MD, Camargo S, Dandolu V, Digesu A, et al. An interntional urogynecological association (IUGA)/ International continence society joint report on the terminology for female pelvic organ prolapse. International Urogynecology Journal. 2016; 27(2): 165-194

Almousa S, Van Loon AB. The prevalence of urinary incontinence in nulliparous adolescent and middle-aged women and the associated risk factors: A systematic review. Maturitas. 2018 January; 107, 78-83

Gigante D P et al. Obesidade da população adulta de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil e associação com nível sócio-econômico. Cad. Saúde Pública. 2006 set; 22(9):1873-1879

Bolina AF, Dias FA, Santos NMF, Tavares DMS. Incontinência Urinária autorreferida em idosos e seus fatores associados. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2013; 14(2):354-363

Costa RB, Sousa KKO, Vasconcelos RS, Câmara TMS, Vasconcelos TB, Bastos VPD. Sexualidade em idosas participantes de um grupo de convivência. Saúde e Pesquisa. 2015;

Santos DLR, Faustino AM. Saúde sexual e sexualidade de mulheres idosas: revisão de literatura. Rev Gestão & Saúde 2017; 1(3): 674-691

Menegon VSM. Menopausa: imaginário social e conversas do cotidiano. [dissertação de mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP; 1998.

Daolio, J. Educação Física Escolar: em busca da Pluralidade. Rev. paul. Educ. Fis. 1996; 2: 40-42

Recco, RAC e Lopes, SMB. Sobre Fisioterapia e seus recursos terapêuticos: o grupo como estratégia complementar à reabilitação. Trab.Educ.Saúde 2016 maio/ago; 14(2): 593-610




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p39-49

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.