PREVALÊNCIA DO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO E SEUS FATORES DE RISCO

Leylla Lays Alves e Silva, Ingred Pereira Cirino, Marcela de Sousa Santos, Edina Araújo Rodrigues Oliveira, Artemizia Francisca de Sousa, Luisa Helena de Oliveira Lima

Resumo


Investigar a prevalência do aleitamento materno exclusivo ao nascer e seus fatores de risco. A população foi composta por todas as crianças nascidas vivas e suas respectivas mães no período de janeiro a dezembro de 2015, no alojamento conjunto de um hospital público do Piauí, totalizando 546 nascidos vivos. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética com parecer 1.144.279. Das mães pesquisadas, 97,6% realizaram pré-natal, destas 67% receberam orientações sobre aleitamento materno. A prevalência de aleitamento materno exclusivo e aleitamento materno foi de 92,7 e 2,9%, respectivamente. Constatou-se que 20,7% das crianças faziam uso de chupeta e 4,4% de mamadeira. Faz-se necessário realizar intervenções de prevenção dos fatores de risco e desmame precoce por meio de atividades educativas que orientem mães e familiares envolvidos na amamentação.

Palavras-chave


Aleitamento materno; Promoção da saúde; Saúde da criança

Texto completo:

PDF

Referências


Moura LP, Oliveira JM, Noronha DD, Torres JDRV, Oliveira KCF, Teles MAB. Percepção de mães cadastradas em uma estratégia saúde da família sobre aleitamento materno exclusivo. Rev enferm UFPE online. 2017;11(3):1403-9.

Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, Martines JC, et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices?. The Lancet. 2016;387(10017):491-504.

Barbosa LN, Santos NC, Morais MAM, Rizzardi SD, Corrêa EC. Prevalência de práticas educativas acerca do aleitamento materno exclusivo (AME) em Cuiabá - MT. Esc Anna Nery. 2015;19(11):147-53.

Rufino VSP. Investigação das causas do desmame precoce em mães picoenses. 2014 [Monografia]. Picos: Universidade Federal do Piauí; 2014. 47 p.

Tenório MCS, Dutra TA, Lima AA, Monteiro JRS, Oliveira ACM. Prevalência e fatores associados ao início tardio do aleitamento materno em recém-nascidos prematuros nascidos em maternidade de referência de alto risco de Maceió, Alagoas. Gep News. 2018;2(2):63-9.

Ministério da Saúde (BR). II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

UNICEF. State of the World’s Children. Nova York: UNICEF; 2013.

Paim JSL, Boiani MB, Freitas TS. Fatores associados a pratica e a duração do aleitamento materno no Brasil contemporâneo. Investigação. 2018;7(3):66-74.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcelos AGG. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev Saúde Pública. 2011;45(1):69-78.

Caminha MFC, Batista Filho M, Serva VB, Arruda IKG, Figueiroa JN, Lira PIC. Tendências temporais e fatores associados à duração do aleitamento materno em Pernambuco. Rev Saúde Pública. 2010;44(2):240-8.

Souza AG. Enfermagem Neonatal: Cuidado integral ao recém-nascido. São Paulo: Martinari; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia e/ou alterações do sistema nervoso central (SNC). 2. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/12. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Carvalho JLS, Cirino IP, Lima LHO, Sousa AF, Carvalho MF, Oliveira EAR. Conhecimento das mães sobre aleitamento materno exclusivo e alimentação complementar. Saúde em Redes. 2016;2(4):383-92.

Macedo MDS, Torquato IMB, Trigueiro JVS, Albuquerque AM, Pinto MB, Nogueira MF. Aleitamento materno: identificando a prática, benefícios e os fatores de risco para o desmame precoce. Rev enferm UFPE online. 2015;9(1):414-23.

Victoria CG, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. The Lancet. 2016; 387(10017):475-90.

Gonçalves LS. Conhecimento de mães adolescentes assistidas na atenção primária sobre o desmame precoce [Monografia]. Picos: Universidade Federal do Piauí; 2013. 50 p.

Paula Júnior JD, Lucas ES, Cunha LMC, Machado MGM, Pedrosa RL. Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil (2008-2010). Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18(3):24-31.

Sampaio ARR, Bousquat A, Barros C. Contato pele a pele ao nascer: um desafio para a promoção do aleitamento materno em maternidade pública no Nordeste brasileiro com o título de Hospital Amigo da Criança. Epidemiol Serv Saude. 2016:25(2):281-90.

Oliveira DS, Boccolini CS, Faersteina E, Verly-jr E. Duração do aleitamento materno e fatores associados entre 1960 e 2000. J Pediatr. 2017;93(2):130-35.

Figueredo SF, Mattar MJG, Abrão ACFV. Hospital Amigo da Criança: prevalência de aleitamento materno exclusivo aos seis meses e fatores intervenientes. RevEscEnferm. 2013;47(6):1291-97.

Borges NR, Sousa DKS, Pereira RJ, Castro JGD. Caracterização e prevalência do aleitamento materno em uma população atendida na rede pública de saúde de Palmas/TO, Brasil. Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18(4):30-6.

Araújo JP, Almeida JLS, Souto CMRM, Oliveira AEA, Sudério MARP. Desmame precoce e suas causas: experiência na atenção básica de Campina Grande-PB. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2013;11(2):146-55.

Barbosa JAG, Santos FPC, Silva PMC. Fatores associados a baixa adesão ao aleitamento materno exclusivo e ao desmame precoce. Rev Tecer. 2013;6(11):154-65.

Batista CLC, Ribeiro VS, Nascimento MDS. Influência do uso de chupetas e mamadeiras na prática do aleitamento materno. J Health BiolSci. 2017;5(2):184-91.

Ducci AL, Vannuchi MTO, Tacla MTGM, Souza SNDH, Reis TB. Prevalência e fatores associados ao aleitamento materno exclusive em menores de seis meses no município de Rolândia- PR. Reme. 2013;17(2):145-53.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2018v11n3p527-534

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.