PERCEPÇÕES DE RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A INTERDISCIPLINARIDADE

Ana Paula de Sousa Silva Baquião, Simone Meira Carvalho, Rodrigo Sanches Peres, Claudia Helena Cerqueira Mármora, Wanderson Maurício Duarte Silva, Fabiane Rossi dos Santos Grincenkov

Resumo


O estudo objetiva compreender as percepções de residentes multiprofissionais acerca: (1) das diferentes formas de atuação em equipe no campo da saúde; (2) da interdisciplinaridade nos Programas de Residência Multiprofissional em Saúde (PRMSs) aos quais se encontram vinculados; e (3) dos fatores que favoreceriam e dificultariam a sua efetivação. Trata-se de um estudo qualitativo, com 29 residentes multiprofissionais de duas universidades federais. Os resultados demonstram que há, entre os participantes, dificuldades significativas na distinção entre as diferentes modalidades de trabalho em equipe. Além disso, observou-se que, para a maioria dos participantes, os PRMSs aos quais se encontram vinculados propiciavam a interdisciplinaridade apenas parcialmente, sendo a iniciativa pessoal dos residentes um dos fatores favorecedores, e problemas no diálogo com os profissionais de Medicina um dos fatores dificultadores. O presente estudo, assim, colabora com o debate científico acerca de uma temática essencial para a consolidação e fortalecimento do Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave


Educação de Pós-Graduação; Equipe de Assistência ao Paciente; Práticas Interdisciplinares; Profissionais de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Shikasho L. Os programas de residência e a integralidade da atenção: um estudo sobre a micropolítica do trabalho e da formação em saúde. [Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva]. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 198/2004, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a política nacional de educação permanente em saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília: MS. 2004. Recuperado em 20 de setembro, 2017, de www.saude.gov.br/sgtes.

Ferraz, L, Vendruscolo, C, & Marmett, S. Educação Permanente na Enfermagem: uma revisão integrativa. Revista Baiana de Enfermagem. 2014; 28 (2): 196-207.

Peduzzi M, Norman IJ, Germani ACCG, da Silva, JAM, de Souza GC. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2013; 47 (4): 977-983.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: MS. 2006; Série B.

Brasil. Ministério da Educação (MS). Resolução da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde nº 2, de 13 de abril de 2012. Dispõe sobre Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília: MS. 2012. Recuperado em 24 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1 5448-resol-cnrms-n2-13abril-2012&Itemid=30192

Borges MJL, Gurgel IGD, Sampaio AS. Trabalho em equipe e interdisciplinaridade: desafios para a efetivação da integralidade na assistência ambulatorial às pessoas vivendo com HIV/Aids em Pernambuco. Ciência Saúde Coletiva. 2010; 17 (1): 147-156.

Guedes LE, Ferreira Junior M. Relações disciplinares em um centro de ensino e pesquisa em práticas de promoção da saúde e prevenção de doenças. Saúde e Sociedade. 2010; 19 (2): 260-272.

Scherer MDA, Pires D. Interdisciplinaridade: Processo de conhecimento e ação. Tempus Actas de Saúde Coletiva. 2011; 5 (1), 69-84.

Scherer MDA, Jean R, Pires D. A construção da interdisciplinaridade no trabalho da Equipe de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18 (11): 3203-12.

Silva JLC. Das concepções disciplinares na Ciência da Informação e/ou de suas configurações epistemológicas: o desiderato percepcionado da interdisciplinaridade. Investigación bibliotecológica. 2013; 27 (59): 67-92.

Nancarrow SA, Booth A, Ariss S, Smith T, Enderby P, Roots A. Ten principles of good interdisciplinary team work. Human resources for Health. 2013; 11 (1): 19.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 70ª edição. São Paulo: Livraria Martins Fontes. 2011.

Franco, GP, Barros, ALBLD, Nogueira-Martins, LA, & Zeitoun, SS. Burnout in nursing residents. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2011; 45 (1): 12-18.

Goulart, CT, da Silva, RM, Bolzan, MEDO, & Guido, LDA. Perfil sociodemográfico e acadêmico dos residentes multiprofissionais de uma universidade pública. Northeast Network Nursing Journal. 2012; 13 (1).

Brasil. Lei n° 11.129, 30 de junho de 2005. Institui o programa Nacional de inclusão de jovens - Projovem; cria o Conselho Nacional da Juventude - CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude; altera as leis nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. 2005.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde nº 2, de 13 de abril de 2012. Dispõe sobre Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília: ME. 2012.

Japiassu H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Imago Editora. 1976.

Almeida Filho ND. Transdisciplinaridade e Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. 1997; 2 (1-2): 5-20.

Alvarenga JDPO, Meira AB, de Fontes WD, Xavier MMFB, Trajano FMP, Neto GC, de Almeida FVH. Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade na formação em saúde: vivências de graduandos no estágio regional interprofissional. Revista de enfermagem UFPE [online]. 2013; 7 (10): 5944-51.

Iribarry IN. Aproximações sobre a transdisciplinaridade: algumas linhas históricas, fundamentos e princípios aplicados ao trabalho de equipe. Psicologia: reflexão e crítica. 2003; 16 (3): 483-490.

Araújo TAMD, Vasconcelos ACCPD, Pessoa TRRF, Forte FDS. Multiprofissionalidade e interprofissionalidade em uma residência hospitalar: o olhar de residentes e preceptores. Interface (Botucatu). 2017; 21 (62): 601-13.

Luz MT. Complexidade do campo da Saúde Coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade de saberes e práticas-análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde e Sociedade. 2009; 18 (2): 304-11.

Saupe R, Agea Cutulo LR, Pereira Wendhausen AL, Vélez Benito GA. Competência dos profissionais da saúde para o trabalho interdisciplinar. Interface - Comunicação Saúde Educação. 2005; 9 (18): 521-36.

Souza DRPD, Souza MBBD. Interdisciplinaridade: identificando concepções e limites para a sua prática em um serviço de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2009; 11 (1): 117-23.

de Silva IB, Tavares OAO. Uma pedagogia multidisciplinar, interdisciplinar ou transdisciplinar para o ensino/aprendizagem da física. HOLOS. 2005; 1: 4-12.

Costa RP. Interdisciplinaridade e equipes de saúde: concepções. Mental. 2007; 5 (8): 107-24.

Bispo EPF, Tavares CHF, Tomaz JMT. Interdisciplinaridade no ensino em saúde: o olhar do preceptor na Saúde da Família. Interface (Botucatu). 2014; 18 (49): 337-50.

Anjos Filho NC, de Souza AMP. A percepção sobre o trabalho em equipe multiprofissional dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2017; 21 (60): 63-76.

Gelbcke FLL, Matos EM, Sallum NC. Desafios para a integração multiprofissional e interdisciplinar. Tempus Actas de Saúde Coletiva. 2012; 6 (4): 31-39.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p187-196

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.