ASSOCIAÇÃO ENTRE MAUS-TRATOS NA INFÂNCIA E DECLÍNIO COGNITIVO NO IDOSO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Francisco Pascoal Jr, Guilherme Marcos Nogueira, Bruno Luiz Guidolin, Alfredo Cataldo Neto

Resumo


A violência contra a criança representa um importante problema de saúde pública, assim como o declínio cognitivo. A ligação entre essas variáveis vem sendo analisada cada vez mais, porque o estresse experimentado nos primeiros anos de vida pode estar relacionado a mudanças estruturais, funcionais e epigenéticas nas regiões cerebrais envolvidas na cognição. O objetivo deste estudo foi analisar essa associação, por meio de uma revisão integrativa da literatura, pelo meio da pesquisa bibliográfica das seguintes bases de dados: SciELO, LILACS, PUBMED e PsycINFO. O período de seleção dos artigos compreendeu os últimos cinco anos. No total, foram 33 artigos, dos quais dez eram artigos originais que focaram na relação entre maus-tratos na infância e declínio cognitivo em idosos. A presença de maus-tratos na infância possui associação com o declínio da função cognitiva no idoso, agravando-o sobremaneira e inclusive podendo colocar os indivíduos em risco de declínio cognitivo acentuado. Uma das limitações deste estudo foi a percepção de que a temática ainda carece de mais e melhores estudos que abordem esta relação na prática, por meio de estudos longitudinais.

Palavras-chave


Declínio cognitivo; Idosos; Maus-tratos na infância

Texto completo:

PDF

Referências


Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro Ciência & Saúde Coletiva, 21(3):871-880, 2016.

Dias A, Mooren T, Kleber RJ. Public health actions to mitigate long-term consequences of child maltreatment. J Public Health Policy; 39(3): 294-303, 2018.

Moody G, Cannings-John R, Hood K, Kemp A, Robling M. Establishing the international prevalence of self-reported child maltreatment: a systematic review by maltreatment type and gender. BMC Public Health; 18(1): 1164, 2018.

Souza GW, Macedo S. Grupo interventivo com genitores (as) de crianças vítimas de violência sexual. Rev. abordagem gestalt., 24(3):265-274, 2018.

Radanovic M, Stella F, Forlenza O. Comprometimento cognitivo leve. Revista De Medicina, 94(3), 162-168, 2015.

Bianco MB, Canto-de-Souza ALM. Ansiedade, memória e o transtorno de estresse pós-traumático. Revista CES Psicologia, 11(2), 53-65, 2018.

Castro, VC, Rissardo LK, Carreira L. Violência contra os idosos brasileiros: uma análise das internações hospitalares. Rev. Bras. Enferm., 71(2): 777-785, 2018.

Machado JC, Ribeiro RCL, Cotta RM, Leal PFG. Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais. Revi Bras. Geriatr. Gerontol., 14(1):109-121, 2011.

Rosa TSM, dos Santos Filha VAV, de Moraes AB. Prevalence and factors associated with cognitive impairments in the elderly of charity asylums: a descriptive study. Ciência & saúde coletiva. 23 (11), 2018.

Scarparo MO. Comportamento social e volume de substância branca cerebral em adolescentes vítimas de maus tratos. São Paulo: University of São Paulo, Faculdade de Medicina; 2016.

Waikamp V, Serralta FB. Repercussões do trauma na infância na psicopatologia da vida adulta. Ciencias Psicológicas, 12(1), 137-144, 2018.

Feeney J, Kamiya Y, Robertson IH, Kenny RA. Cognitive function is preserved in older adults with a reported history of childhood sexual abuse. J Trauma Stress; 26(6): 735-43, 2013.

Tofoli SMC. Depressão, Estresse Precoce, Eixo Hipotálamo-Pituitária-Adrenal e a Resposta Terapêutica: avaliações psicométricas e psiconeuroendócrinas. Dissertação (Mestrado). Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, 180f, 2012.

Baes CVW. Estresse precoce e alterações do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) na depressão. Dissertação (Mestrado). Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, 163 f., 2012.

Ogle CM, Rubin DC, Siegler IC. The impact of the developmental timing of trauma exposure on PTSD symptoms and psychosocial functioning among older adults. Developmental Psychology, 49(11):2191-2200, 2013.

Wiellard I, Schaakxs R, Comijs HC, Stek ML, Rhebergen D. The influence of childhood abuse on cortisol levels and the cortisol awakening response in depressed and nondepressed older adults. The World Journal of Biological Psychiatry : the Official Journal of the World Federation of Societies of Biological Psychiatry, 25:1-10, 2017.

Chaney A, Carballedo A, Amico F, Fagan A, Skokauskas N, Meaney J, Frodl T. Effect of childhood maltreatment on brain structure in adult patients with major depressive disorder and healthy participants. J Psychiatry Neurosci. ;39(1):50-9, 2014.

Comijsa HC, Exel E, Van der Mast RC, Paauw MA, Voshaar O, Stek ML. Childhood abuse in late-life depression. Journal of Affective Disorders, 147(1-3):241-246, 2013.

Lien C, Rosen T, Bloemen EM, Abrams RC, Pavlou M, Lachs MS. Narratives of Self-Neglect: Patterns of Traumatic Personal Experiences and Maladaptive Behaviors in Cognitively Intact Older Adults. J Am Geriatr Soc; 64(11): e195-e200, 2016.

Faustino AM, Moura LBA, Gandolfi L. Relação entre violência e função cognitiva em idosos. Rev. enferm. UFPE on line; 10(5): 1717-1723, maio 2016.

ML Levandowski. Maus-tratos na infância, estresse e envelhecimento celular. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Psicologia, PUCRS. 2018.

Petkus AJ, Lenze EJ, Butters MA, Twamley EW, Wetherell JL. Childhood Trauma Is Associated With Poorer Cognitive Performance in Older Adults. The Journal of Clinical Psychiatry, 79(1), 2018.

Ribeiro, MS, Borges, MS, de Araújo TCCF, Souza MCS. Estratégias de enfrentamento de idosos frente ao envelhecimento e à morte: revisão integrativa. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro; 20(6), 2017.

Marques RC. Repercussões na saúde de experiências traumáticas na infância. Tese (Doutorado) Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. 2017.

Irigaray TQ, Pacheco JB, Grassi-Oliveira R, Fonseca RP, Leite JCC, Kristensen CH. Child maltreatment and later cognitive functioning: a systematic review. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 376-387, 2013.

Cunha FCM, Cintra MTG, Dornelas JM, Assis MG, Cassiano JG, Nicolato R, Malloy-Diniz LF, Moraes EN, Bicalho MAC. Declínio funcional em idosos com comprometimento cognitivo leve. Revista Med Minas Gerais; 25(3), 2015.

TRP de Brito, SCI Pavarini. Relação entre apoio social e capacidade funcional de idosos com alterações cognitivas. Revista Latino-Americana de Enfermagem; 20(4), 2012.

Nascimento RAS, Batista RTS, Rocha SV, Vasconcelos LRC. Prevalência e fatores associados ao declínio cognitivo em idosos com baixa condição econômica: estudo MONIDI. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2015.

Alves AF, Lemos GC, Brito L, Martins AA, Almeida LS. Desempenho Cognitivo na Infância: A Mãe e o Meio Urbano fazem a Diferença. Psicologia: Teoria e Pesquisa; 32 (3), 2016.

Ramos ICS. Interação entre o estado nutricional em crianças a partir da segunda infância e alterações de memória. Trabalho de Conclusão de Curso, Núcleo de Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco. Vitória de Santo Antão, 2017.

Beck JG, Reich CM, Woodward MJ, Olsen AS, Jones JM, Patton SC. How do negative emotions relate to dysfunctional posttrauma cognitions? An examination of interpersonal trauma survivors. Psychol Trauma; 7(1): 3-10, 2015.

Grilo PM, Lombardi Filho I. Maus-tratos a idosos: perfil das vítimas, vinculo com o agressor e atuação dos profissionais. Estudos interdisciplinares do envelhecimento, Porto Alegre, 20(2):611-624, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n3p619-628

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.