CÂNCER DE MAMA E IMAGEM CORPORAL: IMPACTO DOS TRATAMENTOS NO OLHAR DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

Tamara Rodrigues de Oliveira, Camila Soares Lima Corrêa, Vinícius Faria Weiss, Ana Paula de Sousa Silva Baquião, Laís Lage de Carvalho, Fabiane Rossi dos Santos Grincenkov, Simone Meira Carvalho

Resumo


Esta pesquisa avaliou a percepção da imagem corporal de mulheres mastectomizadas, com ou sem reconstrução mamária, investigando como o adoecimento e os tratamentos impactaram suas vidas. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, com abordagem qualitativa. Participaram dez mulheres com diagnóstico de câncer mamário, mastectomizadas, com ou sem reconstrução mamária, atendidas no HU/UFJF, de janeiro a novembro de 2015, por meio de uma entrevista semiestruturada. Para análise qualitativa, aplicou-se a Análise de Conteúdo de Bardin, de onde emergiram as categorias: “Diagnóstico e Enfrentamento”, “Rede de Apoio”, “Tratamentos e seus Anseios”, “Imagem Corporal”, e “Papel na Sociedade”. Concluiu-se que o cuidado com a saúde das mulheres acometidas pela doença demanda assistência multiprofissional, que auxilie no processo de enfrentamento do câncer e na reabilitação para além das limitações físicas, com o intuito de reconexão do corpo físico, psíquico e espiritual, visando facilitar a adaptação ao “novo corpo” e permitir incremento na autoestima, a reinserção social e melhoria da qualidade de vida.

Palavras-chave


Imagem corporal; Neoplasias da mama; Mastectomia; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. A situação do câncer de mama no Brasil: síntese de dados dos sistemas de informação. Rio de Janeiro (RJ): Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva; 2019.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância; 2017.

Brochonski JW, Rodrigues S de A, Manzotti CAS, Bernuci MP. Perfil das mulheres diagnosticadas com câncer de mama no município de Maringá-PR. Saúde e Pesquisa. 2017;10(1):51-58.

Sá GS, Pinheiro-Carozzo, NP. Imagem corporal e habilidades sociais em pacientes com câncer de mama. Rev Psicol IMED. 2018;10(1):37-55.

Inocenti A, Santos MA dos, Loyola EAC de, Magalhães PAP de, Panobianco MS. Repercussão dos efeitos da cirurgia reconstrutora na vida de mulheres com neoplasias da mama. Texto & Contexto Enferm. 2016;25(2):1-9.

Oliveira FBM, Santana e Silva F, Prazeres ASB dos. Impacto do câncer de mama e da mastectomia na sexualidade feminina. Rev Enferm UFPE on line. 2017;11(supl.6)2533-40.

Gokal K, Wallis D, Ahmed S, Boiangiu I, Kancherla K, Munir F. Effects of a self-managed home-based walking intervention on psychosocial health outcomes for breast cancer patients receiving chemotherapy: a randomised controlled trial. Support Care Cancer. 2016;24(3):1139-66.

Silva MB da, Pessoa Júnior JM, Miranda FAN de. Trajetória de vida de mulheres mastectomizadas à luz do discurso do sujeito coletivo. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2016;8(23):4365-4375.

Almeida TR, Filgueiras MST. O que Narciso acha feio: corpo ideal e a imagem corporal no câncer de mama. In: Filgueiras MST, Faria HMC, Almeida TR, organizadoras. Câncer de mama: interlocuções e práticas interdisciplinares. Curitiba: Appris; 2018. p. 119-138.

Dias LV, Muniz R, Viegas ADC, Cardoso DH, Amaral DEDD, Pinto BK. Mulher mastectomizada por câncer de mama: vivência das atividades cotidianas. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2017;9(4):1074-1080.

Adorna E da L, Morari-Cassol EG, Ferraz NMS. A mastectomia e suas repercussões na vida afetiva, familiar e social da mulher. Saúde (Santa Maria). 2017;43(1):163-168.

Costa ID, Santos DHO, Silva V de M, Chaves CMCM, Silva FC, Pernambuco AP. Utilização de um Core Set da CIF para a descrição da atividade e participação de mulheres submetidas ao tratamento cirúrgico para o câncer de mama. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas. 2018;2(1):4-14.

Ibrahim MMT, Smirnow N, Sateren W, Fournier B, Kavan P, Palumbo M, et al. Time course of upper limb function and return-to-work post-radiotherapy in young adults with breast cancer: a pilot randomized control trial on effects of targeted exercises program. Journal Cancer Surviv. 2017;11(6):791-799.

Recchia TL, Prim AC, Luz CM da. Upper limb functionality in quality of life in women whith five-year survival after breast cancer surgery. Rev Bras Ginecol Obstet. 2017;39(3):115-122.

Koch MO, Zamian R, Victor GLG, Segura DCA. Depressão em pacientes com câncer de mama em tratamento hospitalar. Rev Saúde e Pesquisa. 2017;10(1):111-117.

Farias LMA, Aguiar VCF, Carvalho AMF de, Linhares JM, Linhares AEMS, Sousa MM de. Grupo de mulheres mastectomizadas: construindo estratégias de cuidado. SANARE. 2015;14(2):91-97.

Martins ARB, Ouro TA do, Neri M. Compartilhando vivências: contribuição de um grupo de apoio para mulheres com câncer de mama. Rev Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar. Rio de Janeiro. 2015;18(1):131-151.

Ferreira RMB, Lemos MF. A mulher e o câncer: um olhar sobre o corpo adoecido. Perspectivas em Psicologia. Uberlândia (MG). 2016;20(1):178-201.

Carvalho SM, Tolomelli FA, Gusmão AL, Grincenkov FRS. Corpo, funcionalidade, espiritualidade e câncer de mama. In: Filgueiras MST, Faria HMC, Almeida TR, organizadoras. Câncer de mama: interlocuções e práticas interdisciplinares. Curitiba: Appris; 2018. p. 137-155.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: HUCITEC; 2014.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 70. ed. São Paulo: Martins Fontes; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras para pesquisas com seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun. 2013. Seção 1, p.59.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n3p451-462

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.