MORBIDADE HOSPITALAR, ASSOCIADA AO APARELHO CIRCULATÓRIO EM SANTO ANTÔNIO DE JESUS - BAHIA

Carlos Alberto Soares da Costa

Resumo


O objetivo do estudo foi comparar o número de óbitos, associados às doenças do aparelho circulatório, no município de Santo Antônio de Jesus (SAJ) em relação à capital do Estado da Bahia, Salvador (SSA). Estudo retrospectivo baseado nos dados do Censo (2005 – 2014). Resultados: SAJ: apresentou 90.985 residentes, sendo 42.965 (48%) do sexo masculino e 48.020 (52%) do sexo feminino. 87,15% das pessoas residem na zona urbana e maior parte destas está na faixa etária de 30-39 e 40-49 anos; 97,71% das pessoas trabalham no município. SAJ (vs. SSA) apresentou menor número de óbitos (p<0,05), no entanto, com maior percentual de morbidade hospitalar (p<0,05). Os percentuais de morbidade hospitalar associada às doenças do aparelho circulatório foram maiores entre os homens (p<0,05) e menores entre as mulheres (p<0,05). Estudos epidemiológicos e o desenvolvimento de estratégias de abordagem dos problemas cardiológicos, como objeto da saúde pública, são necessários no município de Santo Antônio de Jesus.

Palavras-chave


Cardiologia; Epidemiologia; Hospital; Morbidade; Óbito.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Cardiovascular diseases (CVDs). Disponível em http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317/en/.Acesso: 29/10/2017.

Brasil, Ministério da Saúde. Indicadores de Saúde. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def.Acesso: 29/10/2017.

Brasil, Ministério da Saúde. VIGITEL Brasil 2016. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/17/Vigitel.pdf. Acesso: 28/10/2017.

Corassa RB, Falci DM, Gontijo CF, Machado GVC, Alves PAB. Evolução da mortalidade por causas externas em Diamantina (MG), 2001 a 2012. Cad. Saúde Colet. 2017; 25 (3): 302-14.

Bispo IMJ, Santos PHS, Carneiro MAO, Santana TDB, Fernandes MH, Casotti CA, et al. Fatores de risco cardiovascular e características sociodemográficas em idosos cadastrados em uma unidade de saúde da família. Mundo Saúde, SP. 2016; 40 (3): 334-42.

Brasil, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/santo-antonio-de-jesus/panorama.Acesso: 28/10/2017.

Demétrio F, Teles-Santos CAS, Santos DB. Food insecurity, prenatal care and other anemia determinants in pregnant women from the NISAMI cohort, Brazil: hierarchical model concept. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2017; 39: 384-96.

Moreira Junior O. Uma leitura geográfica dos papéis e significados de cidades pequenas na região metropolitana de campinas-SP. Revista do Departamento de Geografia – Portal de Revistas da USP. 2015; 29: 79-99.

Lobo LAC, Canuto R, Dias-da-Costa JS, Pattussi MP. Tendência temporal da prevalência de hipertensão arterial sistêmica no Brasil. Cad. Saúde Colet.2017; 33 (6): e00035316.

World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 2015.

Minayo MCS, Coimbra Jr CEA. Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. 2002. ISBN: 85-7541-008-3.

Araújo APS, Mincoff RCL, Blanco PHM, Lordani TVA, Machado ES, da Silva PDN, Oliveira DV. Análise da evolução temporal da morbidade hospitalar de idosos na região da AMUSEP entre os anos de 2000-2010. Saúde e Pesquisa, Maringá (PR). 2015; 8 (2): 307-316.

Honda Y, Nagai T, Iwakami N, Sugano Y, Honda S, Okada A, Asaumi Y, Aiba T, Noguchi T, Kusano K, Ogawa H, Yasuda S, Anzai T. Usefulness of geriatric nutritional risk índex for assessing nutritional status and its prognostic impact in patients aged ≥ 65 years with acute heart failure. Am. J. Cardiol. 2016; 118: 550-555.

Minamisawa M, Miura T, Motoki H, Ueki Y, Nishimura H, Shimizu K, Shoin W, Harada M, Mochidome T, Senda K, Yoshie K, Oguchi Y, Hashizume N, Naoyuki A, Saigusa T, Ebisawa S, Izawa A, Koyama J, Ikeda U, Kuwahara K. Geriatric nutricional risk index predicts cardiovascular events in patients at risk for heart failure. Circ. J. 2018; 82:1614-1622.

Moreno ECSG, Santos FM, Marinho DDT, Santos JMJ, Cunha JO. Acolhimento com classificação de risco em um hospital da rede pública: percepção dos usuários. Saúde e Pesquisa, Maringá (PR). 2018; 11(1): 89-97.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n3p611-617

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.