Comentários do leitor

Gibi Não É Pra Criança André Forastieri R7

por João Rafael Pires (2018-06-04)


João, formado em Sociologia, é um ícone bastante presente na cena cultural de Charqueadas. Músico e compositor, ele não somente admira a literatura, como também contribui com ela escrevendo crônicas. Amante dos livros, além de se identificar com Tex Willer, faz da leitura do gibi uma espécie de ritual.

estante para vinilNa casa de Herlandson Carvalho Silva, tem adesivo em tudo quanto é canto. Na porta do quarto, no guarda-roupa, na cama, na estante, na televisão, na geladeira… Difícil haver móvel sem um. Afinal, ele possui cerca de 3.500 adesivos de futebol, um dos maiores acervos do gênero no Brasil. Eles são de mais de 100 clubes brasileiros e de outros 50 países. Coleção inusitada, mas não a única.

Em 1948, a senhora Tea Bonelli pretendia modificar sua linha editorial, criando novas séries e parando com as meras reimpressões de histórias antigas, que já haviam esgotado seu público. Dessa forma, chama a Milão desenhista Aurelio Gallepini (que trabalhava para a Nerbini antes da guerra) e confia os textos a seu ex-marido, G.L. Bonelli, notável roteirista. Juntos, ambos criam duas séries: Occhio Cupo (série ambientada nos 700 norte-americanos, entre piratas e índios), carro-chefe da Editora (e que durou menos de um ano), e Tex, um western.

A ideia de trazer HQs em formato encadernado, compilando algum arco ou evento das HQs, é muito interessante para os leitores já há algum tempo. Pensando racionalmente, a editora consegue encontrar e angariar público para a obra de um jeito mais fácil e, para colecionador, é a melhor forma de conseguir arcos completos de alguma história que, porventura, ele não possua nas edições mensais — mas, principalmente, para organizar melhor sua coleção. De fato, encadernado é um formato que é utilizado maciçamente em mercados como estadunidense e japonês, para auxiliar os leitores a catalogar suas publicações e a adquirir esses produtos editoriais com preço mais baixo do que comprando títulos mensais ou antologias (sejam elas mensais, como nos EUA, ou semanais, como no Japão ou na Inglaterra).

A grande vantagem de utilizar prateleiras é a possibilidade de adicionar novas — sem estragar a composição — sempre que sua coleção aumentar e precisar de mais espaço. No entanto, muitas vezes há a necessidade de furar as paredes para instalar as prateleiras, que pode não ser tão prático.

Não adianta a prateleira ser forte com uma barra de ferro dentro para não dar barriga se ela for colada na lateral do armário. Ela vai se soltar com tempo das laterais e cair devido ao peso. A cola não dá essa sustentação, parafuso sim! Nessa imagem, novamente eu fiz corte em duas das prateleiras para que possa ser visualizada a barra de ferro que passa por dentro da prateleira.

estante para vinilLembre-se, comprar miniaturas pela internet é só em último caso, pois você tem que pagar frete, corre risco da peça vir quebrada por causa do transporte, etc. Faça uma lista com que você quer comprar e que já saiu das bancas e compre apenas essas, deixe as demais para comprar conforme forem chegando às bancas e economize a grana do frete e aborrecimento de ter que devolver uma peça quebrada pelos correios.

Fundada como uma empresa de bobbleheads" em 1998, não demorou em perceberem mercado em rápida expansão de itens de coleção de diversos tipos de fontes, como por exemplo, filmes de popularidade mundial como Star Wars ou desenhos animados de sucesso. Desde então, a Funko vem adquirindo cada vez mais licenças para criar seus incríveis produtos, atualmente trabalhando até mesmo com utensílios para casa e diversos tipos de colecionáveis que são revendidos em dezenas de países.

estante para vinil em acrilico sob medida para miniaturas articuladas da Pat Pinheiro. Geralmente não costumo comprar discos da mesma banda ou artista no mesmo mês para poder variar sempre, mas como os discos do Bob Dylan são quase raros por aqui já puxei dois para a minha sacola e mesmo pode-se dizer do Traffic e também puxei dois e mais um do Van Morrison e outro do Rush, e para fechar a conta escolhi um dos Beatles. Livros dessa vez não rolou comprar porque compro logo de cara e como eles demoram a ser devorados deixo sempre para outro mês. Essa segunda etapa das compras fiz no sábado de manhã, primeiro fui até a FNAC que fica num shopping tradicional daqui de Ribeirão Preto, e depois no fim da manhã, a parte derradeira fiz no mais novo shopping que foi inaugurado no final do ano passado e no caso a loja é Cultura.

Teve épocas que cheguei a gastar até mil reais num mês, isso foi loucura, aí caí na minha realidade, e agora compro as edições mensais, fiz a assinatura da Abril, paguei um ano e agora ganho dois anos de graça, 2013 e 2014. Um negócio muito bom. Mas estamos vivendo um boom nos quadrinhos Disney, então são muitos lançamentos todos os meses. Tem Disney Mega, Disney Jumbo, Disney Big, mais os lançamentos especiais e, logicamente, as revistas de linha. Enfim, não gasto menos de 150 reais por mês em quadrinhos. E ainda compro minhas estatuetas da loja americana Tfaw, aí vai mais uma grana.