Comentários do leitor

A "Estante Ideal Pra Quadrinhos"

por João Rafael Pires (2018-06-06)


estantesproblema deste caso e que jogos raros podem ser muitas vezes jogos bons ou ruins e acreditem normalmente a quantidade de jogos ruins prevalece, coisas nojentas tipo Cheetahmen, ou seja um colecionador caçador de tesouros deve ter em mente que sua coleção e feita de raros sendo lixos industriais ou não.

No começo desse ano rolou uma postagem aqui no blog que fez um relativo sucesso a respeito do assunto colecionismo. Estou me referindo aquela dica que dei em torno de uma estante para guardar os figures miniaturas de One Piece ( este link ). Porque esse tipo de móvel não é fácil de encontrar em lojas convencionais e são verdadeiros tesouros para quem precisa de um espaço personalizado para guardar sua coleção.

Sabe aquele livro de histórias infantis que você não abre há muito tempo? E aquele gibi já lido tantas vezes que repousa na estante? Para que crianças de quatro escolas rurais de Curaçá-BA tenham a oportunidade de lê-los projeto Leitura e contação de histórias, coordenado pela professora Patrícia Alves e a estudante Aline Miranda, do campus Petrolina Zona Rural do IF Sertão-PE, está promovendo uma campanha de doação de livros infantis e gibis. Eles podem ser entregues na Pró-reitoria de Extensão do IF Sertão-PE ou na coordenação do Campus Zona Rural até dia 31 de dezembro.

Quanto à profundidade da estante eu a faço internamente tendo 35 centímetros e as prateleiras tendo 30 centímetros de profundidade. Esses 5 centímetros que me sobram é mais que suficiente para ter as duas portas de vidro blindex. Costumo fazer duas portas de correr para lados opostos. Isso facilita a abertura se seu quarto ou sala tem um espaço pequeno. Dá para se fazer com portas de abrir para fora, mas você tem que prever espaço em volta para quando ela abrir não bater nos móveis em volta. Prefira a de correr. Quanto à profundidade da prateleira, 30 centímetros é ótimo para encadernados que são feitos com as folhas deitadas" tipo aquele "300 de Esparta" do Frank " Miller. Como a maioria dos encadernados não passam de 21 centímetros de profundidade, ainda sobra espaço na frente deles para colocar alguns enfeites: tipo os bonequinhos de personagem, canecas customizadas, ou outras quinquilharias (veja a IMAGEM 6).

Ideia, roteiro, rascunho, desenho, arte final, letramento, paginação, impressão, montagem e distribuição: as fases de produção de uma história em quadrinhos são várias e muito trabalhosas. Na Sessão Geleia HQ, desafio era cumprir todas essas etapas em grupo - e em apenas 24 horas. Em uma mesma sala, a criatividade de 12 desenhistas cresceu até quase não caber mais. Gabriel Góes, João Lin, Luciano Salles, Magenta King, Pedro Cobiaco, Tiago Lacerda (Elcerdo), João Carlos Vieira (João Azeitona), Dalton Tadeus Soares Cara (Dalts), Mateus Santolouco, Felipe Nunes, Marcelo Costa e Magno Costa uniram esforços para produzir "Rô", a história de um personagem sem gênero definido, contada em terceira pessoa e por vários pontos de vista. "A ideia era achar um tema com algum elemento em comum que ligassem as histórias. Este elemento iria ser plano principal para cada artista criar. E foi definido que seria um personagem esse elo", explica Tiago Lacerda.

Qualquer espaço da casa quando bem projetado pode abrigar nossos "companheiros" (na solidão ou junto àquele namorado que você NÃO emprestou) de forma prática e charmosa - como no quarto, em estantes fechadas para os alérgicos, ou até mesmo em ambientes antes impensáveis como a sala de jantar.

Recebi hoje minha estante para vinis, exclusiva para minha coleção de Blu-ray's e jogos de PS3. Por vezes, tentamos colocar juízo na cabeça de amigos, mas sabemos que incorreríamos no mesmo pecado. leitor-colecionador não tem limites. Em busca da padronização de sua estante, ele vaga por sebos, procura raridades e, principalmente, comete loucuras financeiras no geral impensáveis em outras áreas de sua vida.

Muitas vezes, leitores-colecionadores são pegos entre a razão e completo desvario (e nem sempre lado certo vence essa briga). Até hoje me debato com seguinte dilema: muito provavelmente, nunca lerei Vida e Proezas de Alexis Zorbas, de Nikas Kazantzakis, porque nem a história nem autor me interessam muito. Ainda assim, muitas vezes fiquei ponderando comprar exemplar da Tag Livros apenas porque ele é volume número 1 da coleção que está sendo formada desde início deste ano com as obras exclusivas para assinantes do clube (ainda não cedi à tentação e aguardo comentários entusiasmados de vocês dizendo que, na verdade, irracional é não ter primeiro livro de uma coleção).

A ampliação do número de caixas-estantes do Viagem pela Literatura objetiva a democratização do acesso ao livro e à leitura em Vitória. Essa descentralização é importante para oportunizar que pessoas, que não conheciam ou não tinham hábito de pegar um livro emprestado na Biblioteca, saibam que isso é possível", destaca secretário municipal de Cultura, Alcione Pinheiro.