Comentários do leitor

Estante Para Gibis No Mercado Livre Brasil

por João Rafael Pires (2018-05-18)


Só que aquele cara na banca falou que não ia ler boa parte do que comprou. A função da maioria daquelas capas duras ia ser, imagino, decorar a estante. Ou completar numeração de uma série, só pela necessidade de completar a numeração. Não era uma pilha para ler depois. Era uma pilha para atender a algum desejo particular, que não de ler.

estante para vinilblog vai reforçar seu projeto inicial de ser um depositário de descobertas minhas no campo dos quadrinhos, com destaque para a produção independente e de outros países. Desta vez aperto gatilho de uma ideia que já elaboro há tempos: cair de cabeça na minha coleção para escrever mais sobre cada obra. Serve tanto para compartilhar boas HQs como para me forçar a revisitar e pesquisar mais sobre os autores. Vai ser bem legal, espero.

Para entrar no mundo digital dos quadrinhos, você vai precisar de três coisas: uma fonte de quadrinhos, um bom método de organização e algo onde ler as suas edições. A seguir, vou detalhar as melhores soluções que eu encontrei para estas três questões.

Confesso que alguns dos meus gibis que guardo desde a época em que comprava nos sebos estão em estado bem precário também, e nem é tanto por falta de cuidado, porque alguns já vinham detonados da banca, mas quem disse que eu me importava com isso antigamente? Se tinha super-herói na capa, importante era prazer da leitura… Mesmo que viessem faltando algumas páginas, que outras estivessem riscadas de caneta e etc.

Quando se fala em Disney, a primeira coisa que todos pensam é que são histórias infantis, mas isso não é bem verdade, essas HQs são muito capazes de agradar adultos também, sendo que alguns títulos são pensados primeiramente para velhos colecionadores. Indique algumas coleções lançadas no Brasil cuja qualidade artística é indispensável para qualquer leitor de quadrinhos que se preze.

Recentemente comecei com a ideia colecionar jogos antigos. Como estamos numa fase econômica ruim, e importar está saindo mais caro, estou indo devagar. Meu interesse atual é comprar os jogos 8-bit e 16-bit que marcaram minha infância, originais e bem conservados.

As estantes para quartos costumam ser muito utilizadas pelas pessoas mais organizadas já que suas prateleiras são abertas e se você for tipo de pessoa que tira uma coisa do lugar e sempre devolve no lugar errado, é melhor nem pensar em ter uma estante. Muitas coisas para organizar e guardar pedem estantes com espaço generoso. E, ao invés de ter várias delas, há projetos que trazem apenas uma, ocupando paredes inteiras de um único ambiente ou mesmo extravasando os limites desse ambiente, atendendo mais de um cômodo de uma vez.

Guardadas as comparações, poderia ser um armário de quadrinhos com diferentes nichos e prateleiras ocupando este mesmo espaço. Me despeço aqui, e quem tiver dúvidas em relação à matéria pode fazer os comentários aqui no blog. A medida que Leo for liberando-os, eu tentarei responder às dúvidas mais pertinentes e dar outros conselhos.

Grande leitora de quadrinhos eu não sou, mas de vez em quando curto fazer umas incursões. Os fãs de quadrinhos que me lerem vão me achar uma boba, mas fico ainda super-ultra-deslumbrada quando eles são sobre a vida real. Os resquícios de quem passou a infância toda lendo Turma da Mônica e sendo feliz. deslumbre foi assim com Maus, do Art Spiegelman, que é absurdo de bom ao contar a história de uma família judia em meio ao holocausto. E aí me deparo também com a série Fracasso de Público (no original, Box Office Poison), do Alex Robinson, dividida em três volumes: Heróis Mascarados e Amigos Encrencados, Desencontro de Titãs e Adeus.

Olá! Eu sou a Nine Stecanella e você está no Estante da Nine. Nasci e moro em Caxias do Sul no Rio Grande do Sul. Criei blog em 2009, após ter algumas outras páginas com uma amiga, e por aqui compartilho os meus assuntos favoritos, entre eles livros, filmes, séries de TV, esportes e amor pelos animais. Mas não é só isso. Também escrevo sobre decoração, artesanato, cuidados com a casa e alguns dilemas que todos nós, leitores ou não, passamos.

Quando pensamos em literatura, pensamos em prosa ou poesia. Apesar das diferenças, ambos são essencialmente linhas de textos. Quadrinhos têm mais ilustração do que letras. E como jornalista Paulo Ramos argumentou , as histórias em quadrinhos têm suas peculiaridades, como por exemplo os balões de fala. Pra ele, as hqs são uma mídia a parte da literatura, que não é de forma alguma desfavorável. Talvez, X da questão não seja se quadrinho é literatura ou não, mas fato de que um quadrinho não é pior ou melhor do que um romance apenas por ser diferente.

A biblioteca infantil disponibiliza obras infantis e juvenis, gibis, revistas, em um ambiente alegre e acolhedor. Pode se disser que é a versão fulset dos consoles, este tipo de colecionador não costuma comprar jogos, na maior parte das vezes ele mal costuma jogar, pois objetivo dele e ter a maior quantidade de consoles isto inclui ate mesmo mais de uma versão de cada console, as vezes só pelo fato de serem do mesmo modelo, porem de outra cor ,já se torna alvo deste colecionador.