Comentários do leitor

ESTANTE PARA BONECOS Por R$175,00

por Leonardo Farias (2018-05-31)


estante para vinilSe certifique que as revistas guardadas em estantes colecionador ou prateleiras não recebem luz do sol direta, que, a curto prazo, "queima" os pigmentos da impressão e as deixa pálidas. Deverá também ter cuidado de limpar pó das revistas com alguma regularidade e deixar algum espaço entre elas, para que não fiquem demasiado apertadas.

A programação ainda inclui oficinas de roteiro, desenho e animação, exibições audiovisuais, concurso de cosplay, lançamento de títulos, debates e palestras. Além dos potiguares Luiz Elson, Wendell Cavalcanti, Wanderline Freitas e Lula Borges, nomes conhecidos no universo das HQs também marcam presença na FLiQ: José Aguiar, ilustrador, roteirista e editor paranaense que vem à Natal lançar a novela gráfica Vigor Mortis Comics"; a cartunista e desenhista paulista Spacca, autor de ‘graphic novel e livros em HQ com personagens históricos; artista plástico paraense João Henrique Lopes (que falará sobre mangá) e cearense Geraldo Borges, desenhista da DC Comics responsável pelos traços do Lanterna Verde e Mulher Maravilha; e autor paulista Rafael Coutinho.

propósito da Loja é oferecer aos clientes, uma variedade de miniaturas, atingindo assim os colecionadores iniciantes, bem como os mais "apurados". Tenho a disposição as linhas M2 Machines, Hot Wheels , Hot Wheels 100%, Show Case, GreenLight, Johnny Lightning, Maisto, entre outras.

Para organizar sua coleção de miniaturas, Erica comprou uma estante com um número fixo de nichos. Enfim, a novidade não tão nova agora é que a história de Fani e Leo irá parar nos quadrinhos em breve, sim, teremos um Graphic Novel da série. Vale lembrar, que a história dos HQs não estará na ordem cronológica dos livros, ou seja, não irá contar a história de Fazendo Meu Filme 1, e sim falará apenas da festa surpresa que Fani organiza para Leo, da qual não sabemos muita coisa, pois não é um acontecimento muito citado no livro. Apenas sabemos.

Por causa da catalogação no Guia dos Quadrinhos, tenho dado prioridade às edições brasileiras. Mas tenho muita coisa gringa sim. Da França, Argentina, Uruguai, Portugal, Inglaterra, Dinamarca, Rússia, Cuba, Peru. As pessoas costumam me trazer quadrinhos dos países que visitam e eu adoro receber esses presentes, é legal para entender como essa cultura dos quadrinhos funciona por lá.

OPINIÃO: Leiturinha afirma que trabalha com quase todas as editoras do Brasil, com destaque para Ciranda Cultural e Girassol, conhecidas por comercializar livros baratos e, por isso, tem melhor preço. Não detalha quem são os profissionais que fazem a curadoria.

João, formado em Sociologia, é um ícone bastante presente na cena cultural de Charqueadas. Músico e compositor, ele não somente admira a literatura, como também contribui com ela escrevendo crônicas. Amante dos livros, além de se identificar com Tex Willer, faz da leitura do gibi uma espécie de ritual.

Ela absorve umidade (em locais úmidos como regiões de praia ou montanha) ou fica seca (em regiões agrestes) e é difícil controlar essa mudança viva que ela passa. Ela é mais bonita sim, e bem mais cara. Geralmente é do que se faz aqueles móveis rústicos de fazenda. Serve para isso, mas não para a estante de quadrinhos. Quanto ao aglomerado, ele é horrível. É mais barato, mas nunca use. Pode lascar e soltar toda a parte interna dele, mais fácil de pegar cupim e menos resistente. Quanto ao acabamento, prefira os que imitam madeira. Os pintados com tinta laca (fosca, brilhante ou envernizada) costumam riscar fácil. Se não tiver muito cuidado quando for varrer sua sala e esbarrar nele, pode ter certeza que logo ele estará cheio de arranhões. Repito novamente, prefira MDF e com acabamento de madeira fosca.

estante para vinilÉ um tanto complicado falar sobre esse livro sem dar spoilers. Nessa adaptação de P. Craig Russell, a cada capítulo vamos acompanhar uma aventura de Nin pelo cemitério, desde sua chegada até ter dez anos. Cada capítulo é ilustrado por um desenhista diferente, cada qual dando sua versão dos personagens e dos cenários de acordo com timbre da narrativa.

Criada em 2005 pelo empresário carioca André Garcia, a Estante Virtual inovou ao se apresentar no mercado como um portal de venda de livros novos, seminovos e usados - incluídos os raros e esgotados -, conectando de forma inédita sebos, livreiros e leitores de todas as regiões do País.

Uns dias depois, comentaram que as editoras dessas capas duras de super-herói foram das poucas do mercado livreiro que conseguiram ficar no azul no pior da krize no ano passado. Tem bastante editor querendo entender e copiar fenômeno. Imaginei centenas de cenas iguais à da banca se repetindo por aí - provavelmente mais em versão virtual, no carrinho de compras da Amazon. É algo recente no Brasil. Entre várias coisas curiosas do fenômeno está essa predileção pelas capas duras, que rende umas analogias entre quem liga colecionismo a buscar solidez no mundo. Pode ser também que as capas duras formam blocos TOC-friendly na estante. Vai saber transtorno obsessivo de cada um.