Comentários do leitor

Prateleira Estrela Da Morte Para Action Figures

por Leonardo Farias (2018-06-04)


Quanto à IMAGEM 5, eu separei todas as partes que formam a estante para miniaturas de carros (laterais, fundo, teto, base, prateleiras e portas de correr) para dar uma noção melhor de como é processo de montagem. Todas essas partes são parafusadas umas nas outras. Não use cola, peça ao seu marceneiro que elas sejam parafusadas sempre. Isso dará maior resistência.

estantesMas ainda sim, não há dúvida de que as miniaturas são carro chefe da Funko. Exibidas com orgulho por colecionadores de todas as idades e gostos, estes bonecos tem sua vida útil maximizada quando são guardados devidamente em prateleiras, estante para bonecos e armários próprios para disposição de colecionáveis. Isso garante que as miniaturas não sejam expostas demasiadamente ao sol, poeira e demais possíveis agentes corrosivos que acabam por desgastar sua coleção.

Quando um professor lê um texto para si ou para outro, situa-se nele como interlocutor desse, e contextualiza e intertextualiza que faz da leitura um encontro de personagens e personalidades. Todo texto contém em sua estrutura ensinamento estético, moralístico,humorístico ou até mesmo "prazeroso".

A ideia de um serviço de assinatura de livros não é exatamente nova. Quem foi criança na década de 70 ou 80 talvez se lembre do Círculo do Livro. Criado em 1973, Círculo era uma editora que enviava aos assinantes, periodicamente, uma revista promocional com informações sobre acervo e lançamentos. Quem participava tinha de escolher um determinado número de livros e os recebia em casa. As obras eram de alta qualidade, tanto editorial quanto gráfica, e os preços ficavam abaixo dos valores praticados na época.

Ela absorve umidade (em locais úmidos como regiões de praia ou montanha) ou fica seca (em regiões agrestes) e é difícil controlar essa mudança viva que ela passa. Ela é mais bonita sim, e bem mais cara. Geralmente é do que se faz aqueles móveis rústicos de fazenda. Serve para isso, mas não para a estante de quadrinhos. Quanto ao aglomerado, ele é horrível. É mais barato, mas nunca use. Pode lascar e soltar toda a parte interna dele, mais fácil de pegar cupim e menos resistente. Quanto ao acabamento, prefira os que imitam madeira. Os pintados com tinta laca (fosca, brilhante ou envernizada) costumam riscar fácil. Se não tiver muito cuidado quando for varrer sua sala e esbarrar nele, pode ter certeza que logo ele estará cheio de arranhões. Repito novamente, prefira MDF e com acabamento de madeira fosca.

SÃO PAULO (impressionante) - Enquanto rolam as 6 Horas aqui em Interlagos, vamos desovar algumas coisinhas que venho guardando há alguns dias. Começando pela mais incrível coleção de miniaturas 1:43 que já vi. Ela pertence ao blogueiro Sergio Luis dos Santos, do Rio. São os carros de todos (ou quase; deve estar faltando alguém, não é possível!) os pilotos brasileiros que correram no exterior.

estantesAgora os pontos ruins: a Tia May é um acessório, não tem relevância nenhuma para história e as cenas com ela também poderiam ser cortadas que não fariam diferença no filme. Tirando Ned que é melhor amigo e Flash que é alívio cômico e garoto que pega no pé do Peter, os outros personagens também não apresentam nenhum tipo de relevância narrativa. A pior personagem sendo a da Michele, várias teorias foram divulgadas recentemente apontando quem ela seria na verdade, mas foi um desperdício de tempo, todas as cenas dela são sem sentido e ela aparece e some do nada, completamente descartável.

No Brasil, as histórias em quadrinho surgiram em meados do século XIX, mas apenas se popularizou com lançamento de clássicos como A Turma da Mônica", Menino Maluquinho", A Turma do Pererê" e Tico-Tico", que é considerada a primeira revista em quadrinho lançada no Brasil, em 11 de outubro de 1905.

Houve tempos em que coleção era coisa dos extremos da vida: ou matéria de crianças com seus bonés, álbuns de figurinhas e bolinhas de gude; ou distração de aposentados atrás de relíquias como moedas antigas e, ápice dos ápices, selos, muitos selos. Desde há muito tempo eu tinha desejo de comprar uma cristaleira. Ao pesar as questões levantadas acima sobre segurança, proteção e extensão das coleções eu logo decidi por essa opção. Eu vinha expondo as peças em uma estante aberta que logo se mostrou inadequada devido ao grande acúmulo de poeira sobre as figuras. Isso fez com que eu as guardasse e partisse à procura de uma cristaleira. Após rodar várias lojas em São Paulo (capital) pude perceber que os preços variavam grandemente e não eram tão atrativos. Depois de muito procurar decidi por um modelo que agregasse preço, estilo e proteção. Alguns critérios eram imprescindíveis para mim, dentre eles a possibilidade de se enxergar as peças de vários ângulos, ou seja, seria necessário a presença de vidros anteriores, laterais e se possível posteriores. Percebi, no entanto que a presença de "vidro" encarecia grandemente a cristaleira. Sendo assim tive que ajustar esse meu desejo ao preço.