Comentários do leitor

Estante Pra Quadrinhos, Livros E Mangás Que Não Enverga

por Leonardo Farias (2018-06-20)


estantesSÃO PAULO (impressionante) - Enquanto rolam as 6 Horas aqui em Interlagos, vamos desovar algumas coisinhas que venho guardando há alguns dias. Começando pela mais incrível coleção de miniaturas 1:43 que já vi. Ela pertence ao blogueiro Sergio Luis dos Santos, do Rio. São os carros de todos (ou quase; deve estar faltando alguém, não é possível!) os pilotos brasileiros que correram no exterior.

A identificação com os personagens abre a relação mais íntima com as HQs. Basta pegarmos exemplo da Turma da Mônica: a espontaneidade de cada um, as características físicas que os aproximam dos pequenos, as falas. Os gibis também ajudam no processo de socialização, já que, por conta do seu texto leve e descontraído, ele passa a ser uma forma de entretenimento entre as crianças. Elas se reúnem para conversar sobre a história, brincam usando como referência os personagens e acabam estimulando umas às outras a lerem mais obras. Sabe aquela febre de seriado que nós, adultos, temos? mesmo efeito pode ser visto nos gibis - que são um excelente ponto de partida para a alfabetização.

Na IMAGEM 9 temos guarda roupa em si. Ele é com quatro portas de correr e note que as estruturas verticais também são com 3.6cm (lembra que eu disse que madeiras grossas dão mais imponência)? As prateleiras internas brancas são de 1.5cm já que as roupas são leves. Não necessitam serem grossas e nem ter ferro dentro. Veja que há espaço para sapatos, calças, gavetas, e nichos diversos que atendem meu gosto particular e as roupas que eu tenho em casa.

HQ são imagens sequenciais então, apesar de tentar interferir mínimo possível, sou obrigado a narrar a história original de uma forma diferente, seguindo meu plano de montagem pessoal. Mas nunca coloco personagens novos nem crio situações que não existiam. Quanto aos detalhes, em um livro eles são infinitos, e estão inclusive nas entrelinhas. Muitos deles passam para roteiro. E Rodrigo costuma resgatar muitos outros.

Navegando pela internet, encontrei esse tutorial para fazer uma estante para carrinhos miniaturas em miniatura. Cajun Engenharia, no bairro Itararé, está recebendo a caixa-estante desde abril e a educadora social Nayara Girelli foi só elogios ao projeto. "A partir dos vários livros e revistas disponibilizados, cada educando pode criar sua identidade literária. As crianças podem se reconhecer e reconhecer outro e assim entender melhor mundo em que vivem".

Olá, pessoal! Como prometido, para a primeira matéria da coluna Estante de Colecionador, eu vou mostrar a vocês minha coleção de Harry Potter, são vários itens que adquiri ao longo do tempo. Eu quis mostrar essa coleção primeiro por ser a maior que tenho em questão de itens e diversidade, afinal, sabemos que por todo sucesso que fez nosso bruxinho preferido e mundo dos nossos sonhos, Harry Potter se tornou uma "espécie" indústria disposta a satisfazer (enlouquecer) os fãs! Então abaixo com mais fotos explicarei um pouco mais sobre cada item.

A Mari, que padece do mesmo problema, com um pouco mais de entusiasmo por causa da sua organização, um dia desses me disse que estava pensando em doar seus livros da Chimamanda Ngozi Adichie para fazer a coleção nova da Companhia das Letras, com imagens de mulheres negras com cabelo trançado, em cores vivas (ainda não sabemos desfecho dessa história).

Mas ok, você não quer pensar em quantos carrinhos vão caber em sua estante, até porque existe a opção de acondicioná-las em caixas e outros lugares… Você está certo, pode ser que não seja momento de pensar sobre isso, mas uma coisa você deve saber: Miniaturas que pegam pó estragam com passar do tempo, portanto prefira prateleiras ou expositores fechados, que também ajudam a proteger de mãos" indesejadas.

A melhor forma de evitar a umidade é manter suas revistas em estantes, uma vez que é mais arejada e fica mais fácil de observar constantemente possíveis aparecimentos de insetos. Todavia, garanta que nenhum raio de Sol incida diretamente sobre estas estantes.

A experiência de leitura de uma HQ é diferente da de um livro, como é diferente a forma de percebê-lo através de um filme ou uma peça de teatro. Cada justamente essa diferença que se procura usufruir nas adaptações. Essas novas formas de leitura não afetam original. Ele continuará sempre lá, preservado em seu formato, sem correr nenhum perigo.

As peças são separadas como um quebra-cabeças e você monta da maneira que quiser, obedecendo determinadas larguras, alturas e encaixes que já vem prontos. Pode-se, por exemplo, regular a altura das prateleiras (veja na foto que as laterais da estante têm vários furos brancos para que se possa determinar a altura da prateleira).

Uns dias depois, comentaram que as editoras dessas capas duras de super-herói foram das poucas do mercado livreiro que conseguiram ficar no azul no pior da krize no ano passado. Tem bastante editor querendo entender e copiar fenômeno. Imaginei centenas de cenas iguais à da banca se repetindo por aí - provavelmente mais em versão virtual, no carrinho de compras da Amazon. É algo recente no Brasil. Entre várias coisas curiosas do fenômeno está essa predileção pelas capas duras, que rende umas analogias entre quem liga colecionismo a buscar solidez no mundo. Pode ser também que as capas duras formam blocos TOC-friendly na estante. Vai saber transtorno obsessivo de cada um.